06/06
16:38

Retorno do Centro de Distribuição do G Barbosa para Sergipe é garantido pelo Governo do Estado

O retorno do centro de distribuição foi graças à assinatura de Termo de Acordo de adoção de Regime Especial de Tributação do ICMS, do Estado com a Empresa Cencosud, que administra o Grupo Barbosa

O governador Belivaldo Chagas assinou, nesta quinta-feira(06), na Secretária de Estado da Fazenda (Sefaz), Termo de Acordo de adoção de Regime Especial de Tributação do ICMS, com a Empresa Cencosud, que administra o Grupo G Barbosa. O termo possibilita o retorno, após alguns anos, do Centro de Distribuição do G. Barbosa para Sergipe.

Participaram da reunião o presidente do Grupo Cencosud, Sebastian Los; o novo secretário da Fazenda, Marco Antonio Queiroz; o secretário de Comunicação, Sales Neto; a superintendente Executiva da Sefaz, Ana Cristina Prado; e a superintendente de Gestão Tributária e Não Tributária da Sefaz, Silvana Maria Lisboa Lima.

O Termo de Adoção de Regime Especial de Tributação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no âmbito do Estado de Sergipe, está em conformidade à Portaria Sefaz n° 447/214. Por meio do Termo de Acordo, o governo do Estado formaliza a ampliação da parceria com a empresa no desenvolvimento econômico estadual, oferecendo condições para expansão de suas atividades em Sergipe, o que proporciona a intensificação das operações de venda de mercadorias ao comércio interno e interestadual. O termo possibilita a retomada das atividades anteriormente deslocadas para unidades da empresa em outros Estados, ampliação da operacionalização do Centro de Distribuição em Sergipe e a geração de novas parcerias com empresas fornecedoras de equipamentos e prestadoras de serviços, como transportadoras.

Fonte: ASN
Foto: Marco Vieira/ASN


Economia
Com.: 0
Por Redação
06/06
14:21

Produção de veículos tem alta de 29,9% em maio

Presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, ponderou que o crescimento expressivo no mês acontece devido à comparação com um mês ruim para a indústria, que foi prejudicado pela greve dos caminhoneiros, em maio do ano passado

A produção de veículos teve alta de 29,9% em maio em comparação com o mesmo mês de 2018. Segundo o balanço da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), foram montados ao longo de maio 275,7 mil unidades, contra 212,3 no mesmo período do ano passado. Em relação a abril, o crescimento na fabricação foi de 3,1%.

O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, ponderou que o crescimento expressivo no mês acontece devido à comparação com um mês ruim para a indústria, que foi prejudicado pela greve dos caminhoneiros, em maio do ano passado. “Parte desse crescimento é porque a base de maio do ano passado teve oito dias de impacto”, disse. No acumulado de janeiro a maio, o setor registrou uma expansão de 5,3% em comparação com os primeiros cinco meses de 2018. Foram fabricados neste ano 1,24 milhão de veículos, enquanto no mesmo período do ano passado foram 1,17 milhão de unidades. Além disso, a fabricação de caminhões teve uma alta de 51,3% em maio, com a montagem de 11,2 mil unidades. No acumulado de janeiro a maio, o setor registra um crescimento de 10,9% em relação ao mesmo período de 2018, com a produção de 45,4 mil caminhões.

De janeiro a maio, as vendas de caminhões tiveram alta de 48,5%, com a comercialização de 39,1 mil unidades. As vendas de veículos tiveram alta de 21,6% em maio na comparação com o mesmo mês do ano passado. Foram comercializadas no período 245,4 mil unidades. Em relação a abril, o crescimento nos emplacamentos foi de 5,8%. No resultado acumulado dos primeiros cinco meses de 2019, foram licenciados 1,08 milhão de veículos, uma expansão de 12,5%.

Fonte: Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


Economia
Com.: 0
Por Redação
06/06
14:14

Vendas para o Dia dos Namorados têm expectativa de alta de 1,9%

Data é a sexta mais importante para o calendário varejista do país e valor movimentado deve chegar a R$1,64 bilhão este ano

A expectativa do comércio para as vendas relacionadas ao Dia dos Namorados, comemorado no Brasil no dia 12 de junho, é de alta de 1,9%, na comparação com o ano passado. Segundo pesquisa divulgada hoje (6) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), este é o terceiro ano seguido de melhora nas vendas, após dois anos de recessão econômica em que a data apresentou perdas. Em 2015, o comércio teve perda de 1,1% e em 2016 a redução nas vendas foi ainda maior, chegando a 4,9%. Em 2017 a recuperação do comércio no Dia dos Namorados foi de 2,5% e em 2018 subiu 1,5%. Segundo a CNC, a data é a sexta mais importante para o calendário varejista do país. O valor movimentado deve chegar a R$1,64 bilhão este ano.

O principal segmento do comércio relacionado ao Dia dos Namorados é o de vestuário e acessórios, que tem expectativa de subir 3,1% na comparação com 2018, chegando ao valor de R$ 611 milhões, o que corresponde a 37,4% do total esperado. Em segundo lugar ficam os hiper e supermercados, com expectativa de movimentar R$553,1 milhões, 1,8% a mais do que no ano passado. Em seguida estão os artigos de uso pessoal e doméstico, que esperam vender 2,2% a mais, com faturamento de R$243,4 milhões.

De acordo com a CNC, alguns ramos estão oferecendo os produtos com preços menores do que no mesmo período do ano passado, como o de roupas femininas (-3,0%), tênis (-2,6%), artigos de maquiagem (-2,6%) e bolsas (-2,4%). Já o serviço de excursões está 16,4% mais caros do que em 2018.Por outro lado, a entidade ressalta que as condições de crédito para pessoa física estão piores, com a alta dos juros, o que pode ser um dificultador das vendas.

Fonte: Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil


Economia
Com.: 0
Por Redação
05/06
16:09

Luís Moura diz que Plano Mansueto tira a autonomia do Estado que aderir

O economista Luís Moura, do Departamento Intersindical de estudos e Estatísticas Sócio Econômicas (DIEESE) avalia que “o governador que aderir ao Plano Mansueto (Ajuste Fiscal) pode entregar a chave do estado para a Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia, pois não vai precisar de governador para governar”.

Moura explicou que todos os poderes serão monitorados pela Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia, que, na pratica, vai se tornar um FMI piorado para os estados. “Em nome da possibilidade de os estados acessarem 40 bilhões de reais em empréstimos com aval da união, os governadores perderão qualquer autonomia de governar”, concluiu.



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
05/06
15:04

Em abril, Sergipe registrou aumento na produção de gás natural

Estudo foi feito com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), mostrou que a produção de petróleo no estado, em abril deste ano, foi de 451,7 mil barris equivalentes de petróleo (BEP), situando-se 1,7% abaixo da produção do mês anterior, março deste ano. Já no confronto com abril do ano passado, notou-se retração de 17,6% na produção.

Extração de Petróleo em terra e mar

Do total produzido em abril último, 79,5% ou 359,2 mil barris (BEP) foram extraídos em terra.  Para esse tipo de produção, em termos relativos, observou-se queda de 1,3% na comparação com março deste ano. Em relação ao volume produzido em abril de 2018, notou-se recuo de 14,8%.

Por outro lado, a produção no mar, respondeu por 20,5% da produção total, atingindo 92,4 mil barris. Em termos comparativos, verificou-se queda de 3,2% em relação ao último mês de março e retração de 27% em relação a abril do ano passado.

Produção de Gás

A produção de gás natural, no mês analisado, ficou acima dos 355,6 mil barris equivalentes de petróleo (BEP). Em termos relativos, houve decréscimo de 2,5% na comparação com o mês antecedente (março/2019). Já em relação ao mês de abril do ano que findou, notou-se expansão de 15,5%.

A produção em mar permaneceu sendo a principal fonte de produção, totalizando mais de 334,3 mil barris, abarcando 94% do total produzido no estado, ao passo que a produção terrestre foi de 21,3 mil barris, representando 6% da produção.

Fonte e elaboração do gráfico: NIE/FIES
Fonte do gráfico: ANP


Economia
Com.: 0
Por Redação
05/06
15:01

Vendas de combustíveis em Sergipe teve alta de 4,5% em abril

Vendas totais de combustíveis, no mês abril deste ano, totalizaram 64,8 milhões de litros

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), indicou que as vendas totais de combustíveis, no mês abril deste ano, totalizaram 64,8 milhões de litros, assinalando aumento de 4,5%, em relação ao mesmo mês de 2018. Já no comparativo com o mês imediatamente anterior, março último, as vendas cresceram 3,4%.

Combustíveis comercializados

Sobre os combustíveis comercializados, no mês analisado, observou-se que foram vendidos 31,8 milhões de litros de gasolina. Em termos relativos, esse destilado do petróleo registrou aumento de 0,6% nas vendas, em relação a abril de 2018. Já em relação ao mês de março deste ano, também houve expansão, porém maior, de 1,5%.

No tocante ao óleo diesel, foram comercializados pouco mais de 27 milhões de litros no último mês de abril. Em termos comparativos, verificou-se acréscimo de 3,7%, em relação ao mesmo mês de 2018. Quando comparado com o mês anterior, março deste ano, as vendas também apresentaram alta, de 8,3%.

Para o etanol hidratado, verificou-se elevação nas vendas de 129,6%, quando confrontado com o volume registrado no mesmo mês de 2018. Em volume, as vendas chegaram a aproximadamente 4,2 milhões de litros. No entanto, em relação ao mês anterior, notou-se queda de 8,7%.

O querosene de aviação, combustível utilizado pelas aeronaves, totalizou 1,7 milhão de litros em vendas, apresentando recuo de 29,4%, em relação a abril de 2018. No confronto com o mês imediatamente anterior (março/2019), notou-se recuo de 1%.

Fonte e elaboração do gráfico: NIE/FIES
Fonte do gráfico: ANP


Economia
Com.: 0
Por Redação
28/05
11:12

Junta Comercial poderá cancelar registros de 14 mil empresas em Sergipe

 

As empresas sergipanas que estão sem movimentação há mais de 10 anos na Junta Comercial do Estado de Sergipe (Jucese) e correm o risco de ter o registro empresarial cancelado têm até esta sexta-feira, 31, para comunicar à autarquia o funcionamento, a paralisação temporária, ou ainda, arquivar alteração contratual em caso de modificação dos dados.

Conforme publicado no Diário Oficial do Estado, a Jucese iniciou no dia 5 de abril o processo de cancelamento do registro de 14.140 empresas que há mais de dez anos não apresentaram nenhum arquivamento de ato na autarquia, seguindo o que determina o Artigo 60 da Lei Federal 8.934/94.

O presidente da Jucese, Marco Freitas, alerta que não haverá mais prorrogação de prazo para regularização. “Após acatarmos um pedido do Sescap e do CRC, duas entidades ligadas aos profissionais da contabilidade, ampliamos de 5 de maio para 31 de maio a data limite. Os empresários tiveram quase dois meses para procurar à Junta Comercial, um tempo razoável”, explica.


As empresas que não efetuarem a regularização e tiverem o registro cancelado não serão baixadas na Junta Comercial, contudo, sofrerão uma série de implicações na autarquia e em órgãos arrecadadores, conforme explica o secretário-geral da Jucese, o advogado Alex Souza.


“Além de ter o registro cancelado na Junta Comercial, a empresa sofrerá cancelamentos complementares, como na Receita Federal, Secretaria de Estado da Fazenda, INSS e Caixa Econômica, após comunicarmos a estes órgãos arrecadadores a situação”, explica o secretário-geral da Jucese.

 


Procedimento


Para não correr o risco de ter o registro cancelado e, consequentemente, sofrer cancelamento nos órgãos arrecadadores também, as empresas devem acessar o site da Jucese (www.jucese.se.gov.br) e conferir os procedimentos para arquivamento de “Comunicado de Funcionamento” ou do “Comunicado de Paralisação de Atividades” na Junta Comercial.


No site da Jucese também está disponível a relação completa das empresas que correm o risco de cancelamento – identificada pelo Número de Identificação do Registro de Empresas (Nire), nome empresarial, data do último arquivamento e classificada por município.



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
27/05
19:20

Termina nesta sexta-feira, 31, o prazo para empresas sem movimentação regularizem situação junto a Jucese

Jucese iniciou o processo de cancelamento do registro de mais de 14 mil empresas em abril  

Até esta sexta-feira, 31, as empresas sergipanas que estão sem movimentação há mais de 10 anos na Junta Comercial do Estado de Sergipe (Jucese) e correm o risco de ter o registro empresarial cancelado, poderão comunicar à autarquia o funcionamento, a paralisação temporária, ou ainda, arquivar alteração contratual em caso de modificação dos dados. Conforme publicado no Diário Oficial do Estado, a Jucese iniciou no dia 5 de abril o processo de cancelamento do registro de 14.140 empresas que há mais de dez anos não apresentaram nenhum arquivamento de ato na autarquia, seguindo o que determina o Artigo 60 da Lei Federal 8.934/94.

O presidente da Jucese, Marco Freitas, alerta que não haverá mais prorrogação de prazo para regularização. “Após acatarmos um pedido do Sescap e do CRC, duas entidades ligadas aos profissionais da contabilidade, ampliamos de 5 de maio para 31 de maio a data limite. Os empresários tiveram quase dois meses para procurar à Junta Comercial, um tempo razoável”, explica. As empresas que não efetuarem a regularização e tiverem o registro cancelado não serão baixadas na Junta Comercial, contudo, sofrerão uma série de implicações na autarquia e em órgãos arrecadadores, conforme explica o secretário-geral da Jucese, o advogado Alex Souza.

Para não correr o risco de ter o registro cancelado e, consequentemente, sofrer cancelamento nos órgãos arrecadadores também, as empresas devem acessar o site da Jucese (www.jucese.se.gov.br) e conferir os procedimentos para arquivamento de “Comunicado de Funcionamento” ou do “Comunicado de Paralisação de Atividades” na Junta Comercial. No site da Jucese também está disponível a relação completa das empresas que correm o risco de cancelamento - identificada pelo Número de Identificação do Registro de Empresas (Nire), nome empresarial, data do último arquivamento e classificada por município.

Fonte: ASN
Foto: Ascom/Jucese


Economia
Com.: 0
Por Redação
Primeira « Anterior « 1 2 3 4 5 6 7 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos