17/01
13:34

PM realiza blitz educativa voltada para sergipanos e turistas


A Polícia Militar, através da Companhia de Polícia de Trânsito (CPTran), realiza na manhã desta quarta-feira, 18, uma blitz educativa voltada para todos os condutores de veículos automotivos que passarem pela avenida Treze de Julho, em Aracaju.

A iniciativa tem como objetivo chamar a atenção de sergipanos e turistas para graves problemas que podem ser gerados através da combinação entre álcool e trânsito, sobretudo em eventos como Pré-Caju, Verão Sergipe e carnaval.

A PM disporá de dois mil adesivos que serão colocados nos carros que comparecerem ao local. "Trata-se de uma ação para divulgar ainda mais a Lei nº 11.705/2008 [conhecida como Lei Seca] e chamar a atenção dos condutores de veículos para o perigo em dirigir após a ingestão de bebidas alcoólicas. Nosso objetivo não é punir ninguém, nosso foco amanhã é sensibilizar a sociedade para aproveitar as festas com alegria, segurança e responsabilidade", comentou o capitão Fábio Luiz Silva Machado, comandante da CPTran.

Na prática, os condutores de automóveis que passarem em frente ao caixa do Banese, localizado no Calçadão da Treze de Julho, serão convidados a colocar o adesivo no veículo. "Nossa intenção não é obrigar ninguém a colocar o adesivo, mas chamar a atenção para problemas sérios e que podem ser evitados com medidas simples por parte de cada condutor de veículo consciente", pontuou o capitão Machado.

A blitz educativa ocorrerá das 9 às 11h, em frente ao caixa do Banese, localizado no Calçadão da Treze de Julho, em Aracaju. Na ocasião, a Ouvidoria do Departamento Estadual de Trânsito de Sergipe (Detran) acompanhará a blitz conduzida por 11 policiais militares envolvidos na atividade. Os condutores ainda terão oportunidade de conhecer etilômetros e tirar dúvidas sobre infrações, multas etc. (Da assessoria)


Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
17/01
11:41

Avanços na UFS: um breve balanço

Angelo Roberto Antoniolli - vice-reitor da UFS

Em novembro de 2004, teve início, na Universidade Federal de Sergipe, a primeira gestão dos professores Josué Modesto dos Passos Subrinho (Reitor) e Ângelo Roberto Antoniolli  (Vice-Reitor). Em 2008, foi iniciada a segunda gestão, com término em 2012. Este artigo pretende apresentar um breve balanço desses últimos sete anos de gestão da UFS. Primeiramente, constata-se que, neste período, esta instituição se acha, profundamente, marcada por uma política acadêmica de expansão e de inclusão social.


Quando os atuais gestores assumiram, em 2004, as suas funções de Reitor e de Vice-Reitor, a UFS se constituía uma unidade relativamente pequena, no conjunto das IFES. Naquele momento, exibia lacunas visíveis quanto à oferta de cursos superiores em áreas estratégicas do conhecimento, indispensáveis para o desenvolvimento de Sergipe. A vida
acadêmica estava fortemente centralizada em Aracaju e na cidade limítrofe de São Cristóvão, deixando todo o interior do Estado carente de oferta de vagas públicas para o ensino superior. Além disso, a UFS tinha um desenho institucional que excluía, liminarmente, os estudantes que não se enquadrassem em um determinado perfil socioeconômico.


Os mandatos dos professores Josué Modesto e Ângelo Antoniolli foram dedicados a mudanças desse panorama.  Para isso, havia necessidade de conseguir respaldo da maioria da comunidade acadêmica e apoio de diversos segmentos da sociedade civil. Com as possibilidades  de recursos adicionais que se vislumbravam, na época, a UFS poderia captar, no âmbito do Ministério da Educação e nas agências federais de fomento, especialmente, as vinculadas ao Ministério de Ciência e Tecnologia. Buscou-se,  também, o apoio político da bancada de parlamentares sergipanos para a inscrição, nos Orçamentos Anuais da União, de recursos especiais para a UFS, bem como as possibilidades de parcerias com outros órgãos da administração pública, como a Secretaria de Estado da Educação de Sergipe (SEED).


De fato, a UFS, durante a gestão Josué Modesto/Ângelo Antoniolli, foi marcada por significativas mudanças no seu aspecto físico, na sua produção acadêmica e no seu desenho
institucional. Isso pode ser constatado a partir de alguns indicativos. Primeiramente, visando apagar seu caráter excludente, em relação aos segmentos sociais situados nos estratos socioeconômicos desfavorecidos, a gestão Josué Modesto/Ângelo Antoniolli buscou ampliar o atendimento a essas camadas socioeconômicas. A política educacional inclusiva tomou quatro medidas eficazes. Em primeiro lugar, ampliou-se a oferta de cursos noturnos, no limite da capacidade física de acolhimento de alunos, nas instalações da UFS, contando, inclusive, com restrição de pessoal técnico e de apoio para a manutenção da necessária qualidade acadêmica. Em segundo lugar, a interiorização da UFS. Esse aspecto foi incentivado, com rigor e competência, na gestão Josué Modesto/Ângelo Antoniolli. Foram instalados três novos campi universitários: Itabaiana, Laranjeiras e Lagarto. Além dos novos campi, a gestão ampliou a oferta de vagas em diversos cursos, em outros municípios, na modalidade Ensino a Distância (EaD), através da Universidade Aberta do Brasil (CAPES), dobrando a oferta de vagas da UFS e levando a instituição às micro-regiões do Estado. Em terceiro lugar, foram padronizados os horários das ofertas obrigatórias de disciplinas de cursos de graduação, preferencialmente, em um único turno. Isso permitiu um melhor planejamento dos estudantes na conciliação de suas tarefas acadêmicas com as atividades produtivas e/ou domésticas. Essa medida possibilitou combater a evasão de estudantes que não se enquadravam no tipo “estudante profissional”, aquele que se dedica exclusivamente aos estudos. Enfim, durante a gestão Josué Modesto/Ângelo Antoniolli foi aprovada e implementada a Política de Ações Afirmativas da UFS. Essa nova possibilidade estabeleceu 50% das vagas totais de todos os cursos de graduação para os candidatos que tenham cursado integralmente o ensino médio e,pelo menos, quatro anos do ensino fundamental, em instituições públicas de ensino. Ainda em relação às cotas  de 50% destinadas aos alunos egressos da escola pública, há uma oferta de 70% de vagas para estudantes que se auto-declararem pardos, pretos ou indígenas e que, no momento da inscrição para o vestibular, optarem pela cota de vagas étnico-raciais (MARCON, 2010).


A política educacional adotada e implementada, nas duas gestões, se refletiu diretamente no ensino, na pesquisa e na extensão. Esses três pilares avançaram firmemente, nesse período. Os dados quantitativos relativos à UFS apontam que, entre 2004 e 2011(conforme relatórios de gestão),  a instituição progrediu na sua extensão e na sua qualidade, em todas as suas atuações. Ainda nessa direção, indicativos apontam que a UFS alcançou metas  estabelecidas no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), visto que, seu  crescimento, entre 2004 e 2009, apresentou um ritmo mais célebre que a média das IFES, uma vez que ampliou a oferta de vagas, em cursos de graduação presencial, em 68.4%, entre 2004 e 2009, enquanto o conjunto das IFES teve um crescimento de 58,9%. Isso pode ser constatado com a ampliação do número de alunos matriculados, no ensino presencial e semipresencial. Em 2004, havia 10.768 alunos matriculados. Em 2011, a população discente foi ampliada para 27.914.


No que diz respeito à pesquisa, os números apontam para a estruturação de campos de pesquisa que vêm ganhando renome nacional e internacional e construindo um sistema de ensino que possibilita a continuidade de estudos através de cursos de pós-graduação, em  especial, os de mestrado e doutorado. Isso pode ser constatado através da criação de  novos cursos de pós-graduação. O número de cursos credenciados pela CAPES passou de 8  mestrados e 1 doutorado, em 2004, para 37 cursos de mestrado e 08 doutorados, em 2011.  Ampliou-se, significativamente, o número de alunos matrículas nos cursos de pós-graduação  stricto sensu: de 357, em 2004, para  1.430, em 2011.


Quanto à extensão universitária, a UFS expandiu suas relações, diversificou os projetos de extensão e criou canais de comunicação com a sociedade e com a comunidade acadêmica. As políticas de apoio aos estudantes fortaleceram-se através de programas de assistência, especificamente o Programa de Residência Universitária. O HU transformou-se num centro de referência, no Estado, ampliando leitos, prédios, atendimento à comunidade, áreas e especialidades médicas, odontológicas e de outras assistências da área   de saúde. Adotou práticas de reciclagem e preservação ambiental, através do programa UFS Ambiental. Alguns dados quantitativos refletem essas mudanças. Em 2004, foram desenvolvidos 220 projetos,  com uma estimativa de público beneficiado de cerca de 214.997 pessoas. Em 2011, foram registrados 237 projetos, com um público beneficiado estimado em 275.314. Em 2004, havia 211 professores e 336 estudantes envolvidos. Em 2011, foram registrados 347 professores e 1.016 estudantes envolvidos.


A política educacional adotada pelo Governo Lula trouxe grandes avanços à UFS, mas também novos e grandes desafios. Vale ressaltar que, enquanto instituição, a UFS foi muito beneficiada pela política adotada pelo Ministério da Educação, que possibilitou  circunstâncias favoráveis aos anseios de expansão das Instituições Federais de Ensino  Superior (IFES). Porém, as circunstâncias favoráveis não contemplaram todas as  instituições, na mesma intensidade, sobretudo devido à incapacidade interna, de algumas IFES, para compreender os fatores conjunturais, que envolviam formular propostas e  implementá-las, para além de alavancar o potencial da comunidade.


Isto não significa que está tudo resolvido ou que a expansão está consolidada. Faz-se necessário assegurar à comunidade acadêmica da UFS que todas as ações que estão mudando, para melhor, nossa Universidade, sejam consolidadas, continuadas e ampliadas. A razão disso é simples de entender: a UFS avançou fortemente nos últimos anos e tornou-se uma  das principais universidades nordestinas por causa do trabalho coletivo da comunidade acadêmica. Porém, é imprescindível a construção de novos modelos para enfrentar os  desafios da UFS, nos próximos anos, sobretudo mantendo, ampliando e garantindo os significativos avanços alcançados até agora.

Referências

MARCON, Frank; PASSOS SUBRINHO, Josué Modesto dos. Ações afirmativas: a experiência da
Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão: Editora UFS, 2010.
UFS. Relatório de Gestão 2004-2008. São Cristóvão, 2009.
Relatório de Gestão 2008. São Cristóvão, 2009.
Relatório de Gestão 2009. São Cristóvão, 2010.
Relatório de Gestão 2010. São Cristóvão, 2011.
UFS em Números 2004-2008. São Cristóvão, 2009.
UFS em Números 2011/1. São Cristóvão, 2011.


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
17/01
11:11

Coronel da PM de SE é a profissão mais perigosa do mundo

Veja o adicional que a cúpula da PM recebe por periculosidade

Está na coluna de Ancelmo Gois: José Vicente da Silva, ex-secretário Nacional de Segurança, diz no Twitter que a profissão mais perigosa do planeta é a de "coronel em Sergipe". Segundo ele, o adicional de periculosidade para coronel da PM ali é de R$ 12.401,60


Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
17/01
08:25

Déda reúne-se com o presidente da Petrobras para tratar de projetos

Projeto Carnalita, ampliação da Fafen e reconstrução de rodovia foram temas da reunião ocorrida na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro

O governador de Sergipe, Marcelo Déda, reuniu-se na tarde desta segunda-feira, 16, com o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielle, na sede da empresa, no Rio de Janeiro, objetivando tratar de temas relevantes para a economia sergipana. O primeiro ponto discutido refere-se a exploração do ‘Projeto Carnalita’ pela mineradora Vale e que é objeto de entendimento entre as empresas. Segundo informou Gabrielle ao governador, as negociações encontram-se em fase adiantada, sendo que diversos aspectos que precisavam ser negociados entre a Petrobras e a Vale já foram superados, restando apenas um, que é relativo a uma área que representa apenas 30% do projeto e onde ‘há conflito de lavras’.

Nesta área existe o potássio, de onde se extrai a Carnalita numa camada superior e abaixo há uma jazida de petróleo. “O presidente Gabrielle nos disse que considera que as negociações estão num estágio extremamente positivo”, disse Marcelo Déda. O governador informou ainda que Sérgio Gabrielle reconheceu que ainda não existe uma tecnologia capaz de explorar as duas jazidas ao mesmo tempo sem causar riscos relacionados à segurança, já que da exploração do Petróleo resulta a formação de gases inflamáveis.

Marcelo Déda disse que, no entanto, a Petrobras está disposta a investir em pesquisas para criar uma tecnologia que torne possível esta condição de exploração concomitante. “Sérgio Gabrielle está empenhado em resolver a situação e apresentou duas possibilidades, uma é a busca por uma tecnologia inovadora que permita a exploração das duas lavras ao mesmo tempo e a outra é que a Vale inicie sua exploração na outra área que representa 70% do projeto Carnalita e vá avançando até onde há o conflito, dando tempo para que a Petrobras explore o poço de petróleo”, informou o governador.

O governador acrescentou ainda que, nos próximos trinta dias, irá à sede da Vale para reunir-se com o presidente da empresa, Murilo Ferreira, para ajudar na sensibilização junto a empresa sobre a importância estratégica do projeto para Sergipe e para o país que necessita diminuir sua dependência internacional de fertilizantes. “O Projeto Carnalita em Sergipe é tão estratégico para o país que até a presidenta Dilma Rousseff já o colocou como pauta prioritária de sua agenda”, revelou Déda.

Ampliação do Porto

O segundo tema tratado pelo governador Marcelo Déda na reunião com Sérgio Gabrielle foi a ampliação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) que pertence a Petrobras. Para viabilizar esta ampliação será necessária também a ampliação do porto de Sergipe para que seja construído um novo terminal capaz de receber o sulfato de amônia e o ácido sulfúrico que são elementos necessários para a fabricação de fertilizantes, a exemplo do sulfato de amônia.

“Estamos analisando as tratativas para a criação de um consórcio entre Governo do Estado, Petrobras, a Vale e a ANTAQ para que possamos viabilizar as etapas necessárias para edificação deste novo terminal que vai das licenças ambientais até a construção propriamente dita e que será de fundamental importância para a ampliação da fabricação de fertilizantes em Sergipe e que consequentemente vai gerar um impacto significativo e positivo na economia sergipana”, informou Marcelo Déda.

Por último, eles explanaram sobre um aditamento ao contrato que o Governo do Estado possui com a Petrobras para a recuperação e ampliação da rodovia SE-100 no trecho que liga o município da Barra dos Coqueiros ao entroncamento com a rodovia Delmiro Gouveia (SE-240), que faz a ligação do porto de Sergipe à BR-101. Marcelo Déda afirmou que já existe um parecer favorável da Petrobras Sergipe/Alagoas, mas que, para que seja liberado o aditivo, necessita da autorização da matriz. “Fomos buscar o aditamento por entendermos que com a possível ampliação do porto haverá aumento de demanda nas estradas que dão acesso ao terminal portuário havendo também a necessidade de uma rodovia mais segura e confortável para quem vai realizar a exploração econômica e também para os sergipanos de um modo geral”, disse o governador.

Segundo ele, o objetivo é que aquele trecho da SE-100 fique no mesmo padrão das rodovias que o Governo de Sergipe vem construindo nas diversas regiões do Estado, com uma caixa asfáltica de 12 metros, sinalizações horizontal, vertical e noturna, defensas metálicas, todos os itens que proporcionem segurança e tranquilidade para quem trafega. “Não se trata apenas de melhorar a estrada, e sim, de construir uma nova estrada como já fizemos em outras oportunidades, a exemplo da rodovia Delmiro Gouveia, da rodovia Lourival Batista, da rodovia da Integração que inauguramos recentemente”, finalizou Marcelo Déda. (Da assessoria)


Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
16/01
22:16

Naufrágio não amedronta: Sergipanos participam de cruzeiro no litoral brasileiro

Nem mesmo o naufrágio do navio Costa Concordia, ocorrido na última sexta-feira na região italiana da Toscana, tejm desanimado os sergipanos que compraram passagens para cruzeiros no litoral brasileiro. Nesta-terça-feira um navio sai à noite de Salvador (BA) com mais de 1500 passageiros, entre os quais mais de 350 pessoas com residências fixas em Sergipe, sendo a grande maioria de Aracaju. O navio Costa Pacific fará cruzeiro pelo litoral brasileiro, partindo de Salvador e durante uma semana passeará pelo Atlântico até Ilha Bela (SP) e depois retornando para a Bahia. Há muitos sergipanos também participando de viagens internacionais em navios, um mercado que ficou muito aquecido com o fortalecimento do real diante do dólar e também por conta da crise econômica internacional, que atinge os EUA e a Europa, mas que ainda não tem sido muito sentida no Brasil.


Colunas
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
16/01
21:27

Déda reassume e discute Pré-Caju com cúpula da SSP

O governador Marcelo Déda retorna a Sergipe depois de um período de férias e assume o governo às 10h desta terça-feira. O ato de posse será reservado e dele participação somente Déda, o vice no exercício da governadoria Jackson Barreto e os secretários Jorge Alberto (Casa Civil) e Francisco Dantas (Governo). Logo em seguida, o governador se reúne com a cúpula da SSP e da PM para discutir a crise gerada pela posição dos policiais militares de não darem segurança ao evento. Os PMs querem a definjiçãqo da Lei da Organização Policial e o recebimentos de horas extras npara atuarem em atividades não regulares da tropa. Também estará na pauta a regularização das viaturas policiais.


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
16/01
19:30

Semana será de chuvas finas em Sergipe


Chuvas mais intensas se aproximam do litoral sergipano. De acordo com o Centro de Meteorologia da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Cemese/Semarh) durante toda essa semana, período de 16 a 22, as chuvas que cairão entre os litorais norte e sul serão apenas de precipitação fina e com variação de temperaturas entre 25 a 32 graus para o litoral, e 22 a 35 graus para o Agreste do Estado. O alerta de maior volume de chuvas previsto, com acumulado entre 50 a 60 milímetros, tem  a perspectiva de somente ocorrer na próxima semana.

De acordo com os estudos climáticos dessa semana, desde a madrugada de hoje até neste próximo domingo, dia 22, há  perspectivas de ocorrência de chuvas nos períodos de fim de tarde, madrugada e início da manhã. Isso significa dizer que a maior prévia carnavalesca do Estado, o Pré-Caju, que inicia nesta quinta-feira, dia 16, a partir das 17hs, poderá ser abençoado por “São Pedro” com o envio de chuvas finas.  A notícia boa, segundo o Cemese/Semarh, é que a chuva será fina com efeito de brisa, com retorno de precipitação apenas na madrugada da sexta-feira.

De acordo com o meteorologista da Semarh, Overland Amaral, o comportamento do clima apena será significadamente modificado a partir da próxima semana. Explica que a alteração climática é fruto da existência de dois sistemas atmosféricos atuantes sobre o Nordeste do Brasil: o da Linhas de Instabilidade e o  Vótice Ciclónico.

“São sistemas que provocam chuvas. As Linhas de Instabilidade(LI) junto ao Vórtice, que se formam principalmente nos meses de verão no hemisfério sul (dezembro a março), encontram-se ao sul da Linha do Equador influenciando as chuvas no litoral norte do Nordeste e regiões adjacentes e ocorrem no período da tarde e início da noite”, explica Overland o movimento climático atual.

 

Intensificação das chuvas

Segundo alerta o meteorologista, o nível mais alto das chuvas está previsto para ocorrer no dia 23, próxima segunda-feira de janeiro. Para esse dia o acumulado previsto é de 50 milímetros. “Bastante significativo. Cidades como Brejo Grande, Barra dos Coqueiros, Santo Amaro, entre outros municípios do Litoral Norte, a exemplo de Neópolis, deverão ser alcançados pelas chuvas de Verão”, comentou Overland.

Já no dia 24 até 01 de fevereiro,  as chuvas chegarão a um acumulado de 60 milímetros. Estarão concentradas desde o nordeste da Bahia até ao Alto Sertão, e Litoral Leste de Sergipe. (Da assessoria)



Colunas
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
16/01
09:27

Aracaju recebe o 'Clube do Feijão Amigo' sexta-feira

Acontece na próxima sexta-feira (20) a nova edição do 'Clube do Feijão Amigo', em Sergipe, que é uma confraternização entre empresários do setor turístico, agentes de viagem, hoteleiros, jornalistas e autoridades locais.  O evento vai acontecer no Hotel Mercure/Del Mar, na Orla de Atalaia, a partir do meio-dia.

Os 'feijoeiros' como são conhecidos os adeptos e sócios do Clube do Feijão Amigo, vão fazer a festejar o turismo ao som de Gil Castro e do Quinteto Sanfônico de Aracaju e degustando o tradicional feijão, acompanhado de arroz, bife, ovo e batata frita.

O presidente da Empresa Sergipana de Turismo e o secretário de Estado do Turismo, estão finalizando os últimos detalhes para este grande evento do turismo no país. "O Clube do Feijão Amigo tem a finalidade de reunir pessoas da cadeia produtiva do turismo para manter o relacionamento entre eles e encontrar soluções que ajudem no desenvolvimento sustentável da atividade turística e, finalmente, para se confraternizar em torno do feijão, prato tradicional da culinária", disse Elber Batalha.


Feijão Amigo

O Clube do Feijão Amigo foi idealizado por dois empresários do setor turístico, Michel Tuma Ness e Adel Auada, em São Paulo, em fevereiro de 1980. O Clube do Feijão Amigo não possui estatuto, não tem sede própria e os associados não pagam
mensalidade e congrega hoje, mais de 100 mil 'feijoeiros' no Brasil e exterior. É um clube de amizade e confraternização do segmento turístico que reúne agentes de viagens, hoteleiros, companhias aéreas, restaurantes, jornalistas, autoridades, entidades de classe e pessoas que de maneira direta ou indireta contribuem para o desenvolvimento do setor no Brasil.

Os amigos da imprensa que desejarem participar do evento, favor entrar em contato com a ASCOM da Setur/Emsetur para a retirada do convite - (79) 3179-1979  (Da assessoria)



Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
Primeira « Anterior « 1828 1829 1830 1831 1832 1833 1834 1835 1836 1837 1838 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos