29/11
16:54

Disputa intensa pelo comando da Emsetur

O atual presidente da Emsetur, José Roberto, é forte opção para continuar no cargo no segundo mandato do governador Marcelo Déda. Mas aparecem também como opções as jornalistas Sílvia Oliveira, que trabalha hoje no turismo de Canindé do São Francisco, e Eloísa Galdino, atual secretária da Cultura do Estado.

Todos os comentários apontam o atual secretário-Chefe da Casa Civil, José de Oliveira Júnior, como o futuro secretário de EStado da Saúde. Ele nega e brinca: hoje eu não tenho tempo para cuidar da minha saúde, imagine de uma secretaria. Os comentário apontam Mônica Sampaio, atual secretária da Saúde,  como sua adjunta na pasta.

João Andrade continuaria secretário da Fazenda e com presença muito forte no Banese.

Seria mesmo o homem do dinheiro.


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/11
16:41

Emsurb: Comércio na Orla Por do Sol é fiscalizado também nos fins de semana

Além da fiscalização nos dias de semana, a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) atua também aos sábados e domingos em toda a extensão da Orla Por do Sol, no Mosqueiro, com o intuito de ordenar o espaço público e evitar transtornos aos visitantes e moradores da localidade.

No último sábado, o trabalho da equipe, composta por dois fiscais, foi monitorado pela presidente da Emsurb e pelo diretor de Abastecimento e Espaços Públicos do órgão. "Faço questão de acompanhar o trabalho de fiscalização de espaços públicos para definir a melhor estratégia nas atuações", conta Lucimara Passos, presidente da Emsurb.

Com um calçadão de 600 metros de extensão repleto de equipamentos e atrativos, o local foi contemplado com serviços de recapeamento das vias, iluminação, ciclovia, parque infantil, atracadouro e píer. A orla conta ainda com Centro de Apoio ao Turista, posto policial, Centro de Cultura, quiosque de coco e ponto de apoio aos pescadores.

Fonte: Da Assessoria


Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/11
16:17

Há vagas: Dois secretários deixarão governo

O governador Marcelo Déda já dispõe de duas boas vagas no seu primeiro escalão para processo de conversação com petistas, empresários e aliados. Os secretário Jorge Santana (Desenvolvimento) e Lúcia Falcon (Planejamento) decidiram não mais continuar na administração pública.

Jorge Santana teria optado por retonar para as suas atividades na iniciativa privada e Lúcia Falcon está disposta a reassumir a sua cadeira no Departamento de Economia da Universidade Federal de Sergipe, de onde se aposenta dentro depouco mais de cinco anos. Fala-se também na possíbilidade dela ir trabalhar em Brasília.

O nome mais cotado para assumir a Secretaria de Desenvolvimento éo do atual presidente do Banese, Saumíneo Nascimento. Para o Planejamento, trabalha-se os nomes do professor Ricardo Lacerda,que disse no domingo que não foi convidado e acrescentou: nada estou sabendo sobre a reforma doprimeiro escalão.Isso é assunto do governador.


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/11
16:09

Governo investe R$ 48 mi e recupera 110 km de estradas do Norte de SE

Na margem da rodovia SE-170, próximo à entrada do município de Graccho Cardoso, reside a jovem Janicleuma dos Santos, 25. Ao sair de asa, seja qual for o destino, a via em frente à sua residência é caminho certo. "Passo sempre pela pista, não tem outro jeito".

Inevitável também tem sido acompanhar o tratamento dado à rodovia pelo poder público estadual no decorrer dos anos. "Até um dia desses tinha tanto buraco que pra se livrar os motoristas 'jogavam' os carros em cima da gente", lamenta.

Quando usa o verbo no passado ao se referir à situação atual da SE-170, Janicleuma leva em consideração a nova realidade com a qual se depara diariamente. "Dá pra ver que vai ficar ótimo. O pessoal tem trabalhado bastante", exalta a moradora de Graccho Cardoso, enquanto faz seu bordado habitual sentada à porta de casa. "Era algo que estava precisando. A pista estava muito ruim", conclui.

Graccho Cardoso está entre os 10 municípios sergipanos diretamente beneficiados com mais um investimento substancial do Governo do Estado nas rodovias locais. Desta vez uma quantia que ultrapassa os R$ 48 milhões vem sendo utilizada na recuperação de mais 110 quilômetros de vias situadas na região Norte de Sergipe.

A melhoria também contempla os acessos aos municípios de Nossa Senhora de Lourdes, Feira Nova, Itabi, Gararu, Propriá, Canhoba, Cedro de São João, Telha e Amparo do São Francisco. Conforme o diretor-presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura Rodoviária de Sergipe (DER), Antônio Vasconcelos, a expectativa é que toda a obra esteja pronta no próximo mês de março. "Até o momento, 50 quilômetros já receberam a massa asfáltica", revela Vasconcelos.

Além da SE-170, os 110 quilômetros em obras incluem ainda trechos das rodovias SE-200, SE-204 e SE-425. De acordo com o secretário de Estado da Infraestrutura, Valmor Barbosa, uma vez concluída, a novidade logo trará uma série de benefícios ao Estado.

“Com as estradas em boas condições, além de facilitar o escoamento da produção do estado, principalmente a agrícola, novas empresas se instalam no interior, mais produtos são comercializados e consequentemente Sergipe cresce”, observa Valmor.

DETALHES

A obra vem sendo executada em duas frentes, pelas duas empresas que venceram os respectivos processos licitatórios. A primeira trabalha o trecho que compreende a rodovia SE-170 partindo de Feira Nova, passando por Graccho Cardoso e Itabi, até o entroncamento que leva a Nossa Senhora de Lourdes ou Gararu. Neste momento os serviços continuam em direção a Gararu, já na SE-200. Os melhoramentos somam 55 km, divididos em 40 km da SE-170 e 15 km da SE-200.

Já os outros 55 km se iniciam na BR-101 a partir do acesso a Cedro de São João na SE-204, e prosseguem pela SE-425 até Telha; de lá continuam pela SE-200 passando por Amparo de São Francisco, Canhoba e Nossa Senhora de Lourdes no entroncamento com a SE-170. O canteiro desta etapa está situado na cidade de Propriá - onde se iniciaram as obras. Na SE-200, partindo de Propriá em direção a Canhoba, as máquinas executam o serviço de complementação de material de base.

As vias que compõem a totalidade da obra fazem parte do terceiro eixo rodoviário mais importante de Sergipe, atrás apenas da Rota do Sertão (216 km) e da Lourival Baptista (70 km), ambas já plenamente recuperadas pelo Governo do Estado. Nos três casos, o mesmo processo foi aplicado: primeiro recicla-se o asfalto antigo e parte da base, para em seguida fazer a mistura de forma homogênea com adição de brita graduada aumentando significativamente a resistência do novo pavimento
asfáltico.

MAIS OBRAS

Por todo o Estado tem sido cada vez mais prático e confortável se deslocar através das rodovias. Também com seus trabalhos de recuperação em andamento (algumas quase concluídas) estão os trechos entre as seguintes localidades: povoados Vaca Serrada a Niterói, em Porta da Folha; Indiaroba/Umbaúba; povoados Pontal/Convento, em Indiaroba; Siriri/Divina Pastora; General Maynard/Rosário do Catete; Santa Rosa do Ermírio Lima/Sítios Novos, em Poço Redondo; Povoado Alagadiço à BR-235, em Frei Paulo, povoado Rita Cacete a São Cristovão; e Itabaianinha/Tomar do Geru.

Já pavimentadas estão as estradas que ligam Santa Rosa de Lima a Moita Bonita, Ilha das Flores a Neópolis, Propriá a Neópolis e a do Povoado Ilha do Ouro a Porto da Folha. Até o momento foram investidos R$ 340 milhões de recursos próprios na recuperação de mais de 1.500 km de rodovias estaduais.

Foto: Marco Vieira


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/11
16:08

Transporte coletivo: Licitação vai atrasar

Por conta do entendimento de que será necessária a formação de consórcios envolvendo as prefeituras de Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Barra dos Coqueiros, a licitação para o problemático sistema de transporte coletivo integrado vai demorar a sair. Talvez seja possível viabilizá-la lá pelo final de 2012, conforme o prefeito Edvaldo Nogueira.

O sistema de transporte de Aracaju é alvo frequente das críticas da população, que deseja cumprimento dos horários, mais ônibus e transporte de qualidade, c om a criação de linhas de frescões (com ar condicionado), como existem em todas as capitais brasileiras. A PMA lembra que colocou 200 ônibus novos, de 2006 prá cá, no sistema, mas, ainda assim, há
insatisfações. E muitas.

Desde o final década de 80 que se fala em promover uma grande licitação. Mas nenhum prefeito teve coragem para isso até hoje. As empresas dizem também desejar que alicitação aconteça. Mas ainda assim não semove uma só marcha para a coisa aconteça. Tudo continua no ponto morto, na banguela.


Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/11
17:04

Artigo: Avaliando a avaliação

Josué Modesto dos Passos Subrinho*


O Jornal Folha de São Paulo, em sua edição de 10 de novembro do corrente, publicou matéria destacando o desempenho do curso de Odontologia da Universidade Federal de Sergipe, cuja última avaliação disponível feita através do Exame Nacional de Cursos (ENADE) resultou no conceito 5, o maior em uma escala que começa em um. Na mesma matéria se destaca outros cursos que obtiveram boas notas e se chama a atenção para alguns cursos que tiveram desempenho ruim. Declarei à jornalista responsável pela reportagem que a principal causa do mau conceito obtido por alguns de nossos cursos se deve a adesão de parte de nossos estudantes a campanhas de boicote ao processo avaliativo oficial.

Toda vez que forneço tal explicação, seja para jornalistas, seja para autoridades educacionais ou mesmo para pessoas comuns, sinto no interlocutor um ar de desconfiança. Não seria esta uma explicação de perdedor? Não estaríamos escamoteando falhas graves na qualidade dos nossos cursos, sob o pretexto que os estudantes boicotam o exame?

De fato, é razoável que nossos interlocutores desconfiem da explicação dada, visto que o Exame Nacional de Cursos, sucessor do chamado Provão é realizado há mais de uma década e as cenas de protestos estudantis quanto a sua aplicação desapareceram da pauta da imprensa nacional ou local. Por outro lado, se efetivamente os nossos estudantes estão boicotando o exame, o cidadão comum pode supor que esta é uma forma cômoda de fugir da exposição de uma indesejada fragilidade, pairando uma indissolúvel dúvida: os resultados são ruins porque os estudantes boicotam o exame ou os estudantes boicotam o exame para tentar deslegitimar um processo que evidenciaria a fraqueza de sua formação?.

O Exame Nacional de Cursos realizado em 2009, cujos resultados foram divulgados recentemente forneceram, especialmente para o caso do curso de Direito, uma oportunidade única para a precisa identificação da causa principal dos resultados ruins que alguns dos nossos cursos têm óbito no citado exame.

Este curso teve no decorrer dos anos resultados díspares. Inicialmente o Provão foi recebido com desconfiança e propostas de boicotes e o curso de direito obteve o conceito C numa escala ascendente de E até A, no ano seguinte obteve nota máxima (A) intercalado por um B em 2000 e seguido de uma sequência de três notas máximas. Em 2006, com a reformulação do Provão, transformado em ENADE o conceito do curso de Direito foi 3, numa escala ascendente de 1 a 5 e, finalmente, em 2009 o curso obteve o conceito 2.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

AVALIAÇÃO DO CURSO DE DIREITO

ANO

1998

1999

2000

2001

2002

2003

2006

2009

CONCEITO

C

A

B

A

A

A

3

2


Nos últimos anos se consolidou uma forma alternativa de avaliação da qualidade dos cursos de direito, o exame nacional organizado pela Ordem dos Advogados do Brasil, obrigatório para o ingresso nesse organismo profissional. O curso de direito da Universidade Federal de Sergipe destacou-se entre os melhores do País de acordo com os resultados do citado exame, sendo motivo de orgulho para a Universidade, para os profissionais da área nela formados e para os sergipanos de uma maneira geral.

Como dissemos, este exame obrigatório para o ingresso na Ordem dos Advogados do Brasil e, portanto, para o exercício profissional tem atestado a excelência da formação dos nossos estudantes do curso de direito. Certamente todos os nossos estudantes, da mesma forma que os demais candidatos respondem as provas com o maior desvelo possível, visto que é o futuro exercício da profissão que está em jogo.

O mesmo empenho, a mesma dedicação, a mesma seriedade não é requerida ou entendida como necessária para as respostas do Exame Nacional de Cursos, também de caráter obrigatório para ingressantes e concludentes cujos cursos são objeto de avaliação em determinado ano, visto que o resultado individual não constará do histórico escolar do formando, sendo divulgado apenas o conceito do curso, resultado da média dos resultados dos alunos matriculados em cada curso.

Adicionalmente, de forma recorrente algumas tendências do movimento estudantil advogam fortemente o boicote às provas alegando desde razões ideológicas mais gerais contra o processo de avaliação que ranqueia cursos e pessoas, passando por críticas às deficiências de um processo avaliativo concentrado em uma prova até críticas à estrutura e funcionamento dos cursos.

Em determinadas situações, não encontrando resistências no corpo docente, especialmente nos gestores dos cursos, e contando com a complacência dos estudantes que não percebem imediatamente qualquer interesse pessoal ou institucional contrariado, o apelo pelo boicote, pelo preenchimento displicente da prova se espalha como fogo no mato seco atingindo mesmo cursos, cujos alunos indubitavelmente teriam condições de obtenção de resultado excelente no Exame Nacional de Cursos.

Este foi o caso do curso de Direito da Universidade Federal de Sergipe, em 2009. Ao tempo que era estrelado pela Ordem dos Advogados do Brasil com um selo de qualidade, fruto do esforço intelectual de formação dos nossos egressos, simultaneamente esses mesmos estudantes receberam o apelo para um boicote ao ENADE, resultando no conceito 2, numa escala que vai até 5, equivalendo, portanto, a reprovação do curso.

Para outros cursos que não têm um exame sucedâneo de abrangência e credibilidade nacional, a exemplo do exame da OAB para os cursos de Direito, resta deixar a sociedade na dúvida: o resultado foi ruim porque os alunos boicotaram ou os alunos boicotaram para esconder sua fraqueza?

Antes da realização das provas do Exame Nacional de Cursos, referente ao ano de 2010, enviamos a todos os inscritos uma mensagem acerca da importância do exame para o estudante e para a instituição, cujo foco era: valorize o seu diploma. Ainda não podemos saber o efeito sobre a disposição dos estudantes em responder com comprometimento equivalente ao desprendido em certames que envolvem seus interesses imediatos, mas certamente não desistiremos de tentar persuadir nossos estudantes da incoerência que cometem com essa atitude discrepante.


* Reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS)

 

 



Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/11
16:02

Estudo mostra impacto da Petrobras nos fornecedores

Livro sobre poder de compra da Petrobras envolveu o trabalho de 43 pesquisadores do Ipea e de universidades brasileiras

As empresas fornecedoras da Petrobras têm maior produtividade, maiores salários e pessoal mais qualificado que as não fornecedoras. Essa é uma das conclusões do livro O Poder de Compra da Petrobras: Impactos Econômicos nos seus Fornecedores - Síntese e Conclusões.

Resultado de uma parceria entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Petrobras, a obra foi lançada durante a 1ª Conferência do Desenvolvimento (Code), nesta sexta-feira, 26, em Brasília.

Para realizar o estudo, os técnicos do Ipea tiveram acesso a uma base de dado nunca antes liberada para pesquisas. Os dados são de cerca de 70 mil empresas, que venderam à Petrobras produtos e serviços no total de mais de R$ 370 bilhões entre 1998 e 2007.

Os dados referentes às empresas não fornecedoras da Petrobras são da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Banco Central e do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, entre outros.

De acordo com o estudo, em 2006, as fornecedoras da Petrobras representavam 6,4% das firmas com mais de 30 pessoas ocupadas na indústria e serviços, mas tinham 16,4% do total de pessoal ocupado e 26% da massa salarial dessas empresas. O salário médio era de R$ 1.691 nas fornecedoras, contra R$ 932 nas não fornecedoras e os trabalhadores das
fornecedoras tinham, em média, 1,3 ano de estudo a mais. "A cadeia de fornecedores da Petrobras tinha, ainda, 37,8% do total de científicos, 39,71% dos engenheiros, 38,14% dos pesquisadores e 29,66% dos trabalhadores com nível superior dessas empresas", explicou o diretor de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura do Ipea, Marcio Wohlers.

Fonte: Da assessoria



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/11
15:59

Edvaldo Nogueira pensa em ter o PV como aliado e com Secretaria

Dirigente Verde diz que partido não foi procurado, mas pode estar havendo negociações com Anderson Góis


Embora torne pública sua disposição em criar uma Secretaria ou um órgão para tratar das questões ambientais atinentes ao município de Aracaju e insinue a possibilidade de conversar com o PV para ir para o cargo e tornar-se um seu aliado, o prefeito Edvaldo Nogueira (PC do B) não procurou a agremiação ou teve qualquer conversação com os seus dirigentes.

“Desde 1988 – de lá para cá foram prefeito de Aracaju Jackson Barreto, Almeida Lima, João Augusto Gama, Marcelo Déda e agora Edvaldo Nogueira – que nós do PV defendemos a criação de uma Secretaria para atuar na área ambiental. Ninguém fez. Agora, Edvaldo diz que o fará. Mas não conversou com o PV.”, disse o presidente estadual Reinaldo Nunes.

Nogueira disse em entrevista ao jornal Folha da Praia que “o PV é um partido com tradição de comprometimento com meio ambiente e com a causa ambiental”. Nunes concorda com a afirmação, mas avalia que Edvaldo Nogueira poderia estar conversando com o filiado Anderson Góis “que era do PCB, veio para o PV, mas deseja ir mesmo era para o PP”.


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
Primeira « Anterior « 2255 2256 2257 2258 2259 2260 2261 2262 2263 2264 2265 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos