26/06
05:38

Coluna Primeira Mão - Política e Economia

Assembleia só apresenta defesa no julgamento do mérito


A deputada Angélica Guimarães, presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, garantiu ontem, 25, que não vai interpor o agravo regimental que a instituição teria direito junto ao Tribunal de Justiça do Estado para contestar esse segundo Mandado de Segurança expedido, em caráter liminar, pela desembargadora Susana Maria de Carvalho que suspendeu os efeitos da nova sessão que escolheu a deputada Susana Azevedo como nova conselheira do Tribunal de Contas do Estado. O Legislativo prefere apresentar a defesa de sua tese apenas durante a apreciação do mérito da ação pelo Pleno do Tribunal de Justiça e, assim, contribuir para a redução de etapas processuais e acelerar a conclusão do processo.


Prazos legais - Sobre o presente Mandado de Segurança caberia agravo regimental no prazo de 5 dias, mais 5 dias seriam dados para a outra parte se manifestar e mais 30 dias para o Ministério Público apresentar o seu parecer. Nesse período, cerca de 45 dias, enquanto o Pleno do Tribunal de Justiça estivesse examinando a medida liminar, a discussão do mérito ficaria suspensa. Esse prazo, entretanto, ainda poderia ser ampliado em função de agendas, pautas e recursos processuais. Para que se se tenha uma idéia de te mpo, o primeiro mandado de segurança sobre a escolha de conselheiro do TCE levou quase 7 meses para ser votado pelo Pleno do tribunal.


Análise do mérito - Analisar o mérito, significa definir qual das teses jurídicas colocadas para o Poder Judiciário está correta: a da Assembléia Legislativa que escolheu, por unanimidade, a deputada Susana Azevedo ou a do secretário da educação do estado, o ex-deputa do Belivaldo Chagas que se diz prejudicado em seus interesses. Com essa estratégia jurídica - diz a presidente Angélica Guimarães - a Assembleia Legislativa prefere não discutir a medida liminar, abreviar o julgamento do mérito e conhecer em definitivo a soberana decisão do Tribunal do Justiça do Estado de Sergipe sobre o assunto.

 

“Tem bandido demais e pouca gente para investigar”, avalia Samuel

 


O deputado estadual Capitão Samuel (PSL) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, ontem, para dizer que apenas os delegados da Polícia Federal e da Polícia Civil defendem a aprovação da PEC 37 pelo Congresso Nacional. Samuel disse que todas as categorias estão contrárias, como os policiais militares, civis, além dos agentes da polícia rodoviária federal e da PF. O parlamentar reclamou que a aprovação da PEC agora só viria aumentar a corrupção. “O STF entende que a autoridade policial tanto pode ser o delegado, como o agente da PRF, da PC, da PM, em ocorrência de menor potencial ofensivo. Essa é a PEC dos delegados da PC e da PF! Antes de restringir o direito de investigar, tem que ver quantos crimes são elucidados. Tem que fazer uma pesquisa séria. Retirando apenas gente que quer trabalhar vai aumentar a quantidade de corrupção. Tem bandido demais e gente de menos para investigar. As ruas já deram uma resposta ao Congresso Nacional”, concluiu.

Rogério Carvalho propõe à Sílvio Santos reavaliação de decisão

O presidente do Diretório Estadual do PT, deputado federal Rogério Carvalho, propôs ao secretário de Estado da Casa Civil, Sílvio Santos, que a tendência (CNB) a que estão ligados promova um novo encontro para discutir a formação de chapa para o comando da agremiação política e outros temas, desta feita com a presença do chamado “bloco dos excluídos”. Segundo Carvalho, Sílvio ficou de consultar lideranças convidadas para o evento anterior e depois dar uma posição final sobre o questionamento. Na semana retrasada, membros da tendência petista Construindo o Novo Brasil se reuniram e lançaram o nome de Sílvio Santos para encabeçar a chapa para o Diretório Regional do PT. Rogério, alguns deputados estaduais, vereadores e prefeitos não foram convidados para o evento, embora sejam militantes do mesmo segmento.

Antenas: Zezinho quer audiência com prefeito para discutir legislação


O deputado Zezinho Guimarães propôs que os demais membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das teles, da Assembleia Legislativa, da qual é vice-presidente, agendem uma audiência com o prefeito João Alves Filho (DEM) para discutir sobre a legislação que trata da instalação de antenas na capital. De acordo com Zezinho, o modelo atual, regulamentado em 2010, através de Projeto de Lei aprovado pela Câmara Municipal de Aracaju e sancionada pelo Executivo à época, impede as empresas de telefonia móvel de executarem novos investimentos e melhorar o sinal na capital. De acordo com Zezinho Guimarães, a Lei 3.858/2010 criou uma série de dificuldades para a instalação de antenas de telefonia móvel em Aracaju, ocasionando uma sobrecarga e problemas com o sinal. Ele disse, ainda, que a lei cria sérias restrições, por exemplo, ao exigir a construção de antenas em áreas de, no mínimo, 300 metros quadrados.


Mutirão da Saúde - Propriá na luta contra a catarata


A Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), com apoio do Ministério da Saúde (MS) e em parceria com a Prefeitura Municipal de Propriá, promove nesta quarta-feira, 26, um mutirão para a realização de cirurgias de catarata no Hospital Regional São Vicente de Paula, em Propriá. Os moradores da região do Baixo São Francisco serão beneficiadas com a ação que mobilizará cerca de 50 profissionais de saúde entre médicos oftalmologistas, cirurgiões, enfermeiros, anestesistas e auxiliares de enfermagem. A expectativa é que, em dois dias de atividade, sejam realizadas 300 cirurgias. De acordo com o secretário de Saúde de Propriá, Adelmo Macedo, o procedimento consegue resolver o problema em 99% dos pacientes.

Vereadores aprovam redução na tarifa do transporte coletivo

 

 

A Câmara Municipal de Aracaju aprovou por 17 votos a favor e 5 contra o Projeto de Lei 138/2013 do Executivo Municipal, alterando o art.1º da Lei 4.381, de 10 de maio de 2013, revogando a majoração da tarifa do transporte público coletivo, de R$ 2,45 para R$ 2,35 ou seja a redução do percentual de 8,88% para 4,62%. O Legislativo da capital tinha aprovado no dia 7/5, por 14 votos a favor e 7 contra e uma abstenção, o Projeto de Lei 102/2013, de autoria do Executivo, que aumentou a tarifa de ônibus da capital para R$ 2,43, o que correspondia a um reajuste de 7,98%. Uma emenda aprovada em plenário por 13 votos a favor, 8 contra e uma abstenção sugeriu reajuste de 8,88%, o que elevou a tarifa para R$ 2,45. A vereadora Emília Corrêa (DEM) deu sua posição sobre o tema. “Entendo que no primeiro momento do reajuste da passagem o que existiu foi uma adequação do valor e agora o que estamos debatendo e votando é uma redução dessa mesma passagem”, explicou a parlamentar.


Iran, Emerson e Lucas explicam seus votos


O vereador Iran Barbosa (PT) justificou seu voto contrário ao projeto. “Estamos aqui mais uma vez sendo chamados a opinar sobre um tema que esta Casa já discutiu anteriormente. Agora estamos com uma nova configuração do mesmo tema e todos eles com produção de equívocos. Não estamos discutindo redução da tarifa, mas a majoração com um índice inferior ao que foi aprovado anteriormente. As planilhas mostram que há equívocos e que precisam ser estudados, para não correr o risco de votar naquilo que não acredito, afinal estamos aqui como representantes legítimos do povo. Então sugiro a revogação do reajuste anterior e com uma planilha melhor elaborada possamos assim aprovar uma majoração de um preço que seja justo para toda população. Portanto vou votar contra qualquer majoração nesse momento por entender que não temos um transporte público de qualidade”, justificou o vereador. Emerson Ferreira (PT) também deu sua opinião. “Nós temos um transporte público precário e um dos mais caros das capitais nordestinas. Licitação parece palavra proibida de se pronunciar e que escuto há mais de dez anos. Afinal qual é o interesse que está em jogo?”, questionou o vereador. “Por uma questão de coerência se formos contrários com os valores apresentados na planilha anterior devemos manter nossa postura que nos está sendo apresentada nesse momento. Portanto sou contrário a essa majoração por entender que não há um efetivo interesse da população”, continuou Emerson. Lucas Aribé (PSB) também justificou seu voto contrário. “É preciso olhar para fora dessa Câmara e ver que as pessoas continuam utilizando um transporte público de péssima qualidade e com uma passagem muito cara”.


Manifestação termina com um ônibus queimado e 20 presos


A manifestação pública realizada na tarde e parte da noite de ontem (terça-feira) terminou com um ônibus incendiado no Terminal do Distrito Industrial de Aracaju (DIA). Antes disso, porém, um grupo de manifestantes tentou invadir o Centro Administrativo do Município, local que abriga o governo municipal e algumas secretarias. Manifestantes jogaram pedras e quebraram vidros de portas e janelas e forçaram a entrada. Foram barrados pelo Pelotão de Choque da PM, que teve a ajuda da Guarda Municipal. 20 pessoas foram presas e depois liberadas. Amanhã, quinta-feira, às 16h, uma nova manifestação do "Não Pago" em Aracaju


TCE determina suspensão de concurso da Câmara de Monte Alegre para correção de falhas no Edital


Um extenso rol de falhas identificadas no Edital do concurso público Nº 01/2013 para preenchimento de cargos efetivos no quadro de pessoal da Câmara Municipal de Monte Alegre, levou o Tribunal de Contas do Estado (TCE) a expedir medida cautelar determinando a suspensão do certame pelo prazo de 90 dias, sob pena de multa diária de R$ 500, até o limite de R$ 50mil. A decisão ocorreu no Pleno da última quinta, 20, quando o conselheiro Luiz Augusto Carvalho Ribeiro relatou o Protocolo 016659/2013, que trata da análise do respectivo Edital. Ao analisar o Edital, a Coordenadoria Jurídica do TCE detectou falhas como a não comprovação prévia da dotação orçamentária para atender às projeções de despesa de pessoal com o concurso; além da ausência de qualquer informação quanto ao procedimento licitatório para escolha da empresa responsável, muito menos quanto ao instrumento contratual firmado. "O ingresso no serviço público deve ocorrer por meio do concurso, mas este deve ser realizado de forma regular, com o máximo de clareza, transparência e chances iguais para todos os candidatos", destacou o conselheiro-relator.

Mais problemas - Outras falhas relatadas pelo conselheiro dizem respeito a itens constantes no ato convocatório do concurso, a exemplo da inexistência de garantia de recurso administrativo em todas as fases, e da publicação de todas as etapas do concurso por todos os meios possíveis. No ato também não há descrição sumária das atividades a serem desempenhadas por cada um dos órgãos. Além da expedição da medida cautelar, a decisão do TCE determina ainda que, no prazo de 15 dias, seja encaminhada à Corte de Contas a seguinte documentação: comprovação de prévia dotação
orçamentária suficiente para atender às projeções dessa despesa de pessoal; autorização específica na Lei de Diretrizes Orçamentárias quanto ao referido concurso; anexos da Lei de Orçamento Anual n. 015/2011; Lei de Diretrizes Orçamentárias e do orçamento Anual para o ano de 2013, aprovadas em 2012 e cópia do processo licitatório que culminou na contratação da empresa SEPROD – Serviços de Processamentos de Dados, bem como instrumento contratual pactuado.


Investimentos das Arábias em Sergipe serão anunciados 5ª feira


O príncipe All Faisal All Saud, da Arábia Saudita, que já se encontra em Sergipe e o governador em exercício, Jackson Barreto, anunciam amanhã, quinta-feira, 27, um investimento bilionário de empresários árabes no Estado. Também em terras sergipanas encontra-se o presidente da Ansia Moto’s, Mustafat Mohmat. Os dois serão recebidos pelo governador em exercício Jackson Barreto (PMDB) e pelo secretário de Desenvolvimento Saumíneo Nascimento. Também virão ao Estado representantes do Itamaraty e da Câmara do Comércio Brasil-Arábia Saudita, que acompanharão as negociações.


Sergipe terá um novo setor industrial


A reunião do Conselho de Desenvolvimento Industrial (CDI), referente ao mês de junho, aprovou duas novas indústrias para Sergipe, uma de roupas íntimas e praia, outra de luminárias – introduzindo um novo setor no Estado e que no Brasil tem crescimento gradativo. Realizada na última sexta-feira, 21, a reunião do Conselho possibilitou ainda a ampliação de prazos de incentivos do Governo do Estado, através do Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI), para três indústrias já instaladas e a ampliação de novos produtos. As novas indústrias aprovadas pelo CDI, ambas localizadas no município de Nossa Senhora do Socorro, devem gerar mais de 100 novos empregos e injetar mais de R$ 15 milhões na economia do Estado. Já com a ampliação de prazos para incentivos liberados pelo Governo de Sergipe, o Conselho aprovou solicitações que dão continuidade a investimentos de mais de R$ 4,8 milhões no Estado e manutenção de 131 empregos. Também foram aprovados acréscimos de Código Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) que ampliam produtos em algumas empresas.


São Cristóvão ganhará Jardim Botânico


A Secertaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e a Universidade Federal de Sergipe (UFS) vão atuar conjuntamente no Jardim Botânico do Estado, que será criado e implantado no município de São Cristóvão. Para discutir o tema, o secretário Genival Nunes e o reitor Angelo Roberto Antoniolli se reuniram ontem. Vários terrenos estão em avaliação. “Também entrou em pauta a criação de uma Unidade de Preservação da Mata do Cipó e caberá à UFS realizar os estudos para a viabilização do projeto”, explicou Nunes. O processo terá início no segundo semestre deste ano.


Sem PTB, Irmãos Amorim perderão pouco mais de um minuto na TV

Se confirmada a mudança de controle do PTB das mãos dos irmãos Edivan e Eduardo Amorim para as do deputado federal José Almeida Lima, como vem sendo noticiado, na verdade os “ex-proprietários” perdem algo em torno de um minuto no horário gratuito no rádio e na tv durante a campanha eleitoral de 2014. É isso que pode pesar nessa situação.



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
25/06
19:11

O homem revoltado


Clóvis Barbosa - Blogueiro e con selheiro do TCE-SE
 

Albert Camus (1913-1960), jornalista, escritor, romancista, ensaísta, dramaturgo, ex-comunista e filósofo franco-argelino, reconhecido pela Academia Sueca com o Nobel de Literatura de 1957, autor de uma obra vasta onde se destaca O estrangeiro, O Mito de Sísifo, Estado de sítio, A queda e A peste. Ele também escreveu o polêmico livro O homem revoltado que, à época do lançamento, em 1951, recebeu as mais pesadas críticas do mundo intelectual francês, principalmente do romancista e filósofo Jean Paul Sartre, seu amigo até então. O pau quebrou na moleira de Camus, acusado de ser um direitista inveterado, cão nazista, proxeneta do imperialismo e tantos outros adjetivos. Camus não reagiu aos ataques, mas os seus estudiosos justificaram a reação à sua obra pelo momento apaixonante do socialismo. Negar a prática criminosa stalinista naquele momento era ir de encontro à revolução. Mas todos sabem que toda obra de Camus contém as presenças do absurdo e da revolta. Não era nenhuma novidade. Só que, diferentemente de determinadas práticas filosóficas, ele pretendeu discutir e colocar o homem no mesmo patamar de equidade e de respeito mútuo. Qual o sentido da existência humana? Esse é o tema explorado em toda a sua obra, principalmente em O homem revoltado, onde exemplos bíblicos, da literatura e da filosofia, extraídas das obras de André Breton, Hegel, Saint-Just, Marques de Sade, Nietzche, Jean-Jacques Rosseau, Pierre Naville, Dostoiévski, além das escolas do niilismo, surrealismo e existencialismo, são colocados de forma a justificar as suas teses. Esta obra é considerada por muitos como uma das mais importantes do século XX. Dentro dessa perspectiva é que Camus entende que o homem revoltado é aquele que se contrapõe à ordem de quem o oprime e reage quando sente que não deve ser oprimido. Sumaria o seu texto naquele silogismo de René Descartes: “Eu me revolto, logo existimos”. 

 

A propósito dessa reviravolta do povo brasileiro, gritando nas ruas contra o aumento da passagem dos transportes, da classe política, dos sindicalistas, dos gastos com a copa e da melhoria dos serviços nas áreas da educação e saúde, soa como providencial conhecer o pensamento de Camus e do seu homem revoltado: “A revolta é o ato do homem informado, que tem consciência de seus direitos”; “O indivíduo não pode aceitar a história tal como ela ocorre. Ele deve destruir a realidade para afirmar o que ele é, não para colaborar com ela”; “(...) a verdadeira revolta é criadora de valores”; “Se não há natureza humana, a maleabilidade do homem, na verdade, é infinita”; “O escravo, na verdade, não está ligado à sua condição, ele quer mudá-la. Ele pode, portanto, educar-se, ao contrário do senhor; o que se denomina história não é mais que a sequência de seus longos esforços para obter a liberdade real. (...) A história identifica-se, portanto, com a história do trabalhador e da revolta. Não é de admirar que o marxismo-leninismo-stalinismo tenha tirado dessa dialética o ideal contemporâneo do soldado-operário”; “É por isso que o ateísmo e o espírito revolucionário são apenas as duas faces de um mesmo movimento de liberação. Essa é a resposta à pergunta sempre formulada: por que o movimento revolucionário se identificou com o materialismo em vez de se identificar com o idealismo? Porque subjugar Deus, fazer dele um escravo, é o mesmo que destruir a transcendência que mantinha o poder dos antigos senhores, preparando, com a ascensão dos novos, os tempos do homem-rei”. “Um décimo da humanidade terá direito à personalidade e exercerá a autoridade ilimitada sobre os outros nove décimos. Estes perderão a sua personalidade, tornando-se uma espécie de rebanho, restritos à obediência passiva, sendo reconduzidos à inocência primeira, por assim dizer, ao paraíso primitivo, onde, de resto, deverão trabalhar”.

 

As manifestações espontâneas do povo brasileiro que estão ocorrendo em várias cidades brasileiras levam-nos a uma reflexão profunda. Acostumamos a pensar que somente os formadores de opinião são os donos da verdade histórica, isto por serem os detentores do conhecimento. O povo seria um mero espectador, que não pensa não opina. Ele só tem dever, principalmente o de trabalhar para manter os privilégios desse grupo que se apoderou do sistema. O aumento das tarifas do transporte coletivo foi o sinal para sua eclosão. Mas não foi a razão principal. O Brasil é um país cheio de contradições e de ilogicidade. Há um pacto nas elites, aí incluídos os novos donatários do poder, aqueles que só enxergam o própro umbigo, para quem o Estado não é o instrumento para o estabelecimento do bem comum, mas o de manutenção de seus privilégios. Essa explosão social espontânea (não me refiro aos baderneiros, pois, para esses aproveitadores a repressão policial), mas àqueles que estão cansados de serem objeto da história e de assistirem passivamente a impunidade que corrói o tecido social, os gastos astronômicos com obras faraônicas, os empréstimos milionários a países em situação de risco, a corrupção, a roubalheira, a violência, a intolerância, o péssimo transporte público, as obras superfaturadas, a leniência governamental em relação a gestão pública, as concessões inexplicáveis, saúde e educação precárias, o ócio remunerado das greves no serviço público sem respeito à cidadania, a ruim prestação do serviço público e a falta de compromisso da classe política com a ética e o respeito ao mandato que lhe foi outorgado. Aqui pra nós, as elites donatárias do poder estão recebendo um recado claro: o povo nas ruas está cansado de ser enganado. Não aceita mais o discurso do futuro, que é, como bem diz Camus, “a única espécie de propriedade que os senhores concedem de bom grado aos escravos”.

 

O que está acontecendo no Brasil, diferentemente das primaveras estrangeiras em países ditatoriais, é que não há uma estratégia clara ou qualquer comando organizado que vise um fim preciso. Os políticos fracassaram? Nós fracassamos? Fica o grande desafio: o da possibilidade de fazermos uma reflexão, antes que o movimento se transforme numa primavera de verdade.

 



Coluna Clóvis Barbosa
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
25/06
14:56

Brasil x Uruguai: É clássico, sim, senhor

Hulk, meia-atacante do Brasil, avança contra marcador da Itália (Foto: Kleber Santos / Blog Primeira Mão)

No futebol sul-americano, Argentina, Brasil e Uruguai são os únicos campeões mundiais. São estes os gigantes do continente. Por alguns anos, porém, passando pelas décadas de 80 e 90, os uruguaios viveram um período de baixa em competições internacionais. Para um país dessa tradição, uma hora haveria de acabar: houve um renascimento da Celeste a partir da Copa do Mundo da FIFA África do Sul 2010. E agora chegou a vez de a Seleção se testar contra este velho e revigorado oponente, no primeiro confronto deles desde 2009.

 
O jogo
Brasil x Uruguai, Estádio Mineirão, Belo Horizonte, quarta-feira, 26 de junho de 2013, às 16h (horário local)

 
Em cena
É isso: desde que a Celeste alcançou as semifinais da Copa de 2010, esses dois arquirrivais ainda não se enfrentaram. Dois motivos explicam isso: primeiro, o fato de a Seleção não estar disputando as eliminatórias para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 e, segundo, a campanha mal-fadada brasileira na Copa América 2011, em que caíram nas quartas de final diante de um Paraguai que viria a ser o vice-campeão, superado justamente pelo Uruguai.

 
Até pela ausência de embates nos últimos anos, o confronto desta quarta apresenta outro aspecto interessante: a contraposição de duas gerações que nunca se enfrentaram e vivem momentos completamente distintos em termos de evolução de carreira.

 
Os anfitriões colocam em campo um time bastante renovado, com muitos jogadores que estão dando apenas os primeiros passos em competições internacionais, como Neymar e Oscar. Já os grandes nomes dos visitantes estão lidando com o ocaso de suas trajetórias, conforme Diego Lugano deixou claro ao FIFA.com, lembrando as dificuldades que enfrentaram nas eliminatórias: “A partida mais importante que jogamos durante este mês foi, sem dúvida, contra a Venezuela. Tínhamos tudo para perder e, se perdêssemos, estaríamos fora da Copa. E mais: seguramente seria o fim desta geração. A verdade é essa.”

 
O número
2 – No dia 7 de setembro de 1965, Brasil e Uruguai fizeram o segundo jogo da história do Mineirão e o primeiro da Seleção no então recém-construído estádio, em um amistoso vencido pela equipe canarinho por 3 a 0. A inauguração da arena em seu primeiro modelo havia acontecido dois dias antes em um duelo da Seleção Mineira – com os melhores jogadores do estado de Minas Gerais – e o River Plate, em amistoso vencido pelos locais, por 1 a 0.

 
O que eles disseram
“Tratando-se de Brasil e Uruguai, é um clássico. Alguns dizem que é pior do que Brasil x Argentina. Por terem conquistado a Copa América (em 2011), eles estão confiantes. Pelo fato de o Brasil ter levado a melhor nos últimos jogos, eles querem mudar essa situação. Vão enfrentar uma Seleção que se encontrou em campo, que está mostrando um futebol maravilhoso. Espero que dê Brasil novamente, mas não tem favorito”, Julio Cesar, goleiro do Brasil.

 
“Vai ser difícil. O Brasil é uma grande seleção que joga em casa. Jogar contra o Brasil é motivante pelo seu nível e a forma como sentem o futebol. É um privilégio enfrentar o país que mais vezes ganhou a Copa do Mundo. Vamos ver o que acontece então”, Oscar Tabárez, técnico do Uruguai.


Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
25/06
14:42

Sedes da Copa do Mundo da FIFA trocam experiências no Rio

Na segunda-feira (24/6), as 12 sedes da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 tiveram a chance de mostrar a representantes da imprensa seus projetos, peculiaridades e algumas das delícias gastronômicas com que esperam encantar milhares de torcedores que virão ao país no ano que vem. No Maracanã, autoridades locais de Brasília, Belo Horizonte, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo tiveram contato com jornalistas brasileiros e estrangeiros e aproveitaram a oportunidade para trocar experiências entre si.

O evento contou com a presença do secretário geral da FIFA, Jérôme Valcke, do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, do secretário executivo do Ministério do Esporte, Luís Fernandes, do diretor de Comunicação da FIFA, Walter De Gregorio, e do CEO do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, Ricardo Trade. Pela manhã, eles participaram de uma coletiva de imprensa em que fizeram um balanço sobre a primeira fase da Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013.

Sede da partida de abertura da Copa do Mundo da FIFA, no dia 12 de junho de 2014, São Paulo foi representada pelo secretário de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Regional, Julio Semeghini. Ele ressaltou a importância do evento para o intercâmbio entre as cidades:

Por ter sido uma das sedes da Copa das Confederações ao lado de Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador, Brasília compartilhou sua experiência com as demais sedes da Copa do Mundo da FIFA, fato considerado importantíssimo por Nelson Souza, da Coordenadoria de Comunicação do Governo do Distrito Federal:

Cercada pela Floresta Amazônica e margeada pelo Rio Amazonas, Manaus se prepara para receber turistas ansiosos em explorar os sabores desta rica região brasileira.

Assim como Manaus, Cuiabá também quer aproveitar a Copa do Mundo para divulgar suas belezas naturais e delícias gastronômicas.

Já a outra representante do sul do Brasil, Curitiba, se prepara para deixar para a população um legado que vai muito além de um novo estádio. A capital paranaense investe em melhorias na mobilidade urbana, na revitalização do centro histórico e quer se consolidar ainda mais como uma cidade voltada ao turismo de negócios.


Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
25/06
14:36

Semifinal com gosto de revanche

A segunda semifinal da Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013 traz um duelo europeu que coloca frente a frente Espanha, atual campeã mundial, e Itália, vice-campeã da Eurocopa 2012. O encontro representará a chance de uma revanche para os italianos, derrotados pela Fúria na última edição do torneio de seleções do Velho Continente.

O jogo
Espanha x Itália, Fortaleza, quinta-feira, 27 de junho, 16h (horário local)

Em cena
A seleção espanhola terminou a primeira fase com três vitórias no Grupo B. Além disso, soube aliar estilo e resultado, apresentando um futebol espetacular. Já a Itália foi derrotada pelo Brasil por 4 a 2, ficou com a segunda colocação do Grupo A e garantiu classificação para a semifinal, mas apresentou debilidades no setor defensivo e sofreu oito gols em três partidas. Além disso, a Azzurra terá de administrar diversas ausências, como as de Balotelli e Ignazio Abate, este último fora do restante das disputas por lesão. Riccardo Montolivo e Andrea Pirlo ainda são dúvidas.

As duas seleções já se encontraram 31 vezes na história. O balanço é de 12 empates, nove vitórias dos espanhóis e dez dos italianos. A última vez que a Azzurra bateu a Espanha foi em agosto de 2011, em amistoso que terminou com o placar de 2 a 1.

Já o último confronto entre ambas ainda está claro na memória de todos. Aconteceu no dia 1º de julho de 2012, quando os dois selecionados mediram forças na final da Eurocopa após terem ficado no empate em 1 a 1 na fase de grupos. Na decisão, os espanhóis atropelaram os adversários por 4 a 0, com gols de David Villa, Jordi Alba, Fernando Torres e Juan Mata.

O número
15 — Foram os gols marcados pela Fúria nos três jogos da primeira fase da Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013, uma média de cinco por partida. A Espanha conta não só com o melhor ataque da competição, mas também com a melhor defesa: apenas um gol sofrido.

O que eles disseram
"A semifinal será a oportunidade de revanche para a Itália. Vamos enfrentar uma equipe complicada, mas queremos seguir adiante e nos classificar para a final." Vicente del Bosque, técnico da Espanha.

"Precisamos sofrer menos gols. Nossos erros defensivos não condizem com uma equipe de nosso nível e com nosso talento." Gianluigi Buffon, goleiro e capitão da Itália.


Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
25/06
14:28

Ex-funcionários da Transurh receberão os pagamentos nos próximos dias

O presidente do Sintasa, Augusto Couto, informa que a reunião que aconteceria nesta terça-feira no Ministério do Trabalho, sobre o caso da Transurh, foi cancelada. A boa notícia é que mesmo assim o alvará para os pagamentos dos ex-servidores da Transurh sairá nos próximos dias.

“Estamos aguardando agora apenas a posição do procurador para divulgar a relação dos funcionários que irão receber os seus valores. O que sabemos é que o pagamento deve começar por ordem alfabética”, explica Augusto Couto, adiantando que os valores estão depositados numa conta judicial, que como o próprio nome diz só a Justiça tem acesso.

Resta aos trabalhadores seguirem a orientação que será apresentada no site do sindicato (www.sintasa.com.br) do dia e ordem que deve ir buscar o alvará.

Da Assessoria


Variedades
Com.: 1
Por Kleber Santos
25/06
11:11

Destaques esportivos da TV desta terça-feira

9h - Torneio de Wimbledon, tênis, SporTV 2

12h - México x Paraguai, Copa do Mundo sub-20, SporTV 3

15h - Turquia x Colômbia, Copa do Mundo sub-20, SporTV

19h - Campeonato Americano de natação, etapa de Indianápolis, Bandsports

20h - Boston Red Sox x Colorado Rockies, beisebol, ESPN +


Esportes
Com.: 0
Por Kleber Santos
24/06
22:24

A economia de Sergipe nos anos oitenta, 1ª parte

Ricardo Lacerda

Se a evolução da economia de Sergipe nos anos setenta ficou marcada pela expansão da exploração do petróleo e pela modernização e diversificação do parque industrial incentivado pela SUDENE, os anos oitenta se caracterizaram por uma transformação mais profunda de sua estrutura industrial, com a implantação de uma cadeia produtiva mínero-química. A exploração da base de recursos minerais, luta histórica do povo sergipano, teve impactos notáveis sobre o crescimento do PIB e do nível de renda.  

Do ponto de vista da expansão urbana, enquanto os anos setenta foram marcados pelo crescimento acelerado de Aracaju e da intensa migração do campo para os centros urbanos em todo o estado, os anos oitenta registram a metropolização da capital, incorporando os municípios de Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão à sua dinâmica de expansão. 

Pólo mínero-químico

Grandes projetos industriais nos segmentos de gás natural e fertilizantes, implantados pelo Sistema Petrobras, mudaram a face e a dinâmica da economia sergipana daí por diante. Previstos no âmbito do II Plano Nacional de Desenvolvimento (1974-1978) do Governo Geisel, como parte da estratégia para reduzir a forte dependência externa de insumos básicos, seguidos atrasos fizeram com que somente entrassem em operação na década seguinte. 

Em 1981, a Petrobras pôs em funcionamento a Unidade de Produção de Gás Natural (UPGN) no Terminal Marítimo de Carmópolis – TECARMO, na Atalaia.  O fornecimento de gás natural viabilizou, por sua vez, a implantação, em 1982, da Nitrofértil, , hoje Fafen, dedicada à produção de amônia e uréia.   

A implantação de um projeto com a dimensão e características da Nitrofértil causou fortes impactos em Sergipe que contava, até então, com uma base produtiva ainda relativamente acanhada, mesmo considerando a diversificação conhecida nos anos setenta. Para a instalação da unidade foi necessária a construção da adutora do São Francisco, a fim de equacionar a demanda de água do empreendimento, mas que passaria a suprir também as necessidades crescentes de Aracaju .  

A instalação da Nitrofértil também exigiu a ampliação da rede de energia elétrica e a revitalização da ferrovia de ligação com a Bahia, assim como foi fundamental para viabilizar a implantação, anos mais tarde, do Terminal Portuário Ignácio Barbosa, no município da Barra dos Coqueiros.

Em 1986, a então Petrobras Mineração S/A (Petromisa) finalmente começou a operar a unidade da mina Taquari- Vassouras de extração e beneficiamento da silvinita para a produção de potássio, projeto cuja implantação começara ainda em 1979. Com a produção comercial iniciada em 1987, Sergipe passava a contar, de fato, com a 1ª unidade de produção potássio do hemisfério sul e que permanece, até os dias de hoje, explorada sob contrato de leasing pela Vale, como a única planta de produção do nutriente instalada no Brasil. 

Urbanização

O crescimento populacional de Aracaju, acelerado nas décadas de sessenta e setenta, assume nova face nos anos oitenta, transbordando em direção aos municípios vizinhos. Depois de aumentar 61%, entre 1960 e 1970, e 60% nos anos setenta, a população da capital passa a se expandir em ritmo mais lento a partir da década de oitenta, enquanto o número de habitantes dos demais municípios da área metropolitana, em conjunto, mais do que dobrou entre 1980 e 1991 (ver Gráfico).

O grande destaque foi o município de Nossa Senhora do Socorro que, com a implantação dos conjuntos habitacionais, saltou de 13.688 habitantes, em 1980, para 67.574 habitantes no censo demográfico seguinte, em 1991. São Cristóvão, cuja população se mantivera praticamente estagnada nos anos sessenta e apresentara crescimento populacional de apenas 18% nos anos setenta, quase dobrou a sua população entre 1980 e 1991, passando de 24.134 habitantes para 45.558.

A implantação dos grandes projetos de exploração da base de recursos minerais concorreu para acentuar a concentração populacional em Aracaju e no seu entorno. Foi responsável também por atenuar os impactos locais da crise do endividamento externo da economia brasileira, mas, na segunda metade da década, o ciclo de transformação estrutura da economia sergipana é interrompido pelo agravamento da situação financeira nacional.

*Professor do Departamento de Economia da UFS e Assessor Econômico do Governo de Sergipe
Artigos anteriores estão postados em http://cenariosdesenvolvimento.blogspot.com/


Coluna Ricardo Lacerda
Com.: 0
Por Kleber Santos
Primeira « Anterior « 1 2 3 4 5 6 7 8 9 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos