20/02
16:28

Número de cheques compensados em Sergipe aumentaram 12,4% no mês de janeiro

Os cheques compensados totalizaram R$ 374 milhões

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados do Banco Central, mostra que foram compensados 136 mil cheques em Sergipe, no mês de janeiro.

Em termos de movimentação financeira, sem considerar o efeito da inflação, os cheques compensados totalizaram R$ 374 milhões, sendo este montante 12,4% maior que o valor registrado em dezembro de 2018. Já na comparação com o mês de janeiro do ano passado, houve avanço de 0,5%.

Cheques devolvidos e sem fundos

No mês analisado, o número de cheques devolvidos no estado ficou em 19,8 mil. Em números financeiros, sem considerar o efeito da inflação, a quantia devolvida somou R$ 63,4 milhões, sendo 8,4% inferior ao registrado no mesmo mês do ano de 2018. Comparando com o mês imediatamente anterior (dezembro/2018), o valor dos cheques devolvidos ficou 15,5% maior.

Dentre os seis motivos de devolução de cheques elencados pelo Banco Central, existem aqueles que não são compensados pela falta de provisão de fundos, os chamados cheques sem fundos.  Em relação a essa modalidade, foram contabilizados 16,5 mil cheques, abrangendo 83,3% do total de devolvidos, no mês em análise. Em valores financeiros, o somatório dos cheques sem fundos ficou em R$ 50,8 milhões, compreendendo 80,1% do valor total dos cheques que foram devolvidos, registrando decréscimo de 9,8% no volume quando comparado com o mesmo mês do ano passado (janeiro/2018), e aumento de 15,7% em relação ao mês de dezembro do ano que findou.

Fonte e elaboração do gráfico: NIE/FIES
Fonte do gráfico: Banco Central do Brasil


Economia
Com.: 0
Por Redação
18/02
16:43

Preço médio da gasolina vendida em Sergipe recuou 5,2%

O preço médio ficou em R$ 4,255 por litro; a análise é com base no mês de janeiro

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), revelou que o preço médio da gasolina vendida em Sergipe, em janeiro deste ano, recuou 5,2%, quando comparado com o mês imediatamente anterior, dezembro do ano passado.

Em valores, o preço médio ficou em R$ 4,255 por litro, no mês analisado. Em relação ao mês de janeiro de 2018, o preço médio do combustível cresceu 1,1%.

Para o etanol, o preço médio situou-se em R$ 3,263, registrando queda de 0,9%, sobre dezembro de 2018. Já no comparativo com janeiro de 2018, observou-se leve decréscimo de 0,1%.

No tocante ao óleo diesel, notou-se que o preço médio, pelo litro do produto, situou-se em R$ 3,448, no mês analisado. Em termos comparativos, verificou-se baixa de 2,4% em relação ao mês imediatamente anterior (dezembro/2018). No comparativo com o mesmo mês do ano de 2018, observou-se expansão de 1,4%.

Para o Gás Natural Veicular (GNV), o preço médio praticado por metro cúbico (m³) foi de R$ 3,642, assinalando acréscimo de 0,1% sobre dezembro de 2018. Quando comparado com janeiro do ano passado, verificou-se alta de 31,7%. 

O Gás de Petróleo Liquefeito (GLP), ou gás de cozinha, registrou preço médio de R$ 70,58 (por 13 kg), registrando queda de 0,7%, quando confrontado com o mês imediatamente anterior (dezembro/2018). Já em relação a janeiro de 2018, notou-se retração de 9,6%.

Preços nas distribuidoras em Janeiro/2019

O preço médio do litro fornecido pelas distribuidoras aos postos de combustíveis, do estado, foi de R$ 3,790 para a gasolina, registrando declínio de 5,1%. O etanol teve preço médio de R$ 2,800, assinalando aumento de 3,4%. Em relação ao óleo diesel, o preço médio ficou em R$ 3,133, assinalando baixa de 2,9%. Todas as comparações são em relação ao mês de dezembro de 2018.

Para o GNV e GLP, o preço das distribuidoras ficou, em média, R$ 2,846 por m³ e R$ 55,40, por 13 quilos.  Comparativamente, o preço do GNV nas distribuidoras ampliou-se em 0,5%, ao passo que o GLP registrou decréscimo de 1,5%, ambos na mesma comparação descrita acima.

Fonte e elaboração do gráfico: NIE/FIES
Fonte do gráfico: ANP


Economia
Com.: 0
Por Redação
16/02
15:00

Aeroporto Santa Maria será leiloado dia 15 de março

O governador Belivado Chagas recebeu a informação que o Governo Federal irá realizar o leilão de 12 aeroportos da 5ª Rodada de licitação. Entre eles está  o aeroporto Santa Maria, em Aracaju.  Os 12 aeroportos foram divididos em três blocos: Nordeste, Sudeste e Centro Oeste. O leilão ocorre dia 15 de março.


Neste sábado, durante entrega do lote 1 da BR-235, que liga Jeremoabo a Carira, o governador esteve ao lado do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e recebeu o convite para acompanhar o leilão, em São Paulo. "O ministro Tarcisio Freitas me comunicou que no dia 15 de março estará indo a leilão o aeroporto de Aracaju e me convidou para estar presente em São Paulo. Estamos na expectativa que dê tudo certo e que o aeroporto passe a oferecer mais qualidade no atendimento dos sergipano e de turistas", disse o governador.


Leilão


 A arrecadação mínima com o leilão dos 12 terminais será de R$ 219 milhões. Esse valor deve ser pago à vista. Ao longo da concessão ainda devem ser pagos R$ 2,1 bilhões em outorga.

A outorga, variável, será calculada em cima da receita bruta da futura concessionária, sendo de 8,2% para o bloco Nordeste; 8,8% para o bloco Sudeste; e 0,2% para o Centro-Oeste. O prazo de concessão será de 30 anos.

Segundo informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o edital não prevê obras obrigatórias, mas estabelece o tipo e o nível de serviço que o aeroporto deve oferecer. Em cima dos serviços que devem ser ofertados, a concessionária apresentará as obras a ser realizadas.



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
15/02
17:05

Volume de serviços em Sergipe recuou em 2018

A percentagem de recuo foi de 4,6% em relação a 2017

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, revelou que o volume de serviços prestados por pessoas físicas ou jurídicas, em Sergipe, no ano passado, recuou 4,6% em relação a 2017.

Quanto à receita nominal dos serviços, também observou-se queda, porém menor, de 2,8% em relação ao ano anterior.

A Pesquisa Mensal de Serviços permite acompanhar o comportamento conjuntural do setor de serviços, investigando a receita bruta de serviços nas empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, que desempenham como principal atividade um serviço não financeiro, excluídas as áreas de saúde e educação.

Comportamento das vendas e receita dos serviços em dezembro/2018

No último mês do ano passado, o volume de serviços prestados assinalou alta de 0,8% sobre o mês anterior (novembro/2018), na série com ajuste sazonal (método que uniformiza os períodos de comparação).

Sobre a receita nominal, na série ajustada, verificou-se elevação de 0,9% em relação ao mesmo intervalo.

Fonte e elaboração do gráfico: NIE/FIES
Fonte do gráfico: PMS/IBGE


Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
15/02
16:54

Em janeiro, custo da construção em Sergipe foi de R$ 977,30

Comparando com janeiro de 2018, o custo teve avanço registrado de 0,8%

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em convênio com a Caixa Econômica Federal, revelou que o custo da construção, medido por metro quadrado (m²), em Sergipe, no mês de janeiro, aumentou 0,8%, quando comparado com o mês imediatamente anterior (dez/2018).

Em termos absolutos, o valor do custo médio por metro quadrado, no mês analisado, ficou em R$ 977,30. Na comparação com o mês de janeiro de 2018, o custo registrado assinalou avanço de 0,8%.

Composição do custo da construção de janeiro/2019

Analisando os custos da construção separadamente, verificou-se que do valor total, a fatia de 54,8%, ou R$ 535,99, correspondeu ao custo com material, enquanto que os 45,2% restantes, ou R$ 441,31, referiu-se ao valor da mão de obra empregada.

Em termos relativos, o custo com material, no mês considerado, obteve acréscimo de 0,9% na comparação com o mês imediatamente anterior (dezembro/2018). Por sua vez, quando comparado com o mesmo mês do ano de 2018, a alta foi maior, de 5,8%.

Quanto ao custo com a mão de obra, verificou-se acréscimo de 0,7% em relação ao mês de dezembro de 2018. Quando comparado com janeiro do ano passado, observou-se elevação de 3,1%.

Fonte e elabaroção do gráfico: NIE/FIES
Fonte do gráfico: Sinapi/IBGE


Economia
Com.: 0
Por Redação
13/02
20:08

Arrecadação do ICMS em Sergipe foi de R$ 304,9 milhões em dezembro

Alta de 5,6% foi registrada quando comparada com 2017

Análise realizada pelo Boletim Sergipe Econômico, parceria do Núcleo de Informações Econômicas (NIE) da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES) e do Departamento de Economia da UFS, com base nos dados do Conselho Nacional da Política Fazendária (Confaz), assinalou que a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), em Sergipe, ultrapassou R$ 304,9 milhões, em dezembro de 2018.

Em termos relativos, verificou-se queda real de 3,1% na arrecadação do imposto, quando comparado à arrecadação de dezembro de 2018, considerando o efeito da inflação, medida pelo IPCA. Por sua vez, no comparativo com a quantia arrecadada em novembro de 2018, verificou-se decréscimo de 3%. 

Com os dados de dezembro, a arrecadação do imposto, considerando o acumulado dos doze meses de 2018, ultrapassou R$ 3,5 bilhões, registrando alta de 5,6%, em termos reais, em comparação com o mesmo intervalo de 2017.

Outros tributos recolhidos em Dezembro/2018

A arrecadação do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), no mês analisado, totalizou mais de R$ 11,9 milhões. Em termos relativos, houve aumento de 6,4% sobre dezembro de 2017. Em relação ao mês imediatamente anterior (nov/2018), observou-se redução de 33,1%. No acumulado do ano (janeiro a dezembro), a arrecadação do imposto aumentou 3,5% em relação ao mesmo período de 2017.

O recolhimento do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCD) ficou em R$ 2,3 milhões, enquanto isso, as taxas pagas em função da contraprestação de algum serviço público recolheram R$ 32,4 mil aos cofres do estado, no mês analisado.

Fonte e elaboração do gráfico: NIE/FIES
Fonte do gráfico: Confaz


Economia
Com.: 0
Por Redação
11/02
17:06

Em janeiro, balança comercial sergipana registrou déficit de US$ 4,7 milhões

No mês em análise, as vendas de Sucos de laranja, congelado, não fermentados fecharam em US$ 3,3 milhões, respondendo por 53,2% das exportações sergipanas

Análise realizada pelo Núcleo de Informações Econômicas (NIE), com o apoio do Centro Internacional de Negócios – CIN/SE, da Federação das Indústrias do Estado de Sergipe (FIES), com base nos dados do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), apontou que as exportações, em janeiro deste ano, somaram aproximadamente US$ 6,3 milhões, apresentando queda de 9,6%, quando comparado com o mês de janeiro do ano passado, e registrando aumento de  32% em relação ao mês imediatamente anterior (dezembro/2018). Enquanto isso, as importações ficaram em pouco mais de US$ 11 milhões, com queda de 10,2%, no comparativo com o mesmo mês do ano anterior. Já em relação às importações do mês de dezembro de 2018, o aumento foi de 42,9%. Por fim, o saldo da balança comercial, em janeiro deste ano, ficou deficitária, fechando o mês com saldo negativo de US$ 4,7 milhões.

No mês em análise, as vendas de Sucos de laranja, congelado, não fermentados fecharam em US$ 3,3 milhões, respondendo por 53,2% das exportações sergipanas. Já as vendas de Outros açúcares de cana, beterraba, sacarose quimicamente pura, sol somaram US$ 1,1 milhão, representando 18,3% das exportações. Dessa forma, 71,5% das exportações do estado foram representadas por esses dois produtos. O principal destino dos itens produzidos em Sergipe, no mês analisado, foram os Países Baixos, que demandaram 41,7% das vendas do estado. Em termos nominais, as vendas para os holandeses somaram mais de US$ 2,6 milhões. O segundo principal destino das exportações sergipanas foi a Bélgica, que adquiriu US$ 827,9 mil ou, em termos percentuais, 13,2%.

Já as importações, do mês em análise, concentraram-se nas aquisições de Outros trigos e misturas de trigo com centeio, exceto para semeadura, que somou US$ 2,9 milhões, ou 26,8% das compras sergipanas, e Diidrogeno-ortofosfato de amônio (fosfato monoamônico ou monoamoniacal), mesmo misturado com hidrogeno-ortofosfato de diamônio (fosfato diamônico ou diamoniacal), que totalizou US$ 2,2 milhões ou 20,5% das compras do mês. Quanto à origem dos produtos adquiridos por Sergipe, os fornecedores que se destacaram foram a Argentina e os Estados Unidos, ao enviarem US$ 2,9 milhões e US$ 2,8 milhões em produtos, respectivamente.

Fonte e Elaboração do Gráfico: NIE/FIES
Fonte do Gráfico: MDIC/COMEX STAT


Economia
Com.: 0
Por Redação
08/02
18:46

Aracaju recebe seminário do BID referente a projetos pioneiros de tributação imobiliária

Os produtos que estão sendo desenvolvidos dentro do projeto buscam soluções inovadoras para a tributação

Aracaju recebeu nesta semana, nos dias 7 e 8, o seminário “Programação Algoritmos de Valorização do Solo”, uma reunião técnica com representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), para dar continuidade aos projetos pioneiros que estão sendo desenvolvidos na capital através da cooperação técnica com a instituição financeira. O objetivo do encontro foi uniformizar os conhecimentos, avaliar os estágios de trabalho realizados nas cidades participantes – além de Aracaju, Fortaleza e Belo Horizonte – e planejar as próximas etapas da ação.

Os produtos que estão sendo desenvolvidos dentro do projeto, como explicou o secretário municipal da Fazenda e diretor técnico da Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf), Jeferson Passos, buscam soluções inovadoras para a tributação. “O primeiro é o observatório de valor de terrenos na cidade. A ideia é ter uma metodologia que, a partir de coleta de dados e utilização de mecanismos de estatística, nos permita ter uma ideia do valor do solo urbano. É uma iniciativa extremamente relevante para um planejamento urbano adequado, integrado com ferramentas de georreferenciamento que vão auxiliar não só o planejamento tributário, mas também para outras áreas públicas”, detalhou. O segundo produto, segundo ele, é o desenvolvimento de uma metodologia de avaliação em massa de áreas impactadas pela realização de obras públicas.

O professor doutor Everton da Silva, da Universidade Federal de Santa Catarina, consultor convidado pelo BID para colaborar com o projeto, foi um dos ministrantes do seminário – ao lado do engenheiro Msc. João Destro, também consultor da instituição. Segundo ele, a reunião serviu para discutir os métodos de análises e as variáveis utilizadas. Para ele, Aracaju é um município de referência nesse sentido, por ser uma das poucas capitais do Brasil que já utiliza o modelo de regressão para calcular os valores dos imóveis. O auditor da Secretaria de Finanças de Fortaleza, Augusto Oliveira, o encontro com os técnicos foi muito importante para a troca de experiências.

Para mais detalhes, clique aqui.

Fonte e foto: AAN



Economia
Com.: 0
Por Redação
Primeira « Anterior « 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos