30/08
20:52

Medicina é o curso mais procurado para o vestibular 2012 da UFS

Divulgada a concorrência para o vestibular 2012 da UFS 29 mil candidatos se inscreveram para 5.490 vagas em 106 opções de cursos; conheça os mais procurados

 

Exatos 29.333 candidatos confirmaram sua inscrição no site do vestibular 2012 da UFS. Os dados foram publicados hoje, 30, pela Comissão de Concurso Vestibular (CCV). As inscrições foram encerradas no último dia 5. A UFS disponibiliza nesta seleção 5.490 vagas em 106 opções de cursos distribuídas nos campi de São Cristóvão, Itabaiana, Laranjeiras e Lagarto.

Mais procurados

Os sete cursos mais procurados no vestibular 2012 são os seguintes:

- Medicina (São Cristóvão - Integral): 1.997 inscritos para 100 vagas;
- Enfermagem (São Cristóvão - Bach. - Vespertino): 974 inscritos para 80 vagas;
- Direito (São Cristóvão - Bach. Noturno): 922 inscritos para 50 vagas;
- Direito (São Cristóvão - Bach. Diurno): 920 inscritos para 50 vagas;
- Medicina (Lagarto - Integral): 905 inscritos para 50 vagas;
- Engenharia Civil (São Cristóvão - Vespertino): 896 inscritos para 100 vagas;
- Serviço Social (São Cristóvão - Bach. - Noturno): 860 inscritos para 80 vagas.

Devido às políticas afirmativas adotadas pela UFS, os candidatos devem verificar a concorrência do curso escolhido de acordo com o grupo em que foi classificado. Confira a lista completa da concorrência aqui.

Locais das provas

De 3 a 14 de outubro o candidato acessa o endereço eletrônico da CCV para imprimir o cartão de identificação, o qual lhe dará conhecimento e acesso ao local de realização das provas. Neste cartão o candidato cola uma foto (papel fotográfico), tamanho 3x4, recente e em condições de identificar o candidato, preferencialmente com data do ano de 2010 ou 2011. Este documento será retido pelo fiscal de sala no primeiro dia de prova.

O cartão será utilizado para comparação de foto, assinatura e/ou impressão digital no ato da matrícula institucional, caso o candidato seja aprovado.

Novos cursos

Quatro novos cursos entram na grade da UFS a partir deste processo seletivo. São eles: Medicina e Odontologia, no campus de Lagarto, e Matemática Aplicada e Ciências da Religião, em São Cristóvão. Cada um oferta 50 vagas.

Dois cursos tiveram aumento de vagas: Engenharia Civil passou de 80 para 100 e Biologia (licenciatura) de 30 para 40. Conheça as graduações da UFS no Catálogo de Cursos 2011.

Cotas

O sistema de cotas da UFS reserva 50% das vagas a estudantes de escolas públicas municipais, estaduais ou federais. Destas, 70% reservam-se a estudantes que se auto-declaram pardos, índios ou afro-descendentes. Cada curso de graduação oferta, ainda, uma vaga para candidatos portadores de necessidades educacionais especiais.

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) demonstrou a constitucionalidade da Resolução nº 80/2008, do Conselho do Ensino, da Pesquisa e da Extensão da UFS, que instituiu o programa de ações afirmativas para garantia de acesso de grupos menos favorecidos. Leia mais.

Enem em 2013

Este processo seletivo será o último a ser aplicado da forma tradicional. A partir da seleção de 2013, a UFS vai adotar a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de avaliação de desempenho dos candidatos às graduações presenciais, mas sem adesão ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Saiba mais aqui.

Mais informações sobre o processo seletivo de 2012 no edital ou na CCV pelos telefones 2105-6970 ou 2105-6971. (Da assessoria)


Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
30/08
13:36

Diretora-Geral do TSE visita Revisão Biomét rica de Sergipe

Patrícia Landi vem discutir oi encaminhamento do recadastramento biométrico




A Diretora-Geral do Tribunal Superior Eleitoral, Patricia Landi, visita o Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe nesta quarta-feira (31), oportunidade em que se reunirá com a Presidência do Tribunal, Desembargadora Suzana Carvalho, com o Diretor da Escola Judiciária Eleitoral, Juiz Federal Ronivon Aragão, e servidores da instituição, discutindo o recadastramento biométrico dos eleitores sergipanos que acontece no Estado, com exceção do município da Barra dos Coqueiros.
 
O encontro, com livre acesso à imprensa em geral, acontecerá às 8h30, no auditório do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe, e será aberto pela Presidente Desa. Suzana Carvalho e pelo Diretor da EJE, Ronivon Aragão, quando em seguida a Diretora do TRE-SE, Conceição Vasconcelos, apresentará o relatório das atividades até aqui empreendidas, bem como a nova estratégia a ser desencadeada no processo de revisão biométrica do Estado.
 
Patrícia Landi, por sua vez, abordará as experiências dos demais estados da federação que enfrentam o mesmo desafio, apresentando o panorama atual da biometria no país, disponibilizando informações e sugestões para a revisão sergipana. (Da assessoria)


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
30/08
13:22

UFS assina ordens de serviços para executar 5 obras em São Cristóvão


O reitor Josué Modesto dos Passos Subrinho assinou ontem ordens de serviços para execução de cinco obras no campus de São Cristóvão no valor de R$ 4,5 milhões. Também será assinada ordem de serviço para elaboração de projeto visando à recuperação de área degradada (lagoa de estabilização), cujo valor é de R$ 305 mil. O evento ocorre às 10h na Sala dos Conselhos Superiores.


Os investimentos visam melhorar a segurança, recuperar áreas degradadas e oferecer melhores condições de funcionamento aos novos cursos. “O crescimento da UFS, bem como o aumento na quantidade de cursos, alunos e professores, enseja a necessidade de investimento em infraestrutura, que nem sempre se restringe ao nosso campo visual, sendo muitas vezes imperceptíveis, embora extremamente necessária ao bom funcionamento da instituição”, diz Jorge Antonio, assessor do reitor. Veja abaixo a lista das obras:


- Implantação da infraestrutura (abastecimento de água, esgotamento sanitário com tratamento, energia elétrica, cabeamento estruturado, regularização da área e pavimentação) para instalação de dez laboratórios móveis que contemplam os cursos de Engenharia Florestal, Zootecnia, Engenharia de Pesca, Medicina Veterinária e de Engenharia Agrícola. Valor R$ 304.300,00. Prazo de execução de 90 dias;


- Cercamento da Cidade Universitária ‘Prof. José Aloísio de Campos’. Abrange um perímetro de 3.374,00m. Valor R$ 823.303,24. Prazo de execução de 150 dias;


- Cercamento de área pertencente à UFS localizada no conjunto Rosa Elze, bairro Eduardo Gomes, no município de São Cristóvão/SE. Área de 246.011,50m² e perímetro de 2.071,72m. Valor R$ 1.355.734,55. Prazo de execução 180 dias;


- Construção de muro, pavimentação e guarita das garagens da Prefeitura do Campus (Prefcamp). Valor R$ 223.784,72. Prazo de execução 120 dias;


- Adequação e ampliação do polo de Engenharia de Materiais com área de 2.320,00m². Valor R$ 1.824.866,41. Prazo de execução 360 dias.


- Plano de recuperação de áreas degradadas e elaboração do projeto executivo do sistema de esgotamento sanitário, tratamento, disposição dos efluentes e reaproveitamento. Valor R$ 305.647,14. Prazo de execução de 150 dias. (Da assessoria)


Colunas
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
30/08
13:15

Piscinas podem se transformar em focos de dengue

As piscinas estão sempre na lista das queixas da comunidade em relação à suspeita de dengue, e a preocupação não é à toa, já que a piscina pode se transformar em um criadouro. Para evitar que as larvas se proliferem no local, alguns cuidados devem adotados por quem tem piscina em casa.

O principal cuidado é a limpeza. As piscinas devem ser mantidas limpas e cloradas semanalmente, e somente assim não serão focos para o mosquito. Caso a piscina não seja de uso frequente, é bom prevenir. Segundo a coordenadora do Programa de Combate à Dengue em Aracaju, Taíse Cavalcante, além da limpeza, os agentes orientam a cobertura.

"Assim como as lavanderias que funcionam como depósito de água, as piscinas em desuso podem ser criadouros do Aedes aegypti. A incidência direta de sol nas piscinas não permite o desenvolvimento da larva, mas o pouco acúmulo de água em uma parte sombreada nas piscinas em desuso pode se transformar em criadouro. Um cuidado importante é a colocação de cobertura de proteção para evitar o contato do mosquito com a parte interna da piscina", afirma.

Piscinas portáteis

Já as piscinas portáteis e infantis, devem ser mantidas secas e guardadas quando não estiverem em uso.  Essa é a única forma de evitar que essa diversão para crianças se transforme em um risco para a família e para toda a vizinhança. Neste caso, a atenção deve ser dobrada e a piscina escovada, seca e dobrada, porque se não estiver bem seca, o plástico quando guardado pode acumular água e, estando em um local aquecido e à sombra, pode se transformar em um foco.

"O mosquito deposita os ovos nas paredes da piscina, logo acima do nível da água. Esses ovos ficam colados à parede e resistem por até dois anos. Se nesse tempo, esses ovos entrarem em contato com a água, eles eclodem e em poucos dias viram larvas", explica Taíse.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Silvio Santos, a temperatura alta requer cuidados redobrados da população. "As crianças querem tomar mais banho de piscina, o clima fica quente, o que vai criando um ambiente favorável à proliferação do mosquito. É bom lembrar também que as bordas internas e externas das piscinas devem ser escovadas para destruir os ovos depositados pelo mosquito. Uma piscina mal cuidada é uma ameaça à saúde de muitos moradores", alerta Silvio Santos.

Piscinas sem uso

A piscina abandonada na vizinhança é outro perigo para a população. Primeiro, a preocupação inicial deveria partir do próprio dono do imóvel ou da imobiliária, caso esteja à venda. Neste caso, o morador deve ligar para o número da Vigilância Epidemiológica (79) 3179-1000, informando a situação para que sejam tomadas providências pelo Programa Municipal de Controle da Dengue.

Uma piscina com acúmulo de resíduos ou sujeiras quando a água está escura ou esverdeada, não representa o local favorável para o desenvolvimento do mosquito. Outras espécies podem surgir, mas ainda não existe a comprovação do desenvolvimento do Aedes aegypti nessa situação.

As piscinas de clubes e escolas de natação são sempre motivo de questionamentos, mas se estão sendo usadas, o movimento da água e a própria cloração não permitem o desenvolvimento do transmissor da dengue.

Água sanitária

Outra dica importante é, em períodos sem uso, reduzir ao máximo possível o volume de água e aplicar semanalmente água sanitária. Tomando o exemplo de 500 litros de água, a quantidade varia conforme a concentração de cloro ativo. Derrame um frasco (litro) com concentração de 2,5%. Caso a concentração seja de 2%, a quantidade de água sanitária será de um frasco e um copo (1250ml). Se for utilizado cloro ativo a 5%, basta despejar meio frasco de água sanitária (500 ml) a cada 500 litros de água de piscina. Lembrando que a água sanitária só deve ser usada em água não destinada para consumo humano e em piscina desativada sem risco de uso (Da assessoria)



Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
30/08
06:34

Adierson: "Se eu pensasse só em mim não entraria na política"

Presidente do PSDB fala da oposição a Edvaldo e das articulações do partido em Aracaju e outros Municípios

 

O empresário Adierson Monteiro anunciou ontem que, embora esteja posicionado na oposição ao prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), já que está prestes a assumir o PSDB de Sergipe, sua relação com o prefeito continua "harmoniosa de maneira institucional". Adierson acredita que não há coincidência em Edvaldo ter anunciado a licitação do transporte urbano justamente no período em que ficou definido que ele assumiria o ninho tucano. "O prefeito é um homem ético e sério, que eu tenho certeza que não vai misturar política com o serviço público do transporte de Aracaju", disse Adierson, que reafirmou o compromisso com DEM para as eleições de 2012 na capital, mas acentuando que os demais municípios estarão abertos a outros entendimentos.

 

"Se eu pensasse só em mim não entraria na política. Mas todo homem de bem, pessoas de Deus, e de família, tem que se envolver com a política, para contribuir com a cidadania. Como cidadão seria mais cômodo ficar só como empresário, mas eu não poderia ser covarde de não aceitar esse convite do ex-governador Albano Franco (PSDB)", afirmou Adierson, em entrevista a Rádio Ilha FM, nesta segunda-feira. Segundo ele, todos os vínculos de tucanos com a prefeitura de Aracaju serão cortados. Com exceção da vereadora Miriam Ribeiro (PSDB), que receberá carta branca para deixar a legenda sem que o partido reivindique seu mandato. "Palavra e honra têm que ser assumidas. Mas no caso da vereadora Miriam, que sempre foi situação, não tem como agora passar por cima da ética e ser oposição", comentou ele.

 

Adierson também acentuou que o acordo do partido com o DEM é exclusivo para Aracaju, e que "nos municípios em que o partido estiver coligado com outros partidos, isso continuará". Na capital, o tucano pretende emplacar um nome do partido para disputar como vice do ex-governador João Alves Filho (DEM). Por conta disso é que surgem as especulações de que o ex-deputado federal José Carlos Machado aceite migrar para o PSDB para ser esse tal nome. "Machado já foi convidado para ingressar no PSDB, e se ele estiver no partido o nome dele será um dos nomes a estar em apreciação para ser o vice na chapa com João em 2012", disse Adierson, já na Rádio Jornal AM.

O advogado Emanoel Cacho foi convidado para assumir o comando do PSDB em Aracaju. (Da assessoria)

 



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
30/08
06:15

André Moura pede apo io do governador por causa dos agentes d e Saúde

O deputado federal André Moura (PSC), acompanhado do também deputado Domingos Dutra (PT/MA), pediu o apoio do governador Marcelo Déda (PT), na tarde dessa segunda-feira (29), para o pagamento do piso nacional dos agentes comunitários de saúde e de combate às Endemias, em uma audiência no Palácio de Veraneio. O governador se sensibilizou com a causa, se comprometeu em fazer o pleito a presidente Dilma Rousseff (PT) e pediu um tempo para analisar o impacto na folha do Estado.  

André Moura e Domingos Dutra (relator) são membros da Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei nº 7.495/96, que regulamenta as atividades dos agentes, define o piso nacional da categoria e que cria 5.365 empregos públicos de Agente, no âmbito do Quadro Suplementar de Combate às Endemias da Funasa.

Atendendo a um requerimento de André Moura a Comissão promoveu, pela manhã, no plenário da Assembleia Legislativa, um seminário para debater o assunto. O evento foi bastante prestigiado e contou com as presenças de agentes de Saúde e de Combate às Endemias de vários municípios, chegando a lotar as galerias da Casa, como vários servidores tendo que acompanhar a sessão através de um telão instalado na área externa da AL.

Diversas outras propostas tramitam em conjunto com o projeto 7.495/96, como a Emenda à Constituição 63, de fevereiro de 2010, que estabelece que uma lei federal definirá o regime jurídico, o piso salarial nacional, as diretrizes para os planos de carreira e a regulamentação das atividades de agente comunitário de saúde e agente de combate às endemias. Segundo essa emenda, caberá à União prestar assistência financeira complementar aos estados e aos municípios para o cumprimento do piso salarial.

Ao comentar o sucesso do evento na Assembleia, André Moura destacou que "o sentimento é de felicidade e a sensação de que estamos cumprindo com as nossas obrigações. Tivemos a satisfação de trazer o deputado Domingos Dutra, relator da Comissão, que veio a Sergipe para tirar todas as dúvidas das pessoas. Os agentes vieram, acompanharam os pronunciamentos, colocaram seus pontos de vista e participaram do debate".

"Nossa preocupação é buscar uma medida constitucional para garantir o pagamento desse piso e poder contribuir com os municípios. O problema do piso do magistério é que o governo federal não disponibiliza um tostão de contrapartida para ajudar no pagamento. Há sim aí um engodo. Nossa projeção é que o governo federal assuma os dois salários mínimos do piso, que os governos estaduais assumam os encargos sociais e que os municípios cubram com as despesas de estrutura, como material de trabalho, veículos, protetor solar e guarda-chuva", completou André Moura.

Por sua vez, o deputado Domingos Dutra destacou que "a Saúde pública brasileira precisa dos agentes. São os agentes de saúde que salvam as vidas das pessoas humildes e excluídas do Brasil. Valorizar os agentes é valorizar a população que precisa de Saúde. Desconheço na história recente do Congresso Nacional duas categorias que tenham alterado duas vezes o texto da constituição em cinco anos".

"Os agentes conseguiram. O governo federal repassa R$ 750 por cada agente. Faltam R$ 340. Nossa meta é que a presidente Dilma atenda o pleito e pague dois salários mínimos por trabalhador. Dinheiro tem! Se fechar as torneiras da corrupção vai sobrar dinheiro. O governo tem que ter prioridades e nós temos dar apoio a gestão da presidente. Se existe a denúncia, se o mal feito é denunciado, ela tem é que botar o corrupto para fora do governo mesmo", acrescentou o deputado petista.

Além de André Moura e Domingos Dutra, o Seminário também contou com a participação do deputado federal Mendonça Prado (DEM). "Quero parabenizar o deputado André Moura e vejo que os discursos proferidos aqui demonstram que vamos em busca de solução para os problemas. A União arrecada 64% de toda a receita do País. Temos que estabelecer uma ordem jurídica de direitos e deveres dos entes federados. É necessário compartilhar os recursos", disse.

Categoria - Pelos agentes de Saúde falaram o presidente da Federação das Associações Municipais dos Agentes Comunitários de Saúde do Estado de Sergipe, Ednilson Santana, e a presidenta do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias do Município de Aracaju. "40% dos nossos agentes estão na informalidade e isso é grave. Eles não fazem parte do quadro de efetivo dos municípios.

O governo fala em despesa geradas com a gente, mas nunca chegou com dados do Ministério da Saúde sobre quanto ele já somou com o nosso trabalho", disse Ednilson.

Presenças - Também participaram da solenidade o procurador-geral do Ministério Público de Contas do Tribunal de Contas de Sergipe, João Augusto dos Anjos Bandeira de Mello; os deputados estaduais Gilson Andrade (PTC), Augusto Bezerra (DEM), Capitão Samuel (PSL), Antônio dos Santos (PSC), Goretti Reis (DEM), Ana Lúcia (PT) e Garibalde Mendonça (PMDB).

Também prestigiaram o presidente da Federação das Associações de Prefeitos do Estado de Sergipe, prefeito Fábio Henrique (PDT), além de vários gestores do Estado, além de vereadores e secretários municipais de Saúde, além do secretário de Estado da Saúde. O senador Eduardo Amorim, líder do PSC no Senado, não pôde comparecer por ter reunião com a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais), em Brasília.(Da assessoria)




Colunas
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/08
20:40

Metralhadora giratória - João Fontes bate pesado no PPS em entrevista a Rádio Comércio

João Fontes critica a igreja, declara apoio ao casamento gay e diz que o PPS esteve mais em páginas de polícia do que de política


O ex-deputado João Fontes, sem partido, declarou, em entrevista a Rádio Comércio, no Programa Comércio em Debate, que o PPS nasceu torto em Sergipe e esteve mais envolvido em escândalos do que o PT. De acordo com o ex-parlamentar, o PPS esteve mais presente em páginas de polícia do que de política. Ele lembrou os envolvidos em escândalos que desfilaram em carro da polícia, durante operação da Polícia Federal. "Eu tenho uma experiência já na vida pública não só em Sergipe, mas nacional. Eu acompanho a vida política em Sergipe. Eu já sabia dos problemas que existiam dentro do PPS. O PPS em Sergipe nasceu totalmente torto. Se você fizer um histórico do PPS em Sergipe, o PPS ocupou muito mais as páginas da polícia do que da política. Faça uma retrospectiva e veja qual foi o partido que deu mais trabalho a Polícia e ao Ministério Público. O PPS", observou.

João Fontes lembrou ainda que o PPS esteve mais envolvido em escândalos do que o Partido dos Trabalhadores. "O partido esteve envolvido em escândalos mais do que o PT. "Aqui em Sergipe muito, muito mais. O desfile de pessoas presas que desfilaram em camburão, e os próprios problemas dentro daquele período do governo Albano no PPS, são coisas terríveis", relembrou.

Ainda na entrevista concedida ao jornalista Paulo Sousa, o ex-deputado afirmou que gostaria de ver Henry Clay candidato a prefeito de Aracaju e Cesar Brito ao Governo do Estado. "Eu gostaria de votar para prefeito de Aracaju no Henry Clay. Eu preferia até que fosse ele do que eu. Henri Clay tem mais condições de tempo do que eu e tem a linha de pensamento que eu tenho. Para governador eu gostaria de votar em Cesar Brito. Ele tem uma linha de pensamento que eu tenho. Seria dois grandes candidatos, aí eu ia trabalhar com gosto, com afinco", declara.

Ele também reconheceu Ana Lúcia e Iran Barbosa como excelentes nomes para disputar a Prefeitura de Aracaju. "São excelentes nomes. Eu tenho o maior respeito pela deputada Ana Lúcia. Sei das angustias de Ana Lúcia dentro do PT com essas mudanças todas. Eu tenho o maior respeito pelo ex-deputado Iran Barbosa, o maior carinho, o maior respeito ao Sintese, a entidade que representa os professores. O Iran foi um grande vereador, grande militante dos movimentos sociais, foi um grande deputado federal, mesmo estando no PT. Seriam pessoas que eu gostaria muito de votar", revelou.

Casamento Gay

Contrariando o pensamento da Igreja Católica, João Fontes declarou apoio ao Projeto de Lei que reconhece e legaliza o casamento gay no Brasil. O ex-deputado afirmou que cada um tem o direito de escolher com quem viver independente do sexo. "Eu acho que o casamento foi feito para ser de homem e de mulher. Agora a gente vive num estado laico, num estado onde a gente não pode impor aquilo que a gente pensa. O casamento gay não traz prejuízos para outros. Em relação à união homossexual eu votaria a favor sem ter nenhuma dúvida. O estado que é laico não tem que ser conduzido pela igreja. A igreja às vezes se equivoca em defesa de alguns temas que não tem nada a ver", criticou.

João Fontes ainda criticou a igreja por ter defendido na Câmara Municipal a reprovação do projeto que permitia a construção de motel dentro da cidade. "A igreja vai para a Câmara de Vereadores defender que não se aprove motel na região da Atalaia. Aí o sujeito muda o nome e coloca pousada e é o mesmo motel. Vai ao motel quem quiser, é melhor ter um motel em Aracaju do que ter um motel fora da cidade, que é arriscado. Então tem também muito equívoco da igreja em determinadas coisas. E eu não sou a favor de tudo que a igreja diz. Eu não engulo tudo do que deve ser aprovado pela igreja, por que tem muita coisa que eu não concordo. Então tem muita hipocrisia também, tem muito veado também dentro da igreja, tem muita pedofilia. Então a gente tem que ter cuidado naquilo que a gente defende e não exagerar por exacerbação", concluiu.(Rádio Comércio)



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/08
19:12

Censo 2010: Onde está a extrema pobreza em Sergipe (II)


Na primeira parte do artigo, dissemos que a pobreza não pode ser tratada apenas na ótica  da renda, uma vez que ela tem múltiplas dimensões, e atualmente vários especialistas  corroboram cada vez mais com essa visão. Exemplo como as observações recentes de Sabina  Alkire e Maria Emma Santos do Departamento de Desenvolvimento Internacional, da
Universidade de Oxford , que buscam estabelecer a compreensão desse fenômeno através da  formulação de um índice multidimensional, considerando microdados de mais de 100 países  que apresentam alto percentual da população em condições precárias de renda e acesso aos  bens e serviços básicos, corroboram com esse comportamento científico. Essa questão  emerge com tanta força que constitui uma das metas do milênio (ODM), estabelecidas pelo  Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) .


Segundo o Programa, “O objetivo global de até 21% de pobreza é um dos mais propensos a ser ultrapassado. Até  2015, segundo estimativas do Banco Mundial, a taxa global de pobreza (renda) é projetada  ao redor de 15%, ligeiramente acima dos 14,1% previstos antes da crise financeira  mundial, mas ainda superando as metas graças a ganhos acumulados no passado. De acordo  com o Banco Mundial, a crise teria levado um adicional de 64 milhões para o grupo dos  extremamente pobres ao final de 2010. Como resultado disso, estima-se que 53 milhões a  menos de pessoas terão escapado da pobreza até 2015.”


Dissemos também que o Brasil internalizou esse objetivo macro em seu planejamento  governamental. O plano Brasil Sem Miséria é reflexo do alinhamento do governo federal com  os organismos internacionais. O governo de Sergipe segue por essa vertente e caminha para  implantação do plano Sergipe Sem Miséria, que pretende retirar da linha de pobreza,
atualmente estabelecida pelo Ministério do Desenvolvimento Social, cerca de 300.000  habitantes.


Primeiros indicadores sociais: ampliando a leitura - As visões apresentadas a seguir,  trazem um detalhamento da situação da pobreza analisando indicadores sociais de  infraestrutura de saneamento básico considerados na definição da linha de pobreza nos  domicílios com rendimento nominal médio mensal per capita de até R$ 70,00. Com apenas esse exercício temos alguns elementos adicionais para a compreensão da  situação atual da pobreza em Sergipe, e nos dão indícios de padrões espaciais  (concentração, dispersão, distribuição).


A partir dos mapas construídos com os primeiros dados disponibilizados pelo Censo 2010,  foi trabalhado um extrato referente ao percentual de domicílios particulares permanentes  ocupados situados abaixo da linha de pobreza com acesso aos serviços de abastecimento de  água, esgotamento sanitário, coleta de lixo e disponibilidade de banheiro, gerando visões
particulares de cada indicador, mas que, quando analisados conjuntamente, dão indícios  peculiares à extrema pobreza em Sergipe.


Abastecimento de água - No que se refere ao abastecimento de água, o IBGE considerou a  oferta de água em área urbana e rural de modo separado, definindo uma tipologia  específica para preservar as diferenças entre as duas realidades. Nos domicílios situados  em área urbana o abastecimento de água segue o mesmo padrão de comportamento que a renda
nominal média mensal per capita domiciliar, apresentando baixos percentuais de  abastecimento basicamente nas mesmas áreas onde a probabilidade de ocorrência de extrema  pobreza (no tocante a renda) é alta. Esse comportamento é demonstrado em praticamente  todo território do Alto Sertão, exceto para os municípios de Nossa Senhora da Glória e
Canindé de São Francisco, que apresentam 37,66 e 33,00 por cento respectivamente. Nos  municípios do Baixo São Francisco, Pacatuba (9,59%), Brejo Grande (22,26%), e Santana do  São Francisco (23,91%) apresentam comportamento semelhante ao padrão geral do Alto  Sertão. O município de Japoatã (20,22%), embora apresente baixo percentual de domicílios  em situação extrema pobreza em relação ao seu entorno, estando em situação menos severa  que Brejo Grande, Pacatuba e Santana do São Francisco, considerados os maiores  percentuais de domicílios em situação de extrema pobreza do território, no tocante ao  abastecimento de água em área urbana se encontra no mesmo patamar.


Outra observação se refere aos municípios do Sul, cuja maioria também apresentou baixos  percentuais de domicílios em situação de extrema pobreza com abastecimento de água em  área urbana. Os melhores índices (percentuais acima de 30%) são para os municípios de  Estância, Boquim e Itabaianinha.


Quanto ao abastecimento de água em áreas rurais alguns municípios como Ribeirópolis  (14,26%), Itabaiana (12,16%) e Moita Bonita (13,24%) no Agreste Central, bem como Simão  Dias (5,91%) no Centro Sul, apresentaram baixos percentuais de abastecimento, entretanto  demonstram uma situação menos severa que os demais em relação à renda domiciliar per
capita. Já no Sul, os municípios de Boquim (13,14%), Estância (10,13%), Itabaianinha  (7,71%), Tomar do Geru (6,50%), Umbaúba (2,71%) e Pedrinhas (2,24%) apresentam os  percentuais mais baixos de acesso a esse serviço.


Esgotamento sanitário - No tocante ao esgotamento sanitário, os melhores índices se  mantém no Agreste e Grande Aracaju. Entretanto, a porção noroeste do Baixo São Francisco,  mais exatamente os municípios de Telha (75,00%), Propriá (51,56%), Cedro de São João  (29,39%), São Francisco (30,30%), Muribeca (46,08%) e Santana do São Francisco (56,32%),  também apresentaram altos percentuais de domicílios abaixo da linha de pobreza com rede  de esgoto disponível. Já no baixo São Francisco e Leste cerca de 40% dos municípios  apresentam um comportamento mais severo, com percentuais variando de menos de 2% (Brejo  Grande e Siriri) a cerca de 13% (Capela) de domicílios com renda abaixo da linha de  pobreza com acesso à rede de esgoto.


Coleta de lixo e existência de banheiro - Em relação à coleta de lixo, foi percebido um  comportamento mais brando, onde os percentuais de domicílios abaixo da linha de pobreza com coleta de lixo, mesmo para a menor classe, apresenta valores elevados, variando entre  20 e 40%, destoando-se Pacatuba, que apresenta o menor percentual do Estado, com 12,55%.
Para o indicador de existência de pelo menos um banheiro de uso exclusivo, todos os  Territórios apresentam pelo menos um município com baixo percentuais exceto a Grande  Aracaju. Por sua vez, o Sul Sergipano apresenta uma situação inversa nesse indicador,  onde quatro dos onze municípios estão na classe percentual mais baixa.


Algumas considerações - Dissemos no início desta seção sobre a importância de estudar um  fenômeno tão complexo como a pobreza; que ela tem múltiplas dimensões a serem analisadas.  Seu conhecimento é condição essencial para o combate eficiente, a erradicação da miséria  e a redução da vulnerabilidade social. Por esta razão, o sucesso das políticas públicas,
da atuação governamental, ou mesmo da participação de qualquer organismo social nesse  processo, depende da capacidade de compreender a realidade geográfica da pobreza. Percebemos que os primeiros dados provenientes do Censo 2010 nos trouxeram além das  visões conhecidas de novas perspectivas de problemas historicamente conhecidos.


A questão do acesso à água, por exemplo, tem sido tratado por meio da priorização de  ações inscritas ao polígono da seca, ao domínio da regionalização do semiárido  brasileiro, que abrange os municípios do Alto Sertão e parte do Centro Sul Sergipano. Por  esta razão, as primeiras visões construídas com os dados do Censo 2010, a partir dos  indicadores de saneamento e acesso à água potável, nos chamam atenção para a necessidade  de investigar mais a fundo os territórios que se situam fora do semiárido, mas que se  encontram em situação de pobreza extrema com baixo acesso à água, como é o caso do Sul  Sergipano e o Baixo São Francisco.


Se tomarmos o município como unidade de análise, Pacatuba apresenta uma situação  preocupante. Segundo os dados do Censo 2010, a cada 100 domicílios particulares  permanentes, 36 estão em situação de extrema pobreza. De um total de 1.283 domicílios  situados abaixo da linha de pobreza, a cada 100, apenas 8 tem ligação a rede de esgoto,  13 tem coleta de lixo e 45 possuem pelo menos um banheiro de uso exclusivo. Essas percepções podem e devem ser aprofundadas com estudos técnicos que incentivem o  debate pela sociedade e auxiliem a atuação do estado no desenvolvimento de políticas
públicas que permitam alcançar uma melhoria efetiva da realidade social da população  sergipana.


Nessa direção, visando alcançar a meta mobilizadora, a erradicação da extrema pobreza no  estado, o governo de Sergipe está estabelecendo parcerias para a realização de estudos e  pesquisas envolvendo a temática. A Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e  Gestão (Seplag), através da Superintendência de Estudos e Pesquisas, vem desenvolvendo um
método de trabalho denominado Observatório de Sergipe, que tem por objetivo a implantação  e consolidação de uma infraestrutura informacional sobre o estado, abrangendo as áreas de  geografia, cartografia, economia, estatística e políticas públicas, capaz de subsidiar o  planejamento e a gestão governamental.


Através do Observatório de Sergipe, a Seplag vem realizando diálogos com as demais  Secretarias e órgãos da administração pública geral, com objetivo de fortalecer a Rede  Estadual de Planejamento através de uma atuação integrada e transversal. São iniciativas  como essas que permitem construir bases para o enfretamento da pobreza em suas múltiplas  dimensões, fazendo dos estudos técnicos ferramentas que contribuem para o cotidiano de  uma sociedade.


Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
Primeira « Anterior « 1905 1906 1907 1908 1909 1910 1911 1912 1913 1914 1915 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos