17/06
20:00

Parlamentares debatem sobre pessoas desaparecidas

Na tarde desta segunda-feira, 17/6, a Câmara Municipal de Aracaju (CMA) foi palco de discussão sobre pessoas desaparecidas. A Sessão Especial foi de autoria do vereador Dr. Agnaldo (PR) e contou com a participação de diversos parlamentares, além de parentes de pessoas desaparecidas e setores da imprensa.

Para o autor da propositura, Dr. Aguinaldo, a Sessão foi pensada no sentido de diminuir a aflição de famílias que têm parentes desaparecidos. “Por causa dessa angustia, essa Casa não poderia ficar ausente, pois esse Parlamento sempre esteve ao lado do povo e em causas sociais”, disse.

O vereador Pastor Roberto Moraes (PR) parabenizou a iniciativa da propositura e ressaltou a importância de se manter a convivência familiar. “A dor por não encontrar um ente querido é grande, por isso, é importante somar forças com poder público e órgãos da imprensa para que os laços familiares possam ser reatados”, disse.  

Para o vereador Iran Barbosa (PT) esse é um tema com um forte apelo social. “Por isso quero manifestar minha solidariedade às famílias. Além disso, aqui, nessa Casa, foram tratadas as principais razões que acabam causando esses desaparecidos. Um deles é um convívio familiar que gera afastamento e por outra via, fatos relacionados à drogadição”, afirmou.  

De acordo com o vereador Emmanuel Nascimento (PT), o Parlamento Municipal já vinha trabalhando no sentido de ajudar famílias a encontrar seus entes. “Em 2010, a CMA aprovou Lei de minha autoria que determinava a criação do cadastro municipal de pessoas desaparecidas. Outra Lei de minha autoria aprovada em 2010, determinava a exibição de fotos de pessoas desaparecidas em correspondências emitidas pelo Executivo”, lembrou

A vereadora Lucimara Passos (PCdoB), afirmou que a dor da perda é algo indescritível. “Pensar em perder um parente é algo que, só de imaginar, me deixa aflita. Imagina uma mãe pensar que pode não ver mais um filho e imaginar o que aconteceu com ele?”, desabafou.

Opinião também compartilhada pela vereadora Emília Corrêa (DEM). “Não consigo imaginar perder alguém da minha família, se quer amigos. Não tem um sentimento maior do que o de perder alguém que tem uma relação de afetividade e amizade. A cada momento, quando desempenhamos a função de defensora pública que somos, nos deparamos com situações semelhantes e vejo nos olhos a angustia dessas pessoas”, frisou.

O presidente da CMA, Vinícius Porto (DEM) parabenizou o autor do requerimento e destacou a importância de se debater temas como esse. “Perder um ente e ficar procurando é um sentimento muito angustiante. A CMA não poderia deixar de participar dessa iniciativa, pois vai fazer com que outras famílias possam reencontrar seus entes”, destacou. (Da assessoria)

Foto: Andressa Barreto 



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
17/06
09:47

Um dia para as estrelas


A história do futebol é feita das realizações de grandes jogadores, muitos dos quais já tiveram o privilégio de brilhar no Maracanã. No dia em que jogou a sua 100ª partida pela Itália, Andrea Pirlo também abriu o marcador para o seu país contra o México com uma linda cobrança de falta no renovado estádio carioca. Mas não foi apenas o gol. Atuando recuado no centro do campo, Pirlo deu um show na armação e iniciou os principais ataques da Azzurra, ganhando de torcedores do mundo todo o título de craque do jogo.

No segundo confronto do dia, a Espanha voltou a demonstrar um futebol de toque de bola e movimentação para manter a invencibilidade em jogos contra o Uruguai. Na verdade, o país campeão da Copa América 2011 mal viu a cor da bola. Foi apenas no fim do jogo que Luis Suárez acertou um belo tiro livre para descontar e acabar com a boa sequência da defesa espanhola, que não tomava gol em um torneio internacional desde a estreia na Euro 2012, no dia 10 de junho do ano passado.

Resultados
Grupo A
México 1 x 2 Itália
Gols: Hernández (34/1ºT) - México; Pirlo (27/1ºT), Balotelli (33/2ºT) - Itália

Grupo B
Espanha 2 x 1 Uruguai
Gols: Pedro (20/1ºT), Soldado (32/1ºT) - Espanha; Suarez (43/2ºT) - Uruguai

O que está em jogo
Mesmo com a alegria da vitória sobre o México, os italianos não podem se esquecer do que aconteceu na última edição da Copa das Confederações da FIFA, quando derrotaram os EUA na estreia, mas perderam os dois jogos seguintes e voltaram para casa mais cedo. O México, por sua vez, perdeu uma invencibilidade de 12 jogos em partidas de competição. Para piorar, o próximo adversário é simplesmente o anfitrião Brasil, contra quem os mexicanos têm um histórico de 21 derrotas e apenas dez vitórias.

A Espanha enfrentará o azarão Taiti com tudo para dar a Vicente del Bosque a sua 62ª vitória em 73 jogos desde 2008. Já o Uruguai jogará todas as suas chances contra a Nigéria. A Celeste precisará mostrar um melhor futebol naquele que será o primeiro encontro entre as duas seleções.

O gol do dia
Andrea Pirlo (ITA)
No dia em que se tornou o quinto jogador (e o primeiro meio-campista) a chegar a cem jogos pela Azzurra, Pirlo coroou a ocasião com um belo gol. Após Gerardo Flores cometer falta em Mario Balotelli a 30 metros do gol, o jogador de 34 anos pegou a bola do companheiro de equipe e deu uma aula de como fazer uma cobrança ao acertar o ângulo. O goleiro José Corona até pulou, mas nem chegou perto. O escore final também manteve a notável estatística da seleção italiana de nunca ter perdido um jogo no qual Pirlo balançou as redes.

O número do dia
9 — Com o tento anotado contra o México, Mario Balotelli passou a ter uma quantidade de gols pela seleção italiana igual ao número da sua camisa. Outros três jogadores da Copa das Confederações da FIFA 2013 estão na mesma situação curiosa: Gerardo Torrado (seis gols pelo México), Aldo De Nigris (nove gols pelo México) e Diego Godin (três gols pelo Uruguai).

A frase do dia
"É muito difícil gerar qualquer tipo de perigo sem tocar na bola. A Espanha é a melhor do mundo e é candidata a ganhar a Copa do Mundo." Luis Suárez, atacante do Uruguai

E agora?
Após os dois jogos de hoje, a segunda-feira terá apenas um confronto: Nigéria e Taiti pelo Grupo B. Os nigerianos, que jogaram pelas eliminatórias na semana passada, só chegaram a Belo Horizonte na madrugada de domingo. Por sua vez, o Taiti foi a primeira seleção a chegar ao Brasil.


Coluna Afonso Nascimento
Com.: 0
Por Kleber Santos
17/06
09:46

Espanha ganha do Uruguai com apoio da torcida

Boa parte do público presente na Arena Pernambucano até queria torcer a favor do Uruguai. Mas essa predisposição não durou muito. Já na metade do primeiro tempo, eles haviam mudado de lado, encantados com o futebol dos campeões mundiais. 

Foi deste jeito, então: primeiro a Espanha conquistou a torcida recifense. Depois, tratou de vencer a Celeste por 2 a 1, para abrir com firmeza sua campanha na Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013. Um placar que não contou a história do duelo. 

A Fúria foi a campo neste domingo disposta a sublinhar todo o seu discurso da fase de preparação: eles vieram para conquistar o único título que lhe falta em uma coleção que se engrandeceu consideravelmente nos últimos anos.

Campeões mundiais e bicampeões europeus, os espanhóis dominaram os uruguaios desde o primeiro minuto de partida. Com a velha fórmula de sempre: muita posse de bola, com destreza impressionante na troca de passes, e homens de frente velozes e combativos para abafar a defesa adversária. E a receita ainda é extremamente produtiva.

A constante movimentação e o entrosamento entre os homens de Vicente Del Bosque também foi evidente. Se Andrés Iniesta e Xavi fazem o time girar, as peças complementares também têm seu valor. E fica difícil de se marcar.

Isso ficou ainda mais claro no segundo gol da Espanha. Quando Cesc Fabregas carregou a bola com tranquilidade impressionante pela intermediária e ainda encontrou um Roberto Soldado ainda mais livre na área. O centroavante dominou e fuzilou. Antes, o jovem Pedro havia aberto o placar com um voleio de fora área, no qual contou com um desvio de Diego Lugano para bater Fernando Muslera.

Esse gol de Pedro talvez tenha sido um lance de acaso. Mas, pelo volume de jogo da seleção ibérica, parecia questão de tempo até que a contagem fosse iniciada. Contagem que foi encerrada nof inalzinho em cobrança de falta perfeita de Luis Suarez no finalzinho, para descontar o placar e deixando uma leve tensão no ar. Mas o Uruguai não teve muita chance, e não havia torcida que mudasse isso.


Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
17/06
09:44

Itália bate o México por 2 a 1

Em seu retorno a um domingo de jogo oficial – o primeiro desde que foi reformado –, o Maracanã não pode reclamar de falta de craques. Nem que esses não tenham sido decisivos. As 72 mil pessoas que assistiram à segunda partida do Grupo A da Copa das Confederações da FIFA estiveram diante de um belo jogo, que foi decidido sobretudo graças ao habitual talento de dois jogadores: Andrea Pirlo e Mario Balotelli. 

Cada um deles marcou um gol da maneira que mais sabe – Pirlo, de falta, Balotelli, batalhando na área – para liderar a Itália na vitória por 2 a 1 sobre o México, cujo gol veio num pênalti cobrado por Javier “Chicharito” Hernández. A vitória valeu aos italianos os três primeiros pontos na chave, que tem sequência na quarta-feira, quando os mexicanos enfrentam o Brasil em Fortaleza, e a Azzurra, o Japão em Recife. 

Ser ídolo em todo lugar
Não demorou para que Mario Balotelli justificasse o porquê de tanta ansiedade a respeito de sua escalação como titular ou não, após ter sofrido uma lesão. Em 15 minutos de jogo, o atacante do Milan já havia chutado quatro vezes a gol, em duas delas obrigando o goleiro José Corona a duas boas defesas.

Mas o gol italiano não viria desse jeito típico, mas de outro. Tão típico que a torcida – ou pelo menos a grande parte de brasileiros que se dividia entre os dois times – já antecipava. Aos 27 minutos, quando foi marcada a falta a 30 metros do gol de José Corona, o Maracanã quase todo já gritava: “Pirlo! Pirlo!”. Foi premonitório. Golaço no ângulo direito do meia da Juventus – que celebrou seu 100° jogo pela seleção.

No início, os mexicanos já haviam levado perigo quando Andrés Guardado invadiu a área e acertou o travessão, mas a reação autêntica veio, sobretudo, por uma falha: Andrea Barzagli se atrapalhou ao dominar uma bola, permitiu que Jesús Zavala lhe roubasse a bola e não teve outra opção senão derrubá-lo. Pênalti que Javier “Chicharito” Hernández converteu aos 34.

O segundo tempo esfriou bastante, e a impressão era de que as duas equipes caminhavam quase automaticamente para aceitar um empate, até que apareceu a outra carta na manga italiana. Não a precisão de Pirlo, mas a força de Balotelli, um verdadeiro inferno para os defensores. Aos 33, um passe aparentemente despretensioso, pelo alto, de Emanuele Giaccherini poderia perfeitamente ter sido dominado pela defesa do México. Mas o camisa 9 brigou, tomou a frente de Francisco Rodríguez e tocou na saída de Corona. Como Pirlo, também ele foi aplaudido e teve seu nome gritado pelos torcedores quando foi substituído. Muita coisa mudou no Maracanã, mas essa permanece a mesma: seu torcedor sabe quanto vê diante de si um craque em ação.


Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
16/06
14:15

Vídeo: Boletim da Copa das Confederações (Sábado)

 

Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
16/06
13:56

As perspectivas da economia mundial

Ricardo Lacerda

O Banco Mundial publicou na semana passada o relatório Perspectivas da Economia Global: menos volátil, mas com crescimento mais lento (edição de junho de 2013). O subtítulo sintetiza a mensagem que a instituição pretende passar para governos e mercados. É legítimo interpretar que a menção à menor volatilidade apenas atenua o fato substantivo de que foi feita uma revisão para baixo do crescimento do PIB mundial em 2013 e de que a economia da zona do euro vai continuar imersa na crise nos próximos trimestres. 

Em entrevista concedida ao portal La Presse (http://www.youtube.com/watch?v=nquwp4CHuXA&feature=share), o economista sergipano Otaviano Canuto, vice-presidente do Banco Mundial, comentou que se, de um lado, reduziram-se os riscos mais agudos de crise na zona do euro, de outro as perspectivas de retomada do crescimento econômico e de redução das taxas de desemprego na região permanecerão rebaixadas nos próximos dois anos. Em relação ao crescimento dos países em desenvolvimento, em conjunto, o economista sentenciou que se estabeleceu um ‘novo normal’ em que as economias desses países não deverão voltar a experimentar, nos próximos anos, taxas de expansão semelhantes às do período pré-crise.

Projeções

Apesar da revisão para baixo em relação à edição do início de 2013, o relatório confirma a percepção de que a economia mundial encontra-se em um processo de aceleração das taxas de crescimento trimestral, mesmo que lenta e gradual e em ritmo muito disperso em termos geográficos. Depois de rever de 2,4% para 2,2% a estimativa de crescimento do PIB mundial para 2013, projeta-se expansão de 3,0%, para 2014, e de 3,3% para 2015. 

Para os países de alta renda, a previsão é de crescimento muito lento em 2013, apenas 1,2%, com a zona do euro marcando o segundo ano de retração do nível de atividade para o conjunto da área (ver Gráfico). A Grécia vai enfrentar o quinto ano de queda no nível de atividade e ao final de 2013 o seu PIB terá despencado quase ¼ em relação ao de 2007. Portugal e Espanha terão enfrentado quatro retrações em cinco anos. O Brasil, em seus momentos mais difíceis, nos anos oitenta e noventa, não enfrentou um desmonte econômico dessa magnitude. A projeção para a zona do euro em 2014 é de crescimento inferior a 1%, e para 2015, de apenas 1,5%, o que bem dimensiona o pessimismo em relação às possibilidades da região deixar para trás o período de crise.  

A projeção para a economia americana é de crescimento moderado, mas em uma trajetória sustentada, com taxas de 2,0 %, em 2013, 2,8%, em 2014 e 3,0 em 2015. O Japão deve confirmar em 2013 a recuperação modesta iniciada em 2012, mas sem perspectiva de aceleração de maior vulto nos próximos anos.

Em desenvolvimento

Para os países ditos em desenvolvimento, o relatório estima crescimento de 5,1% em 2013, com variações amplas entre os países. Para o Brasil, projeta uma trajetória de crescimento sustentado, ainda que sem repetir as taxas exuberantes do período 2004-2008. Estima um crescimento de 2,9%, em 2013, com projeção de 4% em 2014 e 3,8%, em 2015, resultados muito próximos aos previstos para o México (ver Gráfico). A China deverá crescer 7,7% em 2013, menos do que previsto anteriormente, resultado próximo ao de 2012, com projeção de 8% e 7,9% em 2014 e 2015, respectivamente.

O relatório busca também avaliar os impactos nas economias em desenvolvimento do rápido declínio dos preços das commodities e da reversão progressiva da política da facilitação quatitativa, como foi acenado pelo banco central americano. O recuo dos preços das commodities tem atingido especialmente as perspectivas de desenvolvimento dos países da África Subsaariana, cujas economias são fortemente dependentes da cotação de metais, mas tem potencial negativo também sobre a economia Brasil e de outros países da América Latina. 

O fim do ciclo de expansão monetária dos bancos centrais dos países ricos vai afetar as condições de liquidez no mercado mundial com efeitos sobre o custo de capital nos países emergentes, podendo impactar negativamente o nível dos investimentos e o endividamento de governos e empresas.  

Para o Brasil, frente a esse cenário externo marcado pelo elevado grau de incerteza, recuperar taxas médias anuais de crescimento em torno de 3,5 % será um bom feito. 

*Professor do Departamento de Economia da UFS e Assessor Econômico do Governo de Sergipe
Artigos anteriores estão postados em http://cenariosdesenvolvimento.blogspot.com/


Coluna Ricardo Lacerda
Com.: 0
Por Kleber Santos
16/06
13:22

Brasil vence e convence

O sonho começa agora. Essa foi a mensagem da cerimônia de abertura da Copa das Confederações da FIFA. E o dia serviu para mostrar que de fato o Brasil está no caminho certo dentro e fora de campo (Foto: Jorge Henrique / Jornal da Cidade)

Antes do jogo, o público de 67.423 torcedores no renovado Estádio Nacional de Brasília testemunhou uma colorida cerimônia de abertura que não apenas recebeu as outras sete seleções concorrentes, como também reconheceu o Brasil como um país onde diversas culturas se uniram ao longo dos séculos. A simetria das 2,6 mil pessoas que participaram da cerimônia foi refletida na marcação dos gols da partida: os dois primeiros vieram aos três minutos de cada tempo; o último, de Jô, no terceiro minuto dos acréscimos.

Resultados
Grupo A
Brasil 3 x 0 Japão (Neymar 3/1ºT, Paulinho 3/2ºT, Jô 48/2ºT)

O que está em jogo
Foi com enorme sucesso que o Brasil retornou a uma competição após quase dois anos. A Seleção igualou o recorde de oito vitórias seguidas na Copa das Confederações da FIFA e acumula agora nove partidas consecutivas sem derrotas pelo torneio. No entanto, o próximo compromisso, na quarta-feira, será justamente contra o último adversário que o bateu: o México, que saiu vitorioso do confronto em 2005.

O Japão, primeira seleção classificada em campo para a Copa do Mundo da FIFA 2014, decepcionou com o resultado e com o seu desempenho, raramente levando perigo ao goleiro brasileiro Júlio César. Os nipônicos precisarão melhorar diante da Itália, em Recife, na próxima rodada do Grupo A.

O gol do dia
Neymar (BRA)
O terceiro gol mais rápido da história da Copa das Confederações da FIFA e que mais cedo ocorreu em um jogo de abertura foi anotado logo aos três minutos. Marcelo cruzou da esquerda para Fred, que ajeitou de peito para a finalização de Neymar. O mais novo contratado do Barcelona deixou a bola quicar uma vez antes de arrematar com imensa categoria de pé direito, sem chances para o goleiro Eiji Kawashima, acertando o ângulo. Tinha de ser dele.

O número do dia
20 — O Brasil nunca perdeu um jogo de Copa das Confederações da FIFA no qual ele próprio abriu o placar. Depois do jogo de hoje, já são 18 vitórias nesses encontros, contra dois empates. Outra curiosidade sobre a partida de hoje é que Paulinho e Neymar também fizeram gols no último encontro até então realizado entre as duas seleções: vitória brasileira por 4 a 0 em um amistoso ocorrido em outubro de 2012.

A frase do dia
“Nunca deixei de dizer que o Neymar é um jogador incrível. Ele pode ter momentos em que não está na sua melhor fase, o que acontece com qualquer um, mas eu nunca duvidei de que ele pode ser alguém capaz de fazer a diferença, como fez hoje". Luiz Felipe Scolari, técnico do Brasil


Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
16/06
13:16

O instante de Neymar

Neymar comemora a abertura do placar, aos 3 minutos do primeiro tempo, na vitória brasileira (Foto: Jorge Henrique / Jornal da Cidade)
Foi aquele tipo de lance em que o estádio todo parece congelar por um momento. Marcelo levanta a bola da esquerda e Fred a ajeita com o peito. Neymar vem de trás e, de fora da área, acerta um chute forte de sem-pulo, com o corpo levemente inclinado para a esquerda. Será que ela vai entrar?

“No momento em que se bate na bola, você sente quando pega bem ou não”, afirmou o atacante, que é o novíssimo e aguardado reforço do Barcelona. “Na hora eu senti que tinha batido bem. Aí fui acompanhando para ver se a bola ia entrar mesmo. Entrou.”

Bem, Neymar estava em posição privilegiada para assistir ao gol: como o protagonista da jogada, pôde ver toda a sua trajetória. Um disparo preciso em direção ao ângulo esquerdo de Eiji Kawashima, que não teve como fazer muita coisa. E quanto a outras testemunhas envolvidas no lance?

Fred, lembremos, foi o autor do passe, com aquela matada no peito que só deixou o lance mais bonito. Ele estava de frente para Neymar e de costas para a trave. Por sorte, seu instinto de matador não deixou que ele perdesse o desfecho. Ele girou rapidamente em direção ao gol, para a eventualidade de alguma sobra.

Do ponto de vista pessoal, Neymar vinha de uma incomum sequência de nove partidas sem balançar as redes. Algo que, jura, não o incomodava tanto assim, mas causava estranhamento em torcedores e jornalistas. Durante esse período, o atacante procurou enfatizar em suas entrevistas que não havia relevância alguma no fato, de que o que contava, mesmo, era o resultado positivo e que ele estava cumprindo seu papel em campo. Algo que Luiz Felipe Scolari corroborava - de que não havia incômodo nenhum com a situação.

De todo modo, o jogador voltou a comemorar um de seus gols ­– e, além disso, levantou a torcida em muitas jogadas individuais, encantando com seu controle de bola. Aliviado, então? “Foi maravilhoso, um dia especial, no qual a equipe se comportou muito bem, fez uma ótima partida, e a torcida esteve conosco até o final. Só continuo falando que o mais importante não é quem faz o gol, mas, sim, quem contribui para a Seleção Brasileira”, disse. “Mas fiquei muito feliz, claro, por ter feito um belo gol e ajudado a Seleção.”

Um belo gol mesmo; especial. O estádio todo parou por uma fração de segundo. Mas dificilmente os mais de 67 mil espectadores presentes ao Estádio Nacional Mané Garrincha, todos eles testemunhas, tal como Fred e Yoshida, vão perder este instante de suas memórias.


Copa das Confederações 2013
Com.: 0
Por Kleber Santos
Primeira « Anterior « 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos