11/11
10:04

Coluna Primeira Mão

Amor e ódio

 

Houve um tempo em que o senador Antônio Carlos Valadares (PSB) e o governador Belivaldo Chagas (PSD) eram carne e unha. Conversavam diariamente, discutiam ações políticas, andavam muito juntos... Eram amigões e aliados políticos. O pessoal daquela época não acredita  que são eles mesmo que estão se peitando na mídia.

 

Em férias

 

“Político de verdade nunca se aposenta, tira férias”. O comentário é do senador Antônio Carlos Valadares (PSB), que não conseguiu a reeleição em 08 de outubro último. Parece que, se Valadares continuar na ativa, JB também estará disposição de futuros projetos políticos. É na base da marcação.

 

Momento de renovação

 

Os jovens militantes políticos do MDB devem lançar um manifesto nas redes sociais neste final de semana expondo o desejo de renovação do comando do partido. Avaliam que er hora de mudar e vão organizar chapa para disputar o comando do partido. O deputado federal Fábio Reis e o ex-deputado estadual Marcos Franco são os nomes mais cotados para disputar a presidência, segundo o ex-deputado federal Sergio Reis.

 

Coronel na política

 

O coronel Rocha, que obteve 4,4 mil votos na disputa de uma cadeira para a Câmara Federal, pretende continuar na política. Não definiu ainda o que fará, pois aguarda as definições sobre questões partidárias

 

Pobreza extrema

 

Lideranças políticas e comunitárias do sertão sergipano comentam que os elevados índices de pobreza extrema, miséria, na verdade, estão de volta à região. Isso acontece desde o final do ano passado e agora está se agravando.

 

Aposentadorias

 

A bancada federal que funcionará a partir de 2019 deve ficar antenada com o eleitorado sergipano no que se refere às propostas de mudanças na aposentadoria feitas pelo novo governo federal. Se forem implementadas, elas, juntamente com a reforma trabalhista de Michel Temer, trarão muitas dificuldades para que empregados da iniciativa privada e do funcionalismo público consigam se aposentar. 

 

Valmir de Francisquinho

 

A prisão do prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho, caiu como uma bomba no meio político sergipano e, especialmente, naquela cidade próspera do interior. Os seus adversários estão rindo à-toa. Com tantas provas robustas, ele terá muitas dificuldades para se explicar perante a Justiça. Analistas políticos opinam que ele terá de se desfazer de bens pessoais para devolver a dinheirama aos cofres públicos e para pagar advogados de peso, para ele e para seu filho. Ponto positivo para a Polícia Civil e para o Ministério Público Estadual!

 

Palanque montado

 

O palanque eleitoral do presidente eleito Jair Bolsonaro não deverá ser desmontado, mesmo depois de ele tomar posse em janeiro. Uma explicação pode ser a necessidade de manter mobilizada as suas "bases", o que também acontece com populista de extrema-direita. Ele seguirá usando as redes sociais e fazendo uso de suas frases de efeito. Precisará disso, pois, quando começar a implementar medidas impopulares, sofrerá grande desgaste político e muitos bolsonaristas de ocasião (que não são de extrema-direita, mas que votaram nele contra o outro partido) procurarão tomar distância dele.

 

Desleixados

 

É muito grande o número de cidades interioranas com uma estátua do santo padroeiro ou da santa padroeira. Logo na entrada. Passa a impressão de tratar-se ali de um povo bem religioso. Quando se adentra pela cidade, em muitos casos, o que se observa é muito abandono em termos de cuidados com seus equipamentos coletivos e com as suas populações. Deveria haver um concurso anual para homenagear os mais desleixados prefeitos, aqueles que cuidam pior de suas cidades!

 

Bondade de fim de mandato

 

Ninguém sabe dizer o que aconteceu com os senadores Antônio Carlos Valadares e Eduardo Amorim. Os dois acabaram de perder eleições, o primeiro para governador e o segundo para senador. Quase logo em seguida ocorreu a votação para o aumento dos salários dos "marajás" do STF e da PGR em pouco mais de 16%. Essa "bondade" em fim de mandato pelos dois repercutirá em mais aumentos em todos os estados da federação, o que agravará ainda mais a crise fiscal de Sergipe. A senadora Maria do Carmo Alves, que ainda tem quatro anos de mandato, foi contra. É uma pena que os dois senadores sempre tão responsáveis com o país tenham dele se esquecido numa votação tão relevante.

 

Supermercados atentos

 

Alguns supermercados de Aracaju andam de olho em certos frequentadores que levam pacotes de carne presas nas coxas (a maioria é mulher e pobre, é claro) e debaixo de suas camisas e/ou nos bolsos de suas calças e nas cuecas, seriam os casos de cadeirantes (também pobres). Os vigilantes e os caixas estão de olho nisso. Mas os supermercados colocaram chips nas carnes para despertar os alarmes.

 

LRF de FHC

 

Uma das melhores medidas do governo de FHC foi a Lei da Responsabilidade Fiscal. Da forma que no resto do país, em Sergipe os órgãos de controle das contas perderam o controle sobre o respeito a essa lei. Resultado: não são poucas as prefeituras que passaram dos limites em termos de gastos impostos pela referida lei.

 

Grupo silenciou

 

Os bolsonaristas parecem ter silenciado diante dos temas que estão em debate pelos grupos de transição do presidente eleito.

 

Stress total

 

Duas semanas depois do segundo turno do pleito de 2018, o clima de stress entre direita e esquerda continua. Mas há uma tendência de se chegar a uma fase de calmaria, antes do ato de posse do presidente Bolsonaro, em 1º de janeiro de 2019. 

 

/////////////////////



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
02/11
07:45

Coluna Primeira Mão

Máquina de perseguição

Do senador eleito, Rogério Carvalho, no twitter: "Temos que ter cuidado para Moro não transformar o Ministério da Justiça numa máquina de perseguição. Por que, se ele fez issocom Lula, ele vai cumprir o que anunciou o Bolsonaro, perseguir os petistas, e vai prender o Haddad ou manda-lo para o exílio".


De olho no PSB


Passada a realização do segundo turno, foi iniciada uma movimentação política para assumir, em fevereiro de 2019, o comando do PSB. As conversas fluem desde o início desta semana. Os Valadares (pai e filho), que têm o controle da sigla perderam o pleito e tudo indica que ficarão sem o PSB. Tem fogo amigo e inimigo (opositor) de olho na legenda.


Problemas de SE

A recém-eleita classe política sergipana precisa retomar a questão das desigualdades regionais e sociais dentro da sociedade sergipana. O debate eleitoral centrado em "propostas" termina por passar por cima dos problemas mais graves dos sergipanos.


Blocão do Nordeste


Seria muito bom para a região a formação de um blocão parlamentar no Congresso Nacional para a defesa dos interesses dos nove Estados nordestinos. A região precisa ser valorizada. A bancada também.


Desgastante


Não foi boa para a imagem do ex-ministro do STF, Carlos Brito, a lembrança do seu nome para compor a equipe ministerial de Jair Bolsonaro. Ele é visto nacionalmente como um jurisconsulto democrata e não se enquadraria bem no bloco. Ou sim.


Limpeza geral


Antes da posse para o novo mandato, em janeiro de 2019, Belivaldo Chagas deverá promover uma limpeza geral nos CCs. Quer gente comprometido com o grupo e que realmente se enquadre na atividade para a qual for convidado.


Foco de tensão


Não haverá uma verdadeira "transição" no governo de Belivaldo Chagas, pois ele é, a rigor, o seu próprio sucessor. Mas poderá trocar diversas peças da equipe herdada de Jackson Barreto, assim como ele poderá mudar as prioridades de seu governo. Tem secretário muito apegado ao cargo e que contraiu dívidas acreditando ficar no time de Belivaldo, que tem funcionado à base de Lexotan.


Um outro foco


Mas vale lembrar que a tensão também atinge candidatos a cargos do Poder Legislativo que pegaram dinheiro emprestado a agiota, não se elegeram e já não sabem como pagar as dívidas.


Boa opção


Rogério Carvalho poderá ser um grande senador, a exemplo do que foi José Eduardo Dutra tempos atrás. É preparado, bom tribuno e grande articulador nos bastidores do poder.


Bem cotado

Há quem fale no PSD que o deputado federal reeleito, Fábio Mitidieri, será opção para a Prefeitura de Aracaju em 2020. Mas no grupamento governista tem gente cotando o rapaz para a vaga da senadora Maria do Carmo, em 2022.

Desgaste grande

Por falar em Maria do Carmo (DEM), vale lembrar que a imagem dela está um tanto desgastada. Por isso não conseguiu eleger a filha deputada estadual. Com o marido ex-governador João Alves Filho doente, o esforço da senadora não funcionou.

Nomes disponíveis


O PT trabalhará seriamente a ideia de ter candidato próprio à Prefeitura de Aracaju. A opção mais forte seria Iran Barbosa, conforme comentam petistas ligados à deputada estadual Ana Lúcia.


Só sucesso


Quase meteórica tem sido a carreira política de Kitty Lima. Primeiro, elegeu-se vereadora por Aracaju e, dois anos depois, foi eleita deputada estadual.


Desqualificados


Tem faculdade em Sergipe que faz vestibular com hora marcada. Segundo uma certa fonte, é quase impossível alguém ser reprovado. Imagine só, leitor, que tipo de profissional sai dessas faculdades.


Homenagem merecida


No próximo dia 7, às 19h, a Universidade Federa de Sergipe homenageará como o título de “Doutor Honoris Causa” in memoria, o professor Paulo Freire, um dos maiores educadores do Brasil e do mundo. O ato marca também a passagem dos 50 anos da UFS. Ele é o autor de um método revolucionário de educação popular e isso lhe rendeu o reconhecimento mundial. A viúva Nita Freire receberá a condecoração. 

Tiro ao alvo

Em Sergipe, existe uma Federação Sergipana de Tiro Prático e dela fazem parte três clubes (em Socorro, em Campo do Brito e em Estância). Nada demais. É bom que se diga que isso é só mais uma modalidade esportiva. Não tem nada a ver com o contexto ruim sobre a violência no país, nem sobre a questão de armar/desarmar a população trazida à tona nas eleições que terminaram no dia 28 de outubro.


Campus do Sertão


Os representantes federais e o governador fizeram um bom trabalho quanto à distribuição das emendas impositivas para Sergipe. Nós destacamos como muito positiva a destinação de emenda impositiva para a conclusão do campus da UFS na cidade de Nossa Senhora Glória, uma cidade que atravessa um bom momento de desenvolvimento econômico.


Tarifa do ônibus


Os empresários do setor de ônibus estão reivindicando uma tarifa de R$ 4,44. Esse é um "pepino" que Edvaldo Nogueira terá de resolver sozinho, uma vez que os vereadores de Aracaju transferiram essa responsabilidade para o prefeito. Nessas ocasiões é sempre bom se perguntar sobre a qualidade do transporte público aracajuano. Todos os ônibus de Aracaju já têm ar condicionado? São limpos quantas vezes por dia?


Preço menor


Quando os empresários do setor de transporte coletivo apresentam as suas planilhas de custo sempre jogam os preços um pouco acima do que realmente pode ser feito. Há quem diga que eles ficariam satisfeitos com uma tarifa de R$ 3,90. A atual é R$ 3,50.


Desmontagem


Em Sergipe, as altas temperaturas das disputas eleitorais estão para trás, os palanques estão sendo desmontados e os espíritos desarmados. O choro dos perdedores quase não é ouvido. O mesmo não se pode dizer em termos da política nacional.

4 anos de problemas


Os quatro anos de governo de Jair Bolsonaro devem ser de pura turbulência política. É que ele tem uma agenda econômica ultraliberal e uma agenda social e cultural que não ficam atrás. Saco de bondades são somente para o empresariado nacional e estrangeiro.


Mágoas eleitorais


Os políticos dos grupos que se oporão ao governo Bolsonaro vão bater pesado. O resultado do pleito e as fakes News dos bolsonaristas não serão digeridas tão cedo.


Tempos ruins


Segundo o deputado federal reeleito João Daniel (PT), o governo Bolsonaro já mostra o que será, antes mesmo de ser empossado. O futuro do povo brasileiro está ameaçado. Os anúncios feitos nesses primeiros dias pós-eleição não deixam dúvidas. Resistência e luta são fundamentais para impedir que os retrocessos cheguem rápido.

 

 

 

 

 



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
21/10
09:07

Coluna Primeira Mão

 Movimentações

 

Já tem gente com mandato de olho nos partidos daqueles que não se elegeram.  Isso vai render um monte de falações na mídia logo em breve. Há pelo menos quatro partidos que despertam interesse e entre eles estariam o PRB, de Heleno Silva, Jony Marcos e Ivan Leite,  e o PSB, se Valadares Filho perder a disputa pelo Governo de Sergipe no próximo dia 28. O fogo amigo e inimigo será intenso.

 

De olho em cargos

 

Como as chances de vitória de Belivaldo Chagas (PSD) são maiores, o número de adesões que conquistou também são bem maiores que as de Valadares Filho (PSB). A última pesquisa Ibope, divulgada na noite da última quinta-feira pela TV Sergipe (registro SE-04381/2018),  mostra Belivaldo com 58% das intenções de voto e o filho de ACV com 42%. Situação difícil é a de Valadares Filho.

 

Presidência

 

A lista cresce. O deputado estadual reeleito Garibalde Mendonça (MDB) também quer ser presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe. Também são comentados os nomes de Luciano Bispo, Jeferson Andrade e Zezinho Guimarães.

 

Questão de vocação

 

O jovem deputado Georgeo Passos tem sido muito lembrado para continuar no papel de líder da oposição na legislatura que começa em fevereiro de 2019..

 

Que dê exemplo

 

O trabalho da delegada Daniela Garcia ajudou - e muito! - na eleição para o Senado do também delegado Alessandro Vieira. Agora, Daniela não está exagerando ao participar, com tanto empenho do programa eleitoral de Valadares Filho? Ela fala em "risco", porém sabe que nada lhe acontecerá se Belivaldo Chagas ganhar. Está tentando provocar uma crise política sem nenhuma necessidade. Logo ela que representa bem a lei e a ordem.

 

Na bancada da bala?

 

Os posicionamentos do delegado Alessandro Vieira, recém-eleito senador por Sergipe, despertam muitos boatos. Ele defende "alteração do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) para endurecer o tratamento do adolescente infrator"; sustenta o porte legal de armas para "proprietários rurais e profissionais da segurança privada"; e admite que "é possível" que tenha havido "uma identificação do eleitorado do presidenciável com seu nome", explicando os votos recebidos. Essas declarações fazem dele um futuro membro da bancada da bala no Congresso? Por enquanto, seria irresponsável afirmar que sim. Masssss...quem sabe.

 

Fim de papo

 

Em entrevista a uma emissora de rádio na quinta-feira, Belivaldo Chagas negou que tenha convidado ou que convidaria Jackson Barreto e André Moura para compor o seu secretariado. Assunto encerrado.

 

Portas abertas

 

Se o rumor for confirmado, a decisão de Walmir de Francisquinho de ficar neutro nesse segundo turno pode ser uma boa notícia para Belivaldo Chagas. O muito popular prefeito de Itabaiana teria a força para influenciar qualquer candidato. Assim, o caminho fica livre para o candidato que também é governador.

 

Ducha fria

 

Caiu como uma bomba a informação de que o filho do prefeito de Itabaiana, Talysson de Francisquinho, o deputado estadual mais bem votado teve o seu registro e o seu diploma cassado pela Justiça Eleitoral. Ele deverá recorrer, claro. Um verdadeiro balde de água gelada na alegria do eleito.

 

E a qualidade, hein?

 

Começou a dor de cabeça para os pais cujos filhos estudam em escolas privadas. Essas instituições se movimentam, com liberdade, para reajustar os valores das mensalidades para 2019. Os pais e responsáveis pelos estudantes precisam discutir com os diretores de escolas a questão da qualidade de ensino.

 

Correios em SE

 

Não haverá, por ora, fechamento de agências dos Correios em Sergipe. Mas essa instituição federal está na mira dos que querem privatizações de empresas estatais.

 

 

É demais

 

 

A Deso precisa ficar de olho nessa sua rede de tubulação para fornecimento de água água. Toda semana, numa dessas adutoras, ocorrem problemas graves e que prejudicam a população.

 

 

Sob pressão

 

 

Região da qual o Brasil faz parte,  América Latina,  parece não ter jeito mesmo: ou populismo ou militarismo. A jovem democracia brasileira nunca esteve tão ameaçada como nessas eleições presidenciais. Tomara que tudo o que dizem não passe bravata e que ventos autoritários não estejam soprando em nossa direção.

 

 

Fake news

 

É assustador ficar sabendo que apenas 8% das mensagens veiculadas pelo aplicativo WhatsApp são verdadeiras. Estamos nos tornando o país da mentira? Logo em breve o nome do Brasil passará a ser Brasnóquio.

 

Sem crédito

 

Por causa das montanhas de notícias falsas ou "fake news", os eleitores estão cada vez confusos e os políticos ainda mais desacreditados. Os eleitores precisam ter uma mínima relação de confiança com os políticos e com as autoridades estatais de um modo geral. Quando isso não acontece, o funcionamento do sistema político fica mais do que prejudicado. Pode entrar em colapso. 



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
12/10
22:02

Coluna Primeira Mão

Olho na Presidência

 

Todos os comentários entre os deputados estaduais apontam para a existência de três fortes nomes para a disputa da Presidência da Assembléia Legislativa de Sergipe. Luciano Bispo teria interesse em ir para a reeleição, Jeferson Andrade (PSD) e Zezinho Guimarães (MDB) estariam interessados e declarado isso para alguns amigos de seus blocos parlamentares. Há movimentações nos bastidores. A eleição acontecerá em fevereiro de 2019.

 

Adesões

 

Há uma tendência natural de adesões à candidatura de Belivaldo Chagas. Velhos opositores e novos políticos mostram-se abertos ao diálogo. Isso era esperado, pois Belivaldo venceu no primeiro turno com 40,8% dos votos válidos. O segundo colocado, Valadares Filho (PSB), atingiu 21,4%.

 

Troca de apoios

 

O presidente da Sociedade Brasileira de Contabilidade e membro do Movimento Direita Sergipana, Josevaldo Mota de Souza, quer se reunir com o candidato a governador Valadares Filho para lhe comunicar o apoio do grupo, que é ligado ao PSL. Em contrapartida, deseja o apoio de Valadares Filho ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

 

Professores culpados

 

Há, entre os governistas, quem culpe os professores ligados ao Sintese (Sindicado dos Trabalhadores da Educação de Sergipe) pela derrota do ex-governador Jackson Barreto (MDB) na disputa do Senado Federal. Mas, na verdade, JB estava desgastado pelo tempo de governo de enfrentamento de crise. Os professores deram apenas um empurrãozinho.

 

Aposentados

 

Nenhum dos dois declarou, mas parece estar bem claro que o senador Antônio Carlos Valadares (PSB) e o ex-governador Jackson Barreto (MDB) agora se aposentam de vez.

 

Insultos aos nordestinos

 

À semelhança do que ocorreu com as eleições de 2014, já começaram os insultos aos nordestinos por fazerem parte da região que deu vitória a Fernando Haddad no primeiro turno. A classe política nordestina, estadual e federal, precisa tomar posicionamento a esse respeito porque são representantes da região.

 

Chama a Tânia

 

O que é que há de errado com o PC do B de Edvaldo Nogueira e do Padre Inaldo? Esses dois políticos controlam as prefeituras dos dois maiores colégios eleitorais de Sergipe e não conseguem eleger um único deputado estadual. Carência de quadros qualificados para disputas eleitorais? Nós sabemos que os nomes lançados nessa eleição são bons no exercício de mandatos. Por que não chamam de volta Tânia Soares?

 

Belivaldo bem

 

Na bolsa de apostas da corrida eleitoral para o governo estadual não está bem cotada a candidatura de Valadares Filho. Se não houver surpresas, Belivaldo Chagas já pode comprar o terno novo e preparar o discurso de posse. Mas atitude prudente nessas ocasiões sempre é evitar o uso de salto alto.

 

Pai e filho

 

O deputado federal Adelson Barreto (PR) não conseguiu se reeleger e no mesmo barco se afogou Adelson Barreto Filho, que deseja ser eleito deputado estadual.

 

Grande surpresa 1

 

Um ou outro amigo anunciava desde o último dia 1º que o delegado Alessandro Vieira (REDE) seria eleito senador da República no dia 07. E isso aconteceu. Mas pouca gente acredita nessa possibilidade.

 

Grande surpresa 2

 

Analistas políticos sergipanos ainda não encontraram as razões e os motivos para a explicar a mais do que surpreendente vitória do delegado Alessandro Vieira para o Senado. Afinal, são quase meio milhão de votos (474,449). O fato de ser delegado da Polícia Civil é muito pouco, da mesma forma que a sua visibilidade adquirida no seu apoio ao combate à corrupção. Salvo engano, ele não possui fortunas para financiar uma eleição para o Senado. O que quer que tenha acontecido, essa coluna lhe deseja boa sorte no exercício do mandato em Brasília.

 

Derrota de André

 

Outra derrota eleitoral que chamou muito a atenção foi a do deputado federal André Moura. Ele pousava como Midas, aquele mitológico rei da Grécia antiga que tinha o poder de transformar em ouro tudo aquilo que tocava. Com André Moura, não era ouro, mas dinheiro. Sua eleição para o Senado era tida como favas contadas, pois grande fora a quantidade de dinheiro que distribuiu para muitos prefeitos e agentes políticos. Ele poderia ter pensado mais baixo e ter garantida a renovação de seu mandato de deputado federal. Sem foro privilegiado, seus problemas na Justiça podem lhe trazer grandes dores de cabeça.

 

Fato consumado

 

A eleição do dia 7 de outubro passado deixou sem empregos vários políticos sergipanos. Alguns com diversos mandatos nos currículos, como o senador Valadares. A mesma eleição também deixou endividados outro grupo de políticos, que caíram no SPC da política. Esses políticos desempregados e cheios de dívidas só falam em traição, seja de aliados e cabos eleitorais, seja de eleitores. Não há nada que possa ser feito, a não ser aceitar o fato consumado.

 

Raivosos e furiosos

 

Raivosos e furiosos parecem ser muitos eleitores de Jair Bolsonaro. Para alguns, essa eleição lembra uma cruzada. Relatos podem ser ouvidos de parentes e de amigos que tiveram relações quebradas. Não vai ser depois do segundo turno que o Brasil estará pacificado, mas um pouco de sensatez é a todos eleitores recomendado.

 

Bom trabalho

 

Merece um registro especial membros da Justiça Eleitoral, do Ministério Público Eleitoral e de outras instituições que administraram a eleição do dia 7 de outubro. Fizeram um bom trabalho e a eleição ocorreu dentro da normalidade, à parte os pequenos problemas habituais.



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 1
Por Eugênio Nascimento
07/10
09:00

Coluna Primeira Mão

Pichações em baixa

Nos anos de 1960, 70, 80 e parte de 90 as pichações em muros e paredes de casas e de repartições públicas eram intensas. Anarquistas e comunistas, sem espaços na mídia tradicional (rádio televisão e jornais), manifestavam seus protestos contra a ditadura militar instalada no Brasil em 1964 com pichações em que afirmavam o “ABAIXO A DITADURA” e outras palavras de ordem. Nos anos 2000, pelo menos até agora, as pichações parecem estar em baixa. Os velhos comunistas e os jovens militantes políticos ou cabos eleitorais têm se manifestado em redes sociais e, assim, evitado a irritação popular e os desgastes que as pichações provocavam. Agora a onda é o zap e o twitter.


Pesquisas apontam segundo turno


Os brasileiros vão às urnas neste domingo de 7 de outubro de 2018. Em Sergipe os eleitores somam pouco mais de 1,5 milhão. As pesquisas registradas e tornadas públicas mostram um empate técnico entre Valadares Filho (PSB) – 29% - e Belivaldo Chagas (PSD) – 28% - , na disputa pelo Governo de Sergipe, conforme o Ibope. Isso é um indicativo de que no dia 28 próximo teremos o segundo turno no Estado. Na esfera federal o segundo turno será entre Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL).


É demais


Ninguém entende porque no Brasil são necessários dois suplentes para o mandato de senador. A única explicação até agora encontrada é que, com dois suplentes, o financiamento das campanhas fica mais barato e os titulares podem deixar os suplentes assumir por curtos períodos nos oito anos do mandatos de senador. Isso é uma jabuticaba brasileira no meio de tantas outras.


Pouco espaço


Nos dois últimos debates na TV para governador e para presidente, o problema em Sergipe foi colocar tantos candidatos numa pequena sala. Belivaldo Chagas teve melhor performance que os outros: positivo, firme e com respostas de vencedor. No debate para presidente da Globo do Rio de Janeiro, de novo o problema de muitos candidatos. Fernando Haddad teve o seu melhor desempenho, posto que, caçado por quase todos candidatos, mostrou serenidade e sobriedade nas perguntas e nas respostas. O outro destaque foi Guilherme Boulos que, como franco atirador, pôde bater em quase todos os candidatos. Jair Bolsonaro alegou o estado de sua saúde para não ir ao debate da Globo, mas participou de "debate" sozinho na Record. Seus colegas presidenciáveis disseram que ele "amarelou".


Santinhos


O "santinho" é um material de propaganda eleitoral impresso do qual consta a foto e o número do candidato. O nome vem de prática da Igreja Católica de distribuir o mesmo tipo de material com nomes verdadeiros de santos. Ao ser levado para a política, a palavra "santinho" ganha uma dose de ironia, já que os políticos podem apelidados de tudo, menos de santos.


A surpresa


Muitos petistas apostam que Rogério Carvalho será a surpresa na disputa do Senado Federal, sendo o segundo mais votado. A turma do Reino de Deus garante que será Heleno Silva, tem advogado apontando Henri Clay e delegado que apostam em Alessandro. JB e seus correligionários têm a certeza de que ele será o “cara”.


Direitismo


Na história eleitoral brasileira nunca houve um presidenciável de extrema direita, como acontece agora com Jair Bolsonaro. A única exceção foi Plínio Salgado, do partido Ação Integralista Brasileira, que se lançou candidato a presidente em 1937 e retirou a sua candidatura ao saber que Getúlio Vargas daria o seu golpe no fim daquele ano. Mas que fique claro que o fascismo de Plínio Salgado era "fichinha" comparado com as ideias racistas, xenófobas, homofóbicas, antidemocráticas, dfos dias de hojeetc. Além disso, o fascista Plínio Salgado tinha leituras, escrevia livros, enquanto Jair Bolsonaro nada leu e nada escreveu e, para esconder a sua ignorância, manda as pessoas dar um pulo no Posto Ipiranga. O seu discurso é composto de frases de efeito ultra-conservadoras que agradam a massa ignara e um certo grupo de eleitores de classe média.


Segurança


Exército, PF, PRF e PM estarão atuando na segurança das eleições deste ano em Sergipe. Tem gente achando que é pouco.


Os queridinhos


Os empresários sergipanos, em sua maioria, simpatizam com as candidaturas de Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles e João Amoêdo à Presidência da República. Todos eles aparecem mal nas pesquisas.


É barato


Cada mulher ou homem que segura bandeira de partido e candidato nas ruas e avenidas de Aracaju recebe diariamente R$ 30. Vale lembrar aos senhores candidatos que pelo sábado à tarde e todo o domingo, que são dias de descanso do pessoal, deve ser pago um pouco mais.


Boca de urna


Muitas pessoas dizem que o"boca de urna" (o pedido de voto de quem está na fila para votar") acabou. A abordagem dos cabos eleitorais é que ficou mais longe da sala de votação. Eleitores são assediados a uns 100 metros das escolas onde a votação ocorre.


Desatualisados


Não são poucos os sítios de órgãos públicos que ficam desatualizados. Isso é sinal de desleixo ou falta de preocupação com os contribuintes que pagam os salários dos servidores públicos em qualquer nível de governo. Em qualquer busca não objetiva por vários desses sítios, observa-se esse problema.


Comissão da Verdade


O governador Belivaldo Chagas prorrogou até agosto/2019 os trabalhos da Comissão Estadual da Verdade (CEV). Os trabalhos teriam que ser finalizados (com o relatório já pronto) até agosto deste ano. No momento, os membros da CEV estão catalogando fotos e documentos, bem como redigindo o Relatório final.


Fazenda Velho Chico


Na parte sergipana do rio São Francisco, foram formados, por conta da baixa vazão da Usina Hidrelétrica de Xingó (variando entre 550 m³s e 750 m³s), bancos de areia onde cresceu farta vegetação. Então, criadores de gado da região passaram a usar esses bancos de areia para alimentar as suas manadas. Fora do rio, o que se nota são os estragos provocados pela estiagem.


Exemplo francês


A França é o país onde a ameaça de vitória de candidata da extrema-direita reuniu a maioria dos partidos para barrar o fascismo representado por Jean-Marie Le Pen numa ocasião e por sua filha Marine Le Pen em outro momento. Nós não temos certeza de que o eleitorado brasileiro compreenderá o perigo social e político para a nossa democracia que Jair Bolsonaro significa se ganhar a eleição presidencial.


Itabaiana elegerá quatro estaduais ?


Com cerca de 60 mil eleitores, Itabaiana terá condições de eleger quatro deputados estaduais (Luciano Bispo, Talysson, Maria Mendonça e Vardo da Lotérica)?




Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
30/09
15:53

Coluna Primeira Mão

 

Semana decisiva

Esta semana que inicia no domingo, 30, será decisiva para os candidatos a cargos eletivos. Eles participam dos últimos programas do horário eleitoral gratuito, vão aos últimos debates e correm os riscos de serem atingidos por boatos e armações de seus opositores, que alimentam redes de intrigas nas redes sociais. Como se não bastasse isso, a compra de votos torna-se intensa e quem dorme contando com a vitória poderá acordar com grande redução no número de eleitores e, portanto, derrotado. É bom ficar de olho nas movimentações das malas pretas.

Motivar é preciso

O que farão Valadares Filho (PSB), Belivaldo Chagas (PSD), Eduardo Amorim (PSDB) e os demais candidatos a governador para motivar os mais de 35% dos sergipanos que não têm candidatos a irem às urnas no dia 7 de outubro? Tem eleitor que garante que não vai votar de forma alguma. Mas também há aqueles que dizem abertamente que “se rolar uma garoupinha dá pra conversar”.

Assédio mútuo


Existe um assédio mútuo entre candidatos e eleitores. Os primeiros importunam os segundos e vice-versa. Os primeiros querem votos, enquanto os segundos querem dinheiro, favores e coisas do tipo. Às vezes mesmo não gostando, muitos eleitores parecem gostar da importunação porque é uma forma de ganhar atenção positiva, de ser cumprimentado ou de ser lembrado.


Onde está o dinheiro?


Diariamente, na Assembleia Legislativa de Sergipe, dezenas de eleitores rondam nos corredores perguntando a funcionários e jornalistas em que gabinete pode ter “uma ajudazinha para fazer a feira ou pagar água e luz de suas casas”. Em nenhum, é claro. Pelo menos é o que dizem os consultados.


Igreja neutra


A cúpula da Igreja Católica em Sergipe parece em cima do muro em relação ao candidato Jair Bolsonaro cuja plataforma consiste na negação de todos os valores cristãos. Por que esse comportamento? Não querer misturar religião com política? Ou será essa atitude um ato de omissão, acreditando que possa existir neutralidade?


Campanha de Esmeraldo


O candidato a deputado estadual Esmerado Leal (PT) tem recebido muitos comentários positivos sobre a campanha que desenvolve. As pessoas destacam sempre o diálogo direto com elas, sem o intermédio do cabo eleitoral. Ele explica: “faço uma campanha verdadeiramente militante em que dirijo meu próprio carro e não tenho à disposição uma equipe paga, etc. Ou seja, realizo uma campanha fora dos eixos da prática tradicional e com viabilidade eleitoral”.


Reforma inacabada.


Iniciada em 2013, a reforma da Catedral Metropolitana de Aracaju somente deverá ser encerrada em 2020 ou 21, 22, 23... Se houver dinheiro para isso.


Carreatas 1


As carreatas das campanhas eleitorais são importantes porque elas dão visibilidade aos candidatos ou às coligações, mostram, pelo seu número, a quantidade de adesão popular. Dão um ar de triunfalismo, mesmo que irreal, com seus fogos, falas em autofalantes, porém causam um transformo enorme aos motoristas fora delas que precisam se deslocar no espaço urbano que também é seu. Algum dia isso terá de ser melhor organizado.


Carreatas 2


Ainda me referindo a carreatas, vale observar que quaisquer 50 carros enfileirados e a uma distância de três metros um do outro ocupam umas três ou quatro quadras, o que dá a ideia de “uma imensa manifestação pública” e causa um baita de um engarrafamento.


Feminicídio esquecido


Embora seja um dos maiores problemas sergipanos na atualidade, o feminicídio (o assassinato de mulheres por homens justamente por serem mulher) não tem entrado na agenda de candidatos de todos os candidatos. Deveria estar presente, de modo especial, em todos os discursos de todas as mulheres.


Figura decorativa


Michel Temer, antes de tornar-se presidente, escreveu carta em que reclamava que um vice decorativo. Agora presidente, como presidente, também se tornou um presidente decorativo. Vive cumprindo tabela, com diversos processos judiciais esperando por ele ao deixar o cargo em primeiro de janeiro de 2019.


Direitos humanos


Em 2018, a Declaração dos Direitos Humanos da ONU completa 70 anos. Criada em 1948, com o fim da II Guerra Mundial, muito do seu conteúdo não é aplicado por Sergipe e pelo Brasil. É um documento que continua muito atualíssimo. Por falar nessa declaração, quando o estado brasileiro vai dar uma resposta ao povo brasileiro sobre a execução da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson?


Haddad não é radical


Tem gente querendo confundir os eleitores. Fernando Haddad não é candidato radical, mas um professor universitário moderado de esquerda. O extremismo vem da parte de Jair Bolsonaro, com seu radicalismo de direita, algo nunca conhecido na história eleitoral do Brasil. Os partidos da extrema esquerda brasileira são o PSOL e o PSTU.


Embromação


Uma coisa não muda em qualquer eleição sergipana. Estamos falando da exploração eleitoral dos pobres, das minorias e dos excluídos. Os candidatos são tão bem intencionados que, se fizerem um pouco do que prometem, já estaríamos vivendo num paraíso social há muito tempo.


Os folclóricos


Em 2018, a aparição de candidatos "exóticos" ou como nomes assim rotulados foi reduzida no rádio e na TV. Isso pode significar que a política está ficando mais séria ou profissionalizada?


Vale a cola


Tendo que votar seis vezes nessa eleição geral, os leitores de todos os grupos sociais terão de levar a sua "cola". A colocação de listas de todos os candidatos para todos os mandatos pela Justiça Eleitoral sempre ajuda aos eleitores menos organizados.


Em família


Em três Estados brasileiros, filhos candidatos a governador e pais ao Senado aparecem em boas condições de disputa. Em Sergipe, Valadares Filho e ACValadares, no Pará, Hélder Barbalho e Jáder Barbalho e Alagoas, Renan Filho e Renan Calheiros.


Fora de época

João Goulart Filho (PPL) parece ser um presidenciável fora de época. Ninguém o conhece e somente pessoas com mais de 60 anos, historiadores e cientistas políticos lembram que seu pai foi presidente do Brasil e retirado do cargo por imposição do regime militar no país, no famoso golpe de 1964.


Campanha sem grana


Partidos e candidatos sem dinheiro. Por isso, poucas bandeiras nas ruas e pouca gente trabalhando nas campanhas. Tempos ruins.


Saumíneo efetivado


O economista Saumíneo Nascimento foi efetivado no cargo de Superintendente Geral do Grupo Tiradentes, que tem como expoente da UNIT. Ele tinha assumido o cargo interinamente no primeiro semestre deste ano.



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
16/09
20:15

Coluna Primeira Mão

Candidatos renunciam

Quinze dos 518 candidatos que solicitaram registro de seus nomes para disputar cargos eletivos em outubro próximo renunciaram às suas candidaturas. Conforme o TRE-SE, outros seis foram indeferidos e ingressaram com recursos e há ainda 44 indeferidos.

Questão de cor


Quando indagados sobre a cor, 279 candidatos informaram ao Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe que se consideram pardos, 173 brancos, 61 negros, três amarelos e dois indígenas.


Bom nível educacional


Entre os candidatos a cargos eletivos, apenas dois não sabem ler e escrever. Entre os demais 224 têm curso superior completo, 157 têm o curso médio, 54 o superior incompleto, 35 o ensino fundamental completo, 25 o curso médio incompleto e 21 o ensino fundamental incompleto.


Votos de presidiários


Os brasileiros necessitam repensar o voto para os presidiários. Se, por um lado, esse voto significaria uma forma de chamar a atenção para as desumanas condições das nossas prisões, por outro correria o risco de transformar facções criminosas em verdadeiros partidos políticos.


Disputa em atrito


A disputa pelo Senado, em Sergipe, vai ter muito bate-boca daqui para a frente. O senador Valadares, que estaria na frente, pega “porradas” de todos os demais candidatos, que também não se poupam e fazem acusações mútuas. Jackson Barreto, Rogério Carvalho, Heleno Silva e André Moura querem a segunda cadeira. Também estão no páreo Henri Clay e Reynaldo Nunes.


Estudantes esquecidos


É grande o número de estudantes universitários que moram em cidades do interior e frequentam faculdades e universidades em Aracaju. Poucas prefeituras ajudam a pagar essas despesas, a maioria cobrando passagens caras. Nessas eleições certos candidatos têm dito que darão atenção a esse numeroso grupo de estudantes esquecidos pelos prefeitos e vereadores de suas cidades.


Voto difícil


Existem muitos candidatos jovens que esperam conquistar os votos de eleitores adolescentes e jovens como eles. O grande problema desses candidatos reside na alta rejeição desse eleitorado aos políticos e à política. Convencê-los a sair de casa ou da praia para votar é uma das tarefas mais difíceis para qualquer candidato nas eleições de outubro próximo.


Turma de Temer com Bolsonaro


Os bons companheiros do presidente Michel Temer nem sequer falam o seu nome. Preferem lembrar sempre do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Isso acontece na campanha eleitoral em Sergipe e nos demais Estados do Brasil. Agora já mostram certa simpatia pelo presidenciável Fernando Haddad. Mas fala-se muito quem a turma de Temer vai votar com Bolsonaro.


Belivaldo confiante


Desde a quarta-feira passada que o candidato a governador Belivaldo Chagas (PSD) e seus apoiadores mostram-se mais empolgados com a campanha eleitoral. Dizem que ele estará no segundo turno na disputa contra Valadares Filho (PSB). Mas Eduardo Amorim aposta que sairá das urnas vitorioso. É bom esperar para ver.


É fake News


Circula nas redes sociais uma pesquisa anunciando que Jair Bolsonaro vence a disputa eleitoral em todos os Estados brasileiros. Isso não bate com a realidade. Ao menos por enquanto.


Convívio com o cão


O deputado estadual Luciano Pimentel trabalha no sentido de viabilizar a visitação de cachorros a seus donos doentes em hospitais. A proposta não é nada boa e pode até piorar (contaminando e ampliando infecção hospitalar) o ambiente nada agradável das casas de saúde de Aracaju. É melhor mandar o doente para sua casa.


Instituto Histórico

 

 
 


O Estado brasileiro (nos seus três níveis) é um desastre quando se trata de fiscalização. As autoridades do Rio de Janeiro, apesar das recomendações para que medidas fossem tomadas para proteger o Museu Nacional, nada fizeram e, assim, permitiram que o fogo destruísse um acervo que não tem reparação. Em Sergipe, valeria a pena as nossas autoridades fazerem fiscalização do estado de conservação do Instituto Histórico e Geográfico, bem como de todos os museus estaduais.


Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
08/09
19:18

Coluna Primeira Mão

Presente de grego

 

A presidenciável do PSTU, Vera Lúcia, anunciou ontem, no interior de São Paulo, parte de seu projeto de socialização de bens do país, caso seja eleita em outubro próximo.  “Dos mais ricos vamos expropriar, estatizar e colocar sob o comando dos trabalhadores; fim de isenções fiscais e com certeza cobrar muito mais impostos dos ricos.   Mas, como pode ver, não basta taxar as grandes fortunas. É preciso socializá-las”.

 

On the road

 

Os candidatos tendem a fazer elevados gastos de campanha com combustíveis para seus carros, de assessores e de alguns apoiadores mais pobres e que somente participam de eventos se ganharem, pelo menos, um tanque de gasolina, álcool ou diesel. Os gastos também são motivados por carreatas e viagens para manifestações públicas variadas e reuniões no interior do Estado.

 

É bom pensar

 

Todo 7 de setembro é uma boa ocasião para os brasileiros refletirem sobre a quantas anda o seu nacionalismo. Os brasileiros estão contentes com a venda de estatais, com a desindustrialização da nossa economia, com a venda de grandes partes do nosso território a estrangeiros, com a transformação do Brasil em grande "colônia" exportadora de commodities, etc?

 

Debate de vices

 

Como os vices são os substitutos dos titulares dos governos estaduais, seria bom realizar um debate entre eles antes do primeiro turno da disputa eleitoral deste ano. Caso isso já esteja inviável, porque não fazer antes do segundo turno?  Quem toparia promover?

 

Prestação de contas

 

A prestação de contas dos deputados estaduais que estão no exercício do mandato, salvo engano, não tem sido feita. Eles devem explicar ao eleitorado sergipano o que fizeram durante os últimos 4 anos. Esse é o mecanismo para justificar a reivindicação de um novo mandato.

 

Luciano na disputa

 

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SE) acatou o pedido de registro de candidatura do deputado estadual Luciano Bispo (MDB). Não viu nenhum impedimento legal.

 

Chama o Meirelles

 

O candidato do MDB à Presidência da República, Henrique Meirelles, nem parece que está na disputa. Sozinho, usa o espaço do horário eleitoral para dizer que trabalhou no exterior e ainda com Lula, Dilma e Temer. Não aparece sequer um amigo para dizer para a mulher do ex-ministro que “chama o Meirelles” (pra casa).

 

Gente demais

 

Desde que o capitão Oliveira foi assassinado, em 04 de abril, alguns envolvidos no crime têm morrido em confrontos com a polícia. Há casos de prisões também. Parece que a morte do PM, que comandava o Grupamento da Caatinga,  foi organizado por um Batalhão de Bandidos.

 

PF sem presídio

 

A Polícia Federal em Sergipe ainda não tem sua carceragem. Os presos "federais" são encarcerados nos presídios estaduais. Os políticos sergipanos bem que poderiam adotar a bandeira para os próximos anos.

 

Propositura

 

O Governo do Estado foi buscar o apoio dos deputados na Alese para aprovar o projeto de redução de 90% dos percentuais de multas e juros sobre dívidas de ICMS. Com a aprovação, o governo permite que mais de 10 mil empresas do Estado possam sanar suas dívidas e expandir seus negócios.  Segundo a Secretaria da Fazenda, a iniciativa abre caminho para incremento da atividade econômica principalmente no período de final de ano e a possibilidade de geração de mais empregos no Estado.

 

As opções

 

“A tragédia no Museu Nacional mostra que o capitalismo rouba o nosso passado, o nosso presente e o nosso futuro. Não há a menor condição de termos investimentos para a cultura e a educação sem parar de pagar a dívida pública aos banqueiros. Esse país precisa de uma rebelião! O comentário é da candidata a presidente da República pelo PSTU, a pernambucana/sergipana Vera Lúcia.

 

Mulheres de Peito

 

A bem falante líder do grupo de mulheres com câncer, autodenominado "Mulheres de Peito", é candidata a uma vaga na Assembleia Legislativa. Pode ganhar (quase certo que não ganhará) a eleição, mas pode fazer considerável estrago aos candidatos a governador. A população sergipana tinha simpatia pelas lutas do grupo brigando por tratamento oncológico.

 

Barulheira geral

 

Uma mudança sobre o que não fazer os candidatos nas eleições de 2018 é a proibição de uso de carro com auto-falante tocando jingles e repetindo falas dos candidatos nos bairros de Aracaju. Isso era o inferno para os moradores dessas localidades. Os candidatos contratavam esses serviços para a divulgação que ficavam horas e dias repetindo mensagens não pedidas pelos eleitores. Isso foi um progresso. O problema é que o caminhão dos vendedores de ovos faz essa poluição sonora indesejada o ano inteiro ( "trinta ovos por dez reais"). O mesmo acontece com os locutores nas lojas de comércio popular.

 

Parou por quê?

 

A greve dos médicos municipais já passou dos 45 dias e a Prefeitura e o grupo paredista não entraram em acordo. Pelo visto até agora, essa categoria de médicos funcionários públicos precisa repensar o seu papel na saúde dos aracajuanos. O "normal" seria a população que necessita de seus serviços protestar contra a Prefeitura ao lado dos médicos.

 

Quantos são?

 

O setor de inteligência da SSP já identificou quem são os quase 300 membros do PCC, facção  criminosa que supostamente atuaria dentro e fora dos presídios sergipanos. Segundo agente penitenciário experiente, esses números parecem exagerados. Para ele, nas cadeias de Sergipe haveria no máximo 10 criminosos dessa organização. Se os números divulgados esta semana forem corretos, providências precisam ser tomadas com certa urgência.

 

Faixa azul

 

A Justiça já decidiu    que todo e qualquer veículo pode trafegar na área que seria exclusiva para o transporte coletivo, mas os condutores evitam usá-la. Ainda temem multas.

 

Água mineral

 

Como há muitas dúvidas sobre a qualidade da água mineral comercializada em Sergipe, não seria oportuno testar todas as marcas à venda?

 

 



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
Primeira « Anterior « 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos