16/06
21:12

Memórias de Copas do Mundo

Luciano Oliveira - Professor aposentado da UFPE

 

Chego a mais uma Copa do Mundo na minha vida. A primeira foi no longínquo ano de 1962, em Itabaiana, interior de Sergipe. Brasil bicampeão mundial de futebol. Dela, tenho apenas lembranças muito vagas. Era um menino, e como lá em casa papai não tinha o menor interesse pelo assunto, tudo o que lembro resume-se a um bando de torcedores (feito um “bloco de sujos”) bebendo e soltando fogos na calçada de um armarinho que ficava em frente da “Farmácia de Oliveirinha” – meu pai – onde, naquele tempo, dava expediente nos horários em que não tinha escola. Um rádio instalado do lado de fora do armarinho transmitia não sei que partida. Foi também pelo rádio, na casa de uns e outros, que escutei, no meio dos chiados das “ondas médias, curtas e frequência modulada” da época, a decepção de 1966, na Inglaterra, onde o Brasil chegou como favorito e voltou com o rabo entre as pernas, eliminado já na primeira fase da competição pela seleção portuguesa, a sensação daquela Copa. Depois veio a apoteose de 1970, no México. Era a época da repressão barra-pesada aos grupos (armados ou não) de esquerda, sob a presidência de Médici, e os opositores ao regime se sentiam embaraçados ante o dilema de torcer ou não pela Seleção, cuja vitória seria (como foi) capitalizada pela ditadura militar. “Ninguém segura esse país!”, havia dito o presidente – e realmente ninguém segurou a Canarinho. A defesa era meio fraquinha, mas do meio de campo pra frente (Clodoaldo, Gerson, Rivelino, Jairzinho, Tostão e Pelé) a seleção brasileira foi o que muitos consideram o melhor time de futebol que já se formou no mundo.

Até onde dou crédito à minha memória, confesso que não me lembro de ter sido presa desse dilema. Eu era ainda um secundarista e torcia pelo Brasil. Era só isso. Morava em Aracaju e, embora a televisão já tivesse chegado por lá, Sergipe ainda não tinha sido integrado pela Embratel à Rede Globo. Tudo o que tínhamos era uma torre retransmissora que captava, disputando com o que chamávamos de “chuva de arroz”, as imagens geradas em Recife pela TV Jornal do Comércio. Em Aracaju, no começo dos anos 70, a “chuva”, estava para o visual assim como o “chiado” estava para o áudio em Itabaiana no começo dos anos 60. Uma emissora local, se bem me lembro, retransmitia, sem “chiado”, a transmissão da Rádio Globo, onde Waldir Amaral e Jorge Cury se alternavam na transmissão do jogo, um irradiando o primeiro tempo, e o outro, o segundo. Aí, a gente ligava a televisão, mas tirava o som, e ligava também o rádio. E assim não lembro direito o que “vi”, pois as lembranças daquela tarde de junho de 1970, um domingo, embaralham-se com o que – aí sim! – vi alguns dias depois da Copa: um especial do inesquecívelCanal 100com os melhores momentos de todas as partidas, exibido nos cinemas. Brasil tricampeão mundial de futebol. Uma lembrança curiosa: na noite daquele domingo, com a cidade toda em festa, fomos eu, meu irmão e um amigo ao Cine Palace de Aracaju, onde assisti pela primeira vez a My Fair Lady. Era junho e chovia. Que me lembre, no cinema só havia nós três perto da tela e, lá atrás, um casal de namorados – provavelmente pouco interessados no que se passava na casa do professor Higgins, tirânico e misógino, enfiando um inglês de Shakespeare à iletrada Eliza Doolittle!

Fazendo as contas, vou para a minha décima-quinta Copa do Mundo. Olhando ao redor, a minha impressão é a de que o evento não desperta mais o interesse que já teve entre nós. Talvez não seja só impressão. Afinal, algumas semanas atrás, a imprensa divulgou uma pesquisa mostrando que 41% dos brasileiros não se interessam por futebol. E isso às vésperas de uma Copa. Como a mesma pesquisa informa que o percentual já foi muito menor, deduzo que muitos dos indiferentes de hoje já se interessaram um dia. Penso no meu caso. Já de algum tempo venho perdendo o afeto que sempre tive pela seleção. Lembro que em 2002 ainda vibrei muito com o time – sobretudo com Rivaldo, para mim o seu maior jogador. Mas, seguidamente, as decepções de 2006 e 2010 nem de longe se compararam à desolação que senti com a derrota daquele time sensacional de 1982. Em 2014, terminei de ver aquela acachapante humilhação de 7 a 1 imposta pela seleção alemã aos risos. Claro que aquilo foi risível, mas acho que não foi só isso. Quando, não faz muito tempo, a Canarinho ganhou dos alemães na casa deles por 1 a 0, nem cheguei a vibrar com o gol do Brasil (segundo uma brincadeira dos jornalistas alemães, agora o placar está 7 a 2…). A que será que devo essa quase indiferença?

Uma Copa do Mundo, hoje em dia, não é mais um campeonato entre seleções dos países e suas diferentes escolas de futebol, mas praticamente um torneio que reúne os melhores jogadores do mundo que jogam em times europeus! Antigamente, nossos craques, jogando aqui, de quatro em quatro anos se preparavam para ir jogar contra aqueles branquelos alemães e ingleses que jogavam lá. (Um amigo meu me advertiu de que havia um racismo [ainda que às avessas] embutido na minha fala, quando lhe disse que bom mesmo era o tempo em que nossos mulatos iam para a Suécia e davam um banho naqueles loiríssimos arianos… Será?) Nesse caso, a “culpa” é da globalização. E da mercantilização sem limites das relações que se dão nesse novo espaço mundial. Nas relações esportivas, onde o público consumidor, via TV, se conta por milhões (pensem num jogo Real Madrid X Barcelona), quiça bilhões (pensem numa final de Copa), as cifras envolvidas são astronômicas. As tentações, também. Um jogador fora de série como Neymar, por exemplo, vive tendo de explicar junto ao fisco espanhol, mas também brasileiro, “jogadas” típicas de sonegador milionário. Dir-se-á: “Ah… mas é todo mundo! Messi também andou encalacrado lá na Espanha”. Ok, tudo bem. Eu responderei que: a) Messi não é brasileiro, e nunca torci pela seleção argentina – assim, seu caso não me compete; b) sonegador ou não, Messi não é um boçal como nosso Neymar – e tenho dificuldades em torcer por boçais mimados por gente como Galvão Bueno… (Aliás, até dizem que Messi é autista. Se for, que bom!) Mas o diabo é que Neymar – independentemente da empresa chamada Neymar Jr.– joga bem pra caralho! Este artigo já estava quase pronto quando, no sábado da semana retrasada (02/06), assisti ao amistoso Brasil X Croácia, preparativo para a Copa. Neymar, depois de uma cirurgia no pé e de três meses no estaleiro, entra no segundo tempo e faz um gol de craque. Quando é ontem, domingo (10/06), último jogo preparativo: Brasil X Áustria. Neymar, que dessa vez atuou quase o jogo inteiro, faz outro gol mágico! Parodiando Zagallo, acho que vou ter de engoli-lo…

Repetindo-me: chego a mais uma Copa do Mundo na minha vida. De 1962 a 2018 (até me assusto!), são cinquenta e seis anos de existência… De lá pra cá já vi tanta coisa! Nunca fui daqueles torcedores de bandeirinha no carro, e não sou um patriota no sentido babaca do termo. Quando o Sargentão Dunga dizia que quem não torcia pela seleção não amava o Brasil, eu fazia um esforço danado para continuar torcendo pela Canarinho. É mais ou menos assim que estou me sentindo nesta véspera de Copa. Não sei qual será meu sentimento quando o juiz apitar o início do jogo do Brasil contra a Suíça domingo próximo – depois de depois de amanhã. Mas, sinceramente, estou torcendo para me emocionar pela décima quinta vez na minha vida.

***

Nílton Santos era lateral esquerdo do Botafogo e da seleção, campeão mundial em 1958, na Suécia, e bicampeão no Chile. Era apelidado de “A Enciclopédia”, porque se dizia que sabia tudo de futebol. Foi uma criatura amável. Dizia que se considerava um sortudo, porque fazia na vida aquilo de que mais gostava: jogar futebol – e ainda lhe pagavam para isso! Da minha infância pra cá, o mundo mudou.



Colunas
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
15/06
22:24

Lagarto: MP pede afastamento de prefeito e dois secretários

O  promotor de Justiça Belarmino Alves dos Anjos Neto, representante do Ministério Público de Sergipe em Lagarto,  ingressou em juízo com uma  Ação Civil Pública solicitando o afastamento de  Valmir Monteiro (Madeireira) do cargo de prefeito do município.

Na ação, Valmir Monteiro é acusado de ter entregue o Matadouro Municipal de Lagarto à pessoa de Eronildes Almeida de Carvalho, seu amigo de longas datas e correligionário político, a fim de que este o explorasse em benefício próprio.

O promotor requereu também o afastamento imediato dos secretários Anderson Souza de Andrade, de Finanças, e Floriano Santos Fonseca, de Administração, além do administrador do Matadouro, Eronildes Almeida de Carvalho.



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
14/06
10:08

Eleições 2018 - João Tarantela acredita que escapa da inelegibilidade

O pré-candidato do PSL ao Governo de Sergipe, João Tarantela, informou ao blog que acredita que a sua pendência junto à Justiça Eleitoral, que o torna inelegível, será resolvida logo em breve. O problema foi detectado pelo TRE/SE. Tarantela teria abastecido um carro na campanha eleitoral de 2014 com dinheiro de sua empresa.  Teria a obrigatoriedade de o fazer com recursos de campanha.


Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
14/06
09:56

Cesta básica de Aracaju chegou aos R$349,29, em maio

O valor da cesta básica de Aracaju (SE) ficou em R$349,29, em maio de 2018, o quinto menor entre as capitais pesquisadas. Na comparação com o mês anterior (abril/2018), a cesta básica aracajuana registrou elevação de 2%.  A informação foi divulgada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE)

 

O aumento dos preços não atingiu apenas Aracaju. As outras capitais pesquisadas também registraram elevação nos valores das suas cestas básicas, em igual período de comparação, as únicas exceções foram Belo Horizonte e Manaus, que apresentaram reduções de 0,39% e 0,82%, respectivamente. Entre as maiores altas estão as registradas em Campo Grande (5,22%) e Florianópolis (3,49%).

 

O menor valor da cesta básica, no mês de maio de 2018, foi observado em Salvador (R$327,56). Já os maiores valores foram registrados no Rio de Janeiro (R$446,03), Florianópolis (R$441,62) e São Paulo (R$441,16).

 

Na comparação anual (maio/2017), apenas duas capitais registraram elevação no valor da cesta básica, foram elas: Rio de Janeiro (0,78%) e Campo Grande (0,77%). Em Aracaju houve retração de 5,85% no valor da cesta básica, e entre as demais capitais pesquisadas, as retrações mais expressivas ocorreram em Recife (-11,3%) e Goiânia (-7,2%), todas as variações são em termos absolutos, ou seja, sem considerar o efeito da inflação no período.



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
14/06
09:46

O grande timoneiro do MDB sergipano

Afonso Nascimento - Professor de Direito da UFS

 

Recentemente falecido, José Carlos Mesquita Teixeira nasceu em Aracaju na segunda metade dos anos 1930 do século passado, mas foi registrado como natural de Itabaiana, terra de sua mãe e de seu pai. Sua mãe tinha o segundo grau e tocava piano, enquanto seu pai não conseguiu concluir o primário e foi mais um exemplo do self-made man da cidade serrana. Oviedo Teixeira foi um novo rico, muito rico integrante da burguesia comercial sergipana.

Enquanto criança e adolescente José Carlos Teixeira frequentou algumas das melhores escolas sergipanas e uma escola de elite de Salvador, o Colégio Marista. Voltou a Aracaju porque não se adaptou às regras da escola, à sua comida e ao fato de os diretores dessa tradicional instituição baiana não permitir que ele fizesse uso de seu piano. Em solo sergipano, concluiu o curso de técnico em Contabilidade. Bem mais tarde, ele fez curso superior em Ciências Contábeis e  sua esposa estudou Pedagogia em Brasília.

José Carlos Teixeira foi um amante da música clássica, a música dos grandes mestres. Naturalmente, esse gosto veio da parte de sua mãe, pois o seu pai sempre foi um comerciante desde criança. Não tinha capital cultural desse tipo para lhe passar, mas lhe permitiu nascer como um menino rico. Aprendeu a tocar piano com sua mãe e com outros professores de Aracaju. Era elitista e não gostava de música popular. A sua paixão pela música clássica e pelas artes em geral fez dele um político diferente da maioria da classe política brasileira.

Foi um empresário ligado ao comércio de automóveis, segundo documento oficial da Câmara de Deputados. Em Brasília, tinha uma empresa gráfica que trabalhava para o Senado. Em razão disso, ocupou cargo importante no Sindicato das Indústrias Gráficas e foi diretor da Federação das Indústrias Gráficas de Brasília de 1974 a 1982. Todavia, a seu  principal métier foi o de político profissional.

O seu interesse pela política veio de sua família. Seu pai gostava de política. O tio de seu pai, Antônio Oviedo Sobrinho, fez política em Itabaiana até os anos 1930. O seu tio Silva foi prefeito de Itabaiana e deputado estadual com vários mandatos e presidente da Assembleia Legislativa. Assim, nada mais natural que se envolvesse na política. Em sua trajetória, foi deputado federal por quatro vezes e pertenceu ao conservador PSD, depois ao MDB durante o regime e, por fim, ao PMDB. Ainda na política, foi prefeito biônico de Aracaju por sete meses, nomeado pelo político dos militares João Alves Filho, de quem também foi vice-governador. Ocupou outros postos políticos por indicação política como secretário de Estado da Cultura de João Alves Filho, a direção de captação da Caixa Econômica Federal e participou de diversos conselhos.

Nunca foi um político de esquerda,  nem de centro esquerda, mas um liberal de boa linhagem. Enquanto político nunca foi incluído por ninguém  na lista dos “autênticos” do MDB. O seu trabalho mais importante como político foi, a partir de 1966, fundar e presidir o MDB durante o regime militar sempre de forma firme e equilibrada e fez o mesmo com o PMDB  em 1979. O MDB sergipano era uma frente heterogênea composta por alguns políticos de esquerda ligados ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), alguns liberais e uma porção deles que poderiam estar bem à vontade na ARENA, o partido da ditadura militar. Ulysses Guimarães foi uma espécie de José Carlos Teixeira sergipano para o Brasil. Foi o seu grande timoneiro.

Com o golpe militar de 1964, muitos sergipanos foram presos, no meio dos quais estavam comunistas e não-comunistas. Ele se lembra dos seguintes presos nas visitas de solidariedade que fez à "colina": Alencarzinho, Vianna de Assis, os dois irmãos Maia de Propriá, Chico Varela, etc. A maioria dos presos por ele identificada fazia parte da cúpula do PCB em Sergipe.

De acordo com ele, muita gente foi presa injustamente. Entre as razões para isso, ele cita “problemas de ordem pessoal, despeito, mediocridade”. A duração das prisões no 28 BC variava dependendo do caso. Alguns ficavam poucos dias e em seguida eram libertados, enquanto outros lá permaneciam por mais tempo. José Carlos Teixeira ia visitar esses presos políticos ou na sexta-feira ou na segunda-feira. Nessa época era deputado federal pelo PSD. Para José Carlos Teixeira, as prisões de 1976 foram mais duras, ocasião em que, por conta de torturas, o militante comunista Milton Coelho perdeu a visão.

Segundo José Carlos Teixeira, as prisões de 1976 se deveram ao fato de pessoas tentarem reorganizar a sociedade depois do fracasso da luta armada e fazerem isso na clandestinidade. Essas pessoas pareciam ignorar que Sergipe era uma “terra de muro baixo, (onde) todo o mundo sabe quem é quem, o que faz e o que não faz”. O grande timoneiro do MDB é sempre lembrado por ter feito discurso na Câmara de Deputados denunciando tais prisões e torturas encabeçadas por militares da "linha dura" que não queriam o fim da ditadura.

Não terminaremos este pequeno texto sem destacar o importante papel de José Carlos Teixeira enquanto membro e presidente da Sociedade de Cultura Artística de Sergipe (SCAS). Essa instituição sem fins lucrativos tinha sido fundada pelo antropólogo Felte Bezerra e era dedicada à promoção das artes e da cultura em geral, numa sociedade que era um deserto cultural. Somente o trabalho desse homem de cultura à frente da SCAS merece um artigo em separado para registrar os seus esforços pessoais enquanto promotor cultural, juntamente com outras figuras como Bonifácio Fortes, Alberto Carvalho, Ivan Valença, Djaldino Mota Moreno, José Silvério Leite Fontes, entre outros. Além da SCAS, José Carlos Teixeira também foi fundador da Aliança Francesa de Aracaju.

__

 

Texto construído a partir de entrevista inédita José Carlos Teixeira concedida em 2002 ao vice-reitor da Universidade Federal de Alagoas, José Vieira da Cruz, que gentilmente nos permitiu acessá-la. 

Coluna Afonso Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
12/06
19:51

“A imprensa me boicota”, afirma João Tarantela

“Esses pré-candidatos que estão aí são todos macacos velhos. O novo nesse processo de disputa deste ano sou eu. O senador Valadares já está ultrapassado e agora quer inventar o filho, Eduardo Amorim e André Moura são velhos e desgastados, assim como Heleno Silva, Belivaldo Chagas, Jackson Barreto, José Carlos Machado e companhia limitada. A imprensa precisa me ouvir. Eu sou o novo e tenho propostas para Sergipe. Mas sinto que sou boicotado por jornalistas de impressos, rádio, televisão, blogs e sites. Há preconceitos e usam isso para me boicotarem”. O desabafo é do pré-candidato do PSL ao Governo de Sergipe, que disse ainda que o sentiu muito isso na visita do pré-presidenciável Jair Bolsanaro, no final da semana passada, a Aracaju. “Bolsonaro também foi discriminado. Ele também quer falar, expor suas propostas”, lamentou.



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
12/06
18:31

Pastor Virgínio Carvalho é cotado para assumir a Adema

O pastor Virgínio Carvalho, presidente da Assembleia de Deus em Sergipe, é o nome mais cotado para assumir a Presidência da Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema). Ele já teria sido consultado e dado a entender que poderia assumir o cargo  dentro de no mais tardar uma semana. O atual secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Olivier Chagas, vem respondendo pelo comando da Adema desde que Francisco Dantas foi afastado do cargo.

Virgínio foi eleito em 2006 suplente da senadora Maria do Carmo Alves (DEM) e assumiu o cargo de senador  quando ela se licenciou por problemas de saúde, em março de 2008. Em outubro de 2016, após nova licença da titular Maria do Carmo e do primeiro suplente Ricardo Franco, assumiu o mandato para o exercício no Senado Federal. 



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
11/06
20:42

Porto da Folha - Igreja destrói painel feito por religioso

Teve início às 9h e terminou pouco depois do meio dia o trabalho de destruição de um painel da igreja Nossa Senhora da Conceição, a matriz de Porto da Folha, município a 190 km de Aracaju. O painel foi feito no início da década de 1970, pelo frei Juvenal,  e foi instalado no altar mor. Ele retrava cenários e manifestações culturais populares do povo de Porto da Folha. O trabalho de destruição terminou por volta do meio dia. O ato desrespeita decisões do Conselho Estadual de Cultura e desagradou a centenas de moradores que defendia a preservação do painel.



Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
Primeira « Anterior « 1 2 3 4 5 6 7 8 9 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos