19/03
13:27

O Padre e os Bodes


José Lima Santana
Professor da UFS

Tempos de seca. O céu amanhecia azulão e assim mesmo via-se o sol se pôr. Nenhuma nuvem, nem pra remédio, como dizia Sá Maria de Vicentinho da Feira Nova. Ali, acolá e mais adiante, o sertanejo lutava para manter de pé algumas poucas rezes, mais magras do que lâmina de barbear. A maioria dos rebanhos, grandes ou pequenos, já se tinha ido. Ossadas espalhadas nos caminhos e nos pastos ainda faziam a festa dos urubus. Providências por parte dos governos? Nenhuma. Os filhos de Sá Maria se aboletaram para o sul. Milhões de nordestinos tomaram o rumo de São Paulo ou Paraná. Para trás, deixavam o seu beiço de terra, o seu torrão natal. Os caminhões ditos paus-de-arara não paravam. Iam e vinham. Tornavam a ir, cada vez mais carregados. Seria o destino dos sertanejos viverem como aves de arribação? 

Nos confins do sertão, ali estava o povoado Feira Nova, pouco distante do povoado Feira Velha, sendo este um povoado mais taludo, mas, igualzinho ao outro em termos de fluxo migratório. O sertão acabaria deserto sem viva alma, não fosse a teimosia e o destemor de alguns, que não batiam o pé pra fora do seu lugar. “Aqui eu nasci, aqui eu hei de morrer!”, gritava Zeca Bode Velho, com o seu cavanhaque duro como o de um pai de chiqueiro. Ainda lhe restavam uns bichos de criação, umas cabras, um bode de duas ovelhas. O gadinho bovino já se fora. Os bicos dos urubus fizeram o devido proveito. Também os seus quatro filhos, a filha e o genro com todos os netos fizeram estrada no pau-de-arara de Manelito do FNM. O velho caminhão de fabricação nacional aguentava o tranco nas idas e vindas, de Sergipe para São Paulo e de São Paulo para Sergipe. 

A seca espalhava sede, fome e morte. Os ares empreteciam. A terra empretecia. Urubus por todo lado. O flagelo da seca só não era maior do que o flagelo em que se constituíam os políticos, os mandatários do povo. Era assim desde os tempos do Império. Na capital do estado e na capital federal, no Rio de Janeiro, políticos e burocratas discutiam, discursavam e nada resolviam. Viviam, por assim dizer, cuspindo no sofrimento alheio. Providências? Umas migalhas... Não haveria no país homens sérios o bastante para minorar o sofrimento do nordestino? Parecia que não. Aves agourentas e aves carniceiras não havia apenas no sertão. Elas estavam em todos os lugares. Nas veredas tortuosas, nos becos e nos palácios. Elas infestavam tudo. 

Enfim, depois de três anos de estiagens com uns pingos de água tendo caído aqui ou ali, mas, sem dar sequer para apagar a poeira, eis que numa sexta-feira o padre Almiro fez uma procissão, clamando aos céus chuva para o sertão. A procissão saiu da capela de São José para a Igreja Matriz, três quilômetros adiante. Há dois ou três dias, o céu já vinha dando sinais de nuvens se amontoando. Timidamente. A procissão do padre Almiro começou com o sol a pino, por volta das três da tarde. O calor era intenso. Mormaço danado. O suor corria em bicas nos rostos dos fiéis. À frente, o padre, recentemente ordenado e mandado para aquelas lonjuras, como uma penitência. 

A procissão de acanhado acompanhamento, pois muita gente já tinha metido o pé na estrada nos paus-de-arara, vinha se arrastando pelo chão, a passos vagarosos. Já estava na curva de Pedro Miolo Mole quando, de repente, o tempo fechou. Nuvens muito negras se ajuntaram. Um ribombo de trovão. Um mundão de estalos. O céu estava em festa. Um corisco riscou no ar uma serpente de fogo. As torneiras se abriram. Chuva grossa. Pingos de água de encher caneco. O bafo da terra, preso há muitos meses, desprendeu-se. A cidade foi varrida por uma enxurrada como antes nunca se vira. Nos povoados Feira Nova e Feira Velha, em todos os povoados, em todas as cidades do sertão, as chuvas caíram por dias a fio. A terra vomitava água. Trovoadas como nunca caíram no sertão. Nas grotas, as águas cantavam e devastavam. Tanques e barragens cheios até a tampa. Muitos arrombados pela fúria das águas. Na cidade de Glória de Deus até defuntos quiseram acordar do sono perpétuo. Algumas covas rasas foram esburacadas pelas águas e os caixões com sua carga de ossos vieram à flor da terra. Um espanto! 

Cessadas as chuvas, ou amainadas, o verde tomou conta do sertão. A marmelada cobria pastos e beiras de estradas. A terra fértil, porém, carente de água, que a fizesse produzir riquezas, expunha a sua força. Zeca Bode Velho tinha feito uma promessa. Se chovesse até o dia de São José, daria duas cabras para o leilão que o padre Almiro realizaria em prol da festa de Nossa Senhora das Graças, em novembro. Pois o primeiro aguaceiro, naquela tarde da procissão, veio exatamente no dia 19 de março. Dia de São José. As duas cabras foram entregues no domingo, dia da feirinha semanal da cidade. 

Foi assim que o padre Almiro, de pastor de almas, passou a ser também pastor de bodes, como o povo dizia. Todos os dias, após o café da manhã, o padre saía com as duas cabras, que já lhe foram entregues prenhes, para as bandas do açude municipal, a fim de as ditas cujas comerem à vontade o capim sempre verde que ali viçava. Logo, as cabras dariam crias. O padre Almiro se afeiçoou aos bichos. Já tinha um pequeno rebanho. Veio a festa da padroeira, porém, o padre não leiloou os animais. O ano dobrou e novas crias vieram ao mundo. Mais crias. E mais crias. O padre já tinha um rebanho considerável. E mais ainda considerável por ser ele um padre. 

Duplamente pastor. Na visita episcopal, o senhor bispo refestelou-se com um borrego assado no capricho, que Mimita de Dona Crisálida era fina em preparar um bode assado. O padre Almiro ofereceu uma cabra ao bispo. Contudo, o bispo recusou: “Padre Almiro, para onde eu vou com uma cabra, se eu já tenho no meu clero alguns bodes para cuidar?”. 

Os anos se passaram, e o padre Almiro continuou cuidando de bodes e cabras. Tornou-se famoso por tantos caprinos que possuía. E folclóricos tornaram-se os seus passeios matinais, tangendo o seu magote de bodes e cabras pelas ruas da cidade e em direção às cercanias do açude. Após aquela seca danada, seguiram-se muitos anos de fartura. E as cabras do padre Almiro botavam no mundo muito mais bodes. 

Corria o ano de 1970. O padre Almiro, madurão, continuava na mesma Paróquia. E ainda criando bodes. Numa manhãzinha de domingo, Tininha de Dona Rosa de Pedrinho Macambira, que fazia a limpeza da casa paroquial, cuja chave da porta da frente ela a possuía em cópia, encontrou o padre caído no quintal. Estava morto. O coração lhe traíra. Ao redor do corpo sem vida, cabras e bodes em respeitoso silêncio. 


Coluna José Lima
Com.: 0
Por Kleber Santos
19/03
13:26

"O que o sertanejo quer é oportunidade, não migalhas", disse Eduardo Amorim


Em visita ao sertão sergipano, acidade de Feira Nova foi a primeira parada do senador Eduardo Amorim, nessesábado, 18. Além de ver de perto e discutir quais as maiores necessidades dosfeira-novenses, o parlamentar reforçou que o seu gabinete esteve, está e sempreestará à disposição do gestor Painho. "A nossa parceria é antiga. Sou fãdo prefeito Painho por sua simplicidade e maneira de administrar. Já enviamos aproximadamente R$ 1,5 milhão em emendas para o município. Vamos continuar lutando e almejando muitos benefícios para a cidade e região", reafirmou Eduardo.
 
Acompanhadode vários parlamentares, entre eles o senador Valadares, deputados André Moura,Valadares Filho e Luciano Pimentel, prefeitos e vereadores da região, o senadorEduardo participou de entrevista na emissora Xodó FM, na cidade de NossaSenhora da Glória. Na ocasião, ele reafirmou sua posição sobre a nãoprivatização da Deso e disse ainda que em 2015 solicitou ação emergencial paraa construção do Canal de Xingó. 
 
"Alguémque tem um bem quer se desfazer do mesmo? A Deso é um patrimônio do povo, umbem social. Nós não podemos admitir a venda desse tão precioso bem. Há doisanos atrás, estive em Paulo Afonso com Felipe Mendes, superintendeà época  da Codevasf, o acompanhei por terra e sobrevoamos todo local decaptação das águas para o Canal de Xingó. Pedimos açãoemergencial. O que o sertanejo quer é oportunidade e não migalhas",pontuou.
 
Já na saídada cidade, Eduardo foi até a casa do atual prefeito de Nossa Senhora da Glória,Chico, se colocar à disposição do gestor local. Chico se mostrou grato com avisita e disse que, independente de bandeiras partidárias, o objetivo de todosé apenas um: a construção do Canal de Xingó. "Vamos nos unir numa correntedo bem em prol do sertanejo, esse povo tão sofrido e aguerrido. Recebi convitee irei sim até o gabinete dele para tratarmos sobre tal situação", afirmouChico. 
 
Porto da Folha
Parafinalizar o dia de visitas por uma parte do sertão, o senador Eduardo Amorim etodo bloco de oposição seguiram até a cidade de Porto da Folha para participarde entrevista na Rio FM. Os prefeitos Valmir de Francisquinho (Itabaiana);Miguel de Dr. Marcos (Porto da Folha); Painho (Feira Nova); Franklin Freire(Amparo do São Francisco) e Everton Lima (São Miguel do Aleixo) tambémparticiparam de entrevista. "Prefeito Miguel, saiba que você não está só.Sei que recebeu a prefeitura numa situação muito difícil, mas estamos aqui paranos somar", concluiu Eduardo, que também visitou o ex-prefeito de Monte Alegre, Tonhão.


Política
Com.: 0
Por Kleber Santos
18/03
16:54

Membros do PT, PRB e PSD podem ter Rogério Carvalho como pré-candidato a governador




Os petistas Rogério Carvalho e João Daniel, o peessedista Fábio Mitidieri e os peerrebistas Heleno Silva e Jony Marcos se reuniram para um bate-apo e resolveram anunciar a unidade do grupo em torno de um projeto eleitoral para 2018. Essa iniciativa aponta o presidente do PT como possível pré-candidato a governador, na sucessão de Jackson Barreto (PMDB). O grupo está aberto para receber adesões. Ao final do encontro, o deputado Fábio Mitidieiri (PSD) postou a seguinte mensagem ‘Porque os velhos amigos valem ouro! PSD, PT e PRB estão juntos desde os tempos do eterno governador Marcelo Déda. Que venham novos desafios!”.



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
18/03
12:10

Coluna Primeira Mão

André no PMDB

Há muitos comentários na mídia nacional dando conta de que o líder do Governo Michel Temer no Congresso Nacional, deputado federal André Moura, está com um pé n o PDB e coloca o outro logo em breve. As conversações evoluíram nos últimos dias e a ida de André para o PMDB teria até mesmo o aval do presidente Temer. Se isso vir a acontecer, em Sergipe André Moura passará a ser aliado do governador Jackson Barreto. A Folha de São Paulo e vários sites e blogs do país estão divulgando a informação.

Alguém que empolgue


Nos últimos dois meses têm sido intensos os comentários dando conta de que Ricardo Franco, Belivaldo Chagas, Laércio Oliveira, Eduardo Amorim, André Moura e João Gama podem ser candidatos a governador de Sergipe em 2018. Eles podem até ter interesse no cargo, mas a disputa eleitoral vai exigir pelo menos uma candidatura que empolgue. No processo de depuração será possível chegar a um bom nome.



Laércio como Opção



Muitos empresários de Aracaju e do interior sergipano demonstram claramente o interesse numa possível candidatura do deputado federal Laércio Oliveira (PROS) para disputar o Governo de Sergipe em 2018. Há ta,bém segmentos políticos apostando que ele toparia o desafio.


Shopping center


Muitas repartições públicas federais, estaduais e municipais em Aracaju funcionam como shopping centers. Nelas funciona um bom comércio que oferece muita comodidade aos seus consumidores. Eles não precisam sair de onde estão. Vendedores levam mercadorias aos funcionários públicos que pagam quando recebem seus salários. O Brasil tem jeito? .


Com farda


É pelo menos esquisita a atitude do vereador militar que frequenta a Câmara Municipal de Aracaju fardado. No meio de seus pares vereadores, passa a impressão de que ele seria uma espécie de "chefe do gabinete militar da Câmara". Bizarro


162 anos


Aos 162 anos, Aracaju é uma cidade que precisa de muito mais equipamentos coletivos e de triplicação de áreas verdes. Os administradores de Aracaju não têm dado suficiente atenção aos bairros da zona norte. Eles parecem dominados pela especulação imobiliária favorecendo a sua expansão na direção sul. É necessário valorizar a belíssima ponte que liga Aracaju à Barra dos Coqueiros que fica naquela área. O histórico bairro Industrial precisa ser recuperado.


Previdência

As manifestações de quarta contra a reforma da previdência foram um grande sucesso em Aracaju. O destaque foi para as mulheres que compareceram em massa e que podem ser grandes prejudicadas se a proposta atual for mantida.


Mudança

Causou surpresa o afastamento do promotor público Henrique Cardoso que, juntamente com a delegada Daniela, vinha fazendo um bom trabalho contra a corrupção em Sergipe. Time que joga bem também se muda?


E tarifa. Hein!


Os radicais do Movimento Não Pago sempre exageram em suas demandas. Mas os empresários de ônibus também. Sempre querem altíssimas taxas de lucros. Agora pior de tudo é a Câmara de Vereadores não querer assumir suas responsabilidades quanto a decidir sobre qual será o valor do aumento das passagens de ônibus.

Complicação


Se não for montagem o vídeo sobre o conselheiro do TCE Ulisses Andrade, sua situação pode estar complicada. Mas não é pequeno o número de apostas de pessoas dizendo que a ação do MPE pedindo o seu afastamento não vai dar em nada.

Volta seca


Se vivo, o cangaceiro sergipano “Volta Seca”, do bando de Lampião, completaria 100 anos neste mês de março. Depois de ter se engajado no grupo do suposto Robin Hood nordestino, o jagunço foi preso e enviado para a Bahia. Assim escapou da morte e de ter a cabeça cortada, como aconteceu do grupo de bandoleiros exterminado em Angico,
no sertão sergipano.


Grande encontro 1


Tudo indica que o encontro entre o governador Jackson Barreto e o líder no Congresso André Moura, seu opositor em Sergipe, foi um exercício de puro pragmatismo político pensando no melhor interesse dos sergipanos. Em certas rodas políticas tem gente encontrando outras explicações diferentes daquelas apresentadas pelas duas lideranças estaduais.


Grande encontro 2


As ausências dos senadores Antônio Valadares, Eduardo Amorim e do deputado federal Valadares Filho no debate sobre a construção do canal de Xingó, realizado pelo governador Jackson Barreto e pelo líder André Moura, demonstrou claramente o isolamento dos três faltosos até mesmo no seu próprio campo político.


OAB protesta


A OAB/SE avalia a medida administrativa do Tribunal de Justiça de Sergipe em desativar 25 distritos judiciais como equivocada e incompatível com as garantias fundamentais dos cidadãos ao acesso à justiça e à duração razoável do processo. Vista como um grave retrocesso social, a extinção das unidades judiciárias, para a Ordem, transfere o ônus administrativo do Judiciário para a sociedade, restringindo uma atividade essencial e impondo limitações ao direito constitucionalmente assegurado à cidadania. O ato será realizado às 8 horas, no município de Santa Rosa de Lima.


Tempos ruins 1

São muitos os imóveis colocados à venda ou para alugar em Aracaju, inclusive nos bairros de classe média.

Tempos ruins 2

Os postos de revenda de combustíveis que realizam promoções estão sempre lotados. Em Aracaju o preço da gasolina comum varia entre R$ 3,54 e R$ 3,79.



Coleta péssima

Tem muito lixo nas esquinas e terrenos baldios da periferia de Aracaju. Bairros como o Aeroporto, tem áreas em que a limpeza das ruas foi feita há cinco ou seis meses.

Guiamum no defeso

Numa tentativa de evitar que o guaiamum venha a ser classificado como extinto, o Ibama realiza um novo defeso do crustráceo. Os comentários dão conta de que será por um período de cinco anos, prorrogáveis por mais cinco. Isso nos induz a pensar que há uma ameaça de extinção. Quem desrespeitar o defeso poderá ser até preso.



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
17/03
09:36

Governo investe mais de R$ 17 milhões na educação de Aracaju


Nesta sexta-feira, dia 17, Aracaju completa 162 anos. Os investimentos do Governo do Estado na capital somam mais de R$ 600 milhões. Na área da educação, até 2018, serão reformadas 19 unidades de ensino, o que representa mais de 22% de todas as escolas e colégios sediados na capital sergipana

O Governo do Estado de Sergipe considera a educação vital para o amplo desenvolvimento da sociedade sergipana. Esse comprometimento pode ser comprovado pelas obras realizadas na gestão atual, sobretudo em Aracaju, que comemora o aniversário de emancipação política nesta sexta-feira, 17, e que, a cada ano, é contemplada com milhões em investimentos para reformas e ampliações das unidades estaduais de ensino público.

Somente nos dois primeiros anos de governo, a atual gestão já concluiu 11 grandes reformas em escolas e colégios na capital, o que representa R$ 12.411.114,64 em investimentos. Além disso, mais oito unidades de ensino estão com obras em andamento, que devem ser entregues até 2018. Somados aos das já realizadas, os valores sobem para R$ 17.592.404,28, diretamente aplicados em novas estruturas, que visam impulsionar o aprendizado dos mais de 47 mil alunos matriculados na rede estadual em Aracaju.

Atualmente, a Capital possui 86 unidades estaduais de ensino, o que significa que, até o término da atual gestão, o Governo do Estado terá reformado e ampliado mais de 22% de todas as estruturas educacionais em Aracaju. Essa reestruturação no ensino da capital também objetiva beneficiar o trabalho realizado pelos 2.880 professores estaduais.

“A ação do governo na área da educação pública tem como meta melhorar a qualidade do ensino, entregando unidades escolares em condições de atender os anseios da classe estudantil, para que possam ter um melhor aprendizado, e também dos professores e servidores, ao oferecer melhores e mais adequadas condições de trabalho”, salienta o secretário de Estado da Educação, Jorge Carvalho.

E os profissionais que fazem parte do ensino público reconhecem o comprometimento e o esforço do governo. A diretora da Escola Estadual 08 de Julho, Sandra Cristina Santos Menezes Nunes, lembra que a finalização das obras nas escolas e colégios estaduais foi um dos compromissos firmados no início da administração. “Quando o governador Jackson Barreto assumiu, ele se comprometeu a concluir todas as reformas de escolas, que antes estavam paradas. Assim foi feito, pois me lembro que várias outras foram inauguradas na mesma época que essa”, recorda.

Ela também afirma que a obra transformou a realidade dos alunos. “A escola duplicou de tamanho. Não tínhamos a menor estrutura para as atividades físicas, como os treinos para os jogos da primavera e campeonatos internos, que os alunos tanto pediam. O novo auditório é amplamente utilizado, onde promovemos palestras, reuniões entre pais e professores, e as feiras de ciências; o laboratório serve para reforçarmos aquilo que passamos durante as aulas; ganhamos novos espaços livres, que utilizamos como áreas de convivência e, graças à construção da biblioteca, podemos desenvolver um novo projeto de leitura com nossos alunos, concepção que é nosso carro-chefe hoje”, detalha.

Foto:Marcelle Cristinne/ASN


Política
Com.: 0
Por Kleber Santos
16/03
17:15

Funcionamento dos Mercados, Feiras e Parque no feriado de 17 de Março

A Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) informa que os mercados centrais Albano Franco, Thales Ferraz, Antônio Franco e os setoriais (bairros) funcionarão meio expediente, das 06h às 12h, no feirado do aniversário de Aracaju, na próxima sexta-feira, dia 17. Já as feiras livres serão realizadas, normalmente, neste dia.
 
Parque da Sementeira 
Para quem busca diversão, lazer e natureza em um só lugar, o Parque da Sementeira se apresenta como boa opção. O espaço estará aberto das 5h às 21h e contará com programação especial em comemoração pela data, elaborada pelo Governo do Estado. Entre as atrações está a Orquestra Sinfônica, que se apresenta no final da tarde.

 
 


Variedades
Com.: 0
Por Kleber Santos
16/03
17:14

Aracaju 162 anos: solenidades vão celebrar o Aniversário da Cidade

A Prefeitura de Aracaju comera nesta sexta-feira, 17, os 162 anos da capital sergipana. Para marcar a data, serão realizadas as tradicionais solenidades de celebração da missa em Ação de Graças, a partir das 8h, na Igreja Santo Antônio, localizada na colina e bairro de mesmo nome. Na sequência, a cerimônia de aposição de flores no Obelisco dedicado a Inácio Joaquim Barbosa.

A homenagem ao carioca, que foi um dos mais importantes governadores da província de Sergipe, acontecerá às 10h na praça Inácio Barbosa, popularmente conhecida como praça do Mini-golfe. Ele foi o responsável pela mudança da capital de Sergipe de São Cristóvão para o povoado Santo Antônio do Aracaju, elevado à categoria de cidade no ano de 1855. Mudança esta motivada por fatores internos e externos, resultantes de causas políticas e econômicas nacionais.

Dentro das comemorações promovidas pela Prefeitura de Aracaju também acontecerá a 34ª edição da Corrida Cidade de Aracaju, a mais tradicional prova de rua do estado. Atletas profissionais e amadores largarão às 16h, da praça São Francisco, em São Cristóvão.  A corrida simboliza a mudança da capital.

A chegada da corrida será na Praça Inácio Barbosa, em Aracaju. Esta 34ª edição terá uma premiação de cerca de R$ 95.000,00, distribuída nas diversas categorias que fazem parte da prova, que em todos os anos recebe um público de milhares de pessoas. A corrida é organizada por meio da Secretaria Municipal da Juventude e do Esporte (Sejesp).


Variedades
Com.: 0
Por Kleber Santos
16/03
17:12

"É com trabalho que comemoramos o aniversário de Aracaju”, diz Jackson ao entregar Centro Administrativo

O investimento de R$ 18.726.873,43 foi realizado com recursos provenientes do Proinveste

O governador Jackson Barreto presenteou a capital sergipana na tarde desta quinta-feira, 16, ao entregar o novo sistema viário do Centro Administrativo Governador Augusto Franco, na Zona Oeste de Aracaju. A obra, um investimento de R$ 18.726.873,43, foi realizada com recursos do Proinveste e contribuirá para a mobilidade urbana na região. Compareceram à solenidade, o vice-governador Belivaldo Chagas, o ex-governador Albano Franco, filho do ex-governador Augusto Franco que dá nome ao Centro, e o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira. 

O moderno sistema viário facilitará o acesso às repartições da área e encurtará as distâncias para quem se desloca da BR 235 e da avenida Tancredo Neves para a Marechal Rondon, bem como no sentido oposto. A via possui 11 quilômetros de extensão. 

Além de contribuir para a melhoria do tráfego na região e reduzir o tempo de deslocamento entre algumas vias expressas da capital, sobretudo nos horários de pico, a duplicação da avenida principal e criação de novas ruas e rótulas facilitarão o acesso de funcionários e usuários dos serviços públicos aos diversos órgãos estaduais e federais ali existentes, bem como às futuras instalações do Hospital do Câncer, do Centro Especializado em Reabilitação para Deficientes (CER-IV), e do Ministério Público Federal.

O governador afirmou que se sente feliz ao presentear Aracaju quando ela completa 162 com uma obra que vai mudar o perfil da mobilidade urbana da cidade. “Eu governo o Estado, mas de olho em Aracaju, pois foi ela que me deu régua e compasso e me deu oportunidade de ser o homem público que chegou hoje ao Governo”, revelou.

Ele relatou que na quarta-feira, 15, esteve em  Brasília para discutir com a bancada federal e com o deputado André Moura a possibilidade de liberação de recursos para a construção do Canal de Xingó de Sergipe. “Assim como o governador Augusto Franco tinha uma visão de futuro e, na década de 1970, pensou na adutora do São Francisco, estou mostrando à bancada sergipana que ela precisa se unir para discutir o problema do Canal de Xingó. Isso é você trabalhar na perspectiva do futuro do estado, que pode atravessar uma crise hídrica se não assumirmos a responsabilidade de um protagonismo agora para o problema que virá para as novas gerações”, ressaltou.
 
Jackson Barreto destacou ainda que Augusto Franco, na década de 1970, também pensou no Centro Administrativo. “Eu não poderia pensar que estaria aqui hoje inaugurando a requalificação dessa área, onde estão situadas as repartições públicas federais e estaduais mais importantes do Estado, além do Centro de Reabilitação de Pessoas com todo tipo de deficiência e do Hospital do Câncer, construídos pelo Estado. Cabe a nós, hoje, pegar esses exemplos. Assim como Augusto Franco teve a visão na década de 70 do Centro Administrativo, demos encaminhamento a essa obra que hoje é fundamental na modernização de Aracaju, da mesma forma que discutimos a importância do Canal de Xingó”, afirmou.

Foto: Victor Ribeiro/ASN


Política
Com.: 0
Por Kleber Santos
Primeira « Anterior « 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos