30/04
11:21

PSTU lança livro e apresenta a pré-candidatura da operária Vera Lúcia à Presidência da República em Aracaju

O evento acontecerá quinta-feira, 03 de maio às 18h30, no Clube Cotinguiba

A operária sapateira Vera Lúcia será apresentada como a pré-candidata do PSTU à Presidência da República, ao lado de Hertz Dias, professor e ativista do Movimento Hip Hop Militante ‘Quilombo Brasil’. O evento acontece quinta-feira, dia 03, às 18h30, no Clube Cotinguiba, no bairro São José, em Aracaju.


No evento intitulado “Um Chamado à Rebelião: o Brasil Precisa de uma Revolução Socialista”, o PSTU apresenta uma chapa operária, negra, nordestina e socialista. “Sabemos que as eleições nada mudam, pois são um jogo de cartas marcadas dos bancos, empreiteiras e grandes empresários. Para mudar de verdade, esse país, precisa de uma revolução socialista que o liberte da dominação dos grandes bancos, empresas estrangeiras e os governos dos países ricos, e ponha fim ao capitalismo que só traz pobreza e miséria”, afirma Vera Lúcia.


A Chapa


Vera Lúcia é operária sapateira natural do Sertão pernambucano. Mudou-se para Aracaju, capital de Sergipe, ainda pequena, fugindo da seca. Entrou na fábrica de calçados ainda jovem, onde organizou o sindicato e liderou as lutas da categoria. Desde então é uma lutadora social. É formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Sergipe.


Hertz Dias é militante do movimento negro e do hip hop há 30 anos. Fundou o movimento Quilombo Urbano do Maranhão. Formado em História, é mestre em educação e leciona na educação básica do estado maranhense. É vocalista do grupo Gíria Vermelho e coordenador do Movimento Hip Hop Militante ‘Quilombo Urbano’.


Sergipe


No evento, será a apresentada a pré-candidatura da petroleira Gilvani Alves ao governo de Sergipe. Gilvani é diretora do Sindicato dos Petroleiros de Sergipe e Alagoas (Sindipetro AL/SE) e do Movimento Mulheres em Luta (MML).


Livro


Após a apresentação das pré-candidaturas, a Editora Sundermann, que comemora aniversário de 15 anos, lança o livro “Teses Programáticas: o Brasil Precisa de uma Revolução Socialista”. A obra é resultado de um amplo debate, um esforço coletivo da militância do PSTU para apresentar um programa socialista para o país.



Política
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/04
18:47

Ciclos repressivos contra professores universitários pelo regime militar

Afonso Nascimento - Professor de Direito da UFS



O historiador Rodrigo Patto publicou há quatro anos um livro sobre a relação entre as universidades e a ditadura militar (MOTTA SÁ PATTO, Rodrigo. As universidades e o regime militar. Rio de Janeiro: Zahar, 2014) tornado imediatamente num clássico. Até onde vai nosso conhecimento sobre a matéria, não existia nada semelhante no mercado editorial brasileiro. Depois de alguns anos de pesquisa, ele conseguiu, usando fontes documentais e entrevistas sobretudo, pôr de pé um livro que trata da relação mencionada como um todo, com o que dizemos que enfoca dirigentes, professores, estudantes universitários e servidores no período de 1964 a 1985.

O livro nos agradou bastante, mas nós não vamos fazer a sua resenha. Ainda assim, queremos dar mais algumas informações sobre ele para o leitor interessado. O sumário do livro de Patto praticamente oferece um roteiro para pesquisadores que desejem abordar o tema nos diversos estados brasileiros, tendo concentrado a sua atenção nas grandes universidades brasileiras (USP, UFRJ, UNB, UFRGS, UFMG etc.). Ele trabalha com um quadro teórico que toma a cultura brasileira como tendo “marcas centrais a flexibilidade, a recusa a definições rígidas e a negação dos conflitos, que são evitados ou escamoteados por meio de ações gradativas, moderadoras, conciliatórias e integradoras”. Isso é dito na introdução da obra.

A nossa releitura do livro do historiador mineiro partiu da constatação da ausência de estudos que abordem o problema da repressão do regime militar sobre os professores universitários no período em questão. Desde que tomamos como interesse pesquisar sobre o regime militar, percebemos que historiadores e outros acadêmicos têm escolhido para suas pesquisas o maior protagonismo dos estudantes universitários, sobre o que já existe uma bibliografia considerável no Brasil. Mas, enquanto professor universitário, sentíamos falta de um livro que focasse nessa categoria de professores de forma aprofundada. Foi isso o que fomos buscar na obra de Rodrigo Patto.

No livro de que estamos a tratar, o seu autor dedica dois capítulos a propósito da repressão contra os professores universitários de diversas universidades federais – embora neles também aborde outros grupos como dirigentes, estudantes e servidores. “Operação limpeza” e “O novo ciclo repressivo” são os seus títulos, sendo o primeiro relativo ao ciclo repressivo ocorrido em 1964 e o outro em 1969.

A nossa intenção aqui é pôr em relevo as principais práticas repressivas (aposentadorias compulsórias, demissões, pressões para afastamento, detenções, torturas, etc.) dos militares e dos demais agentes da repressão contra os professores das grandes universidades federais brasileiras. No capítulo 7 do livro, Patto apresenta uma tipologia dos agentes universitários que, como já o dissemos acima, rompe com velhos modos de tratar do assunto, classificando-os como adesistas, colaboradores e acomodados. Ler isso foi importante para nosotros porque sempre trabalhamos com a oposição entre resistentes e colaboradores (resistência e colaboração), seguindo a classificação inspirada na França ocupada pelos nazistas durante a II Guerra. Existe outra classificação muito útil mencionada pelo autor que reúne os mesmos professores em três grupos: dirigentes, professores ordinárias e elites científicas.

A repressão aos professores universitários era fundamentada pelos militares a partir de um diagnóstico muito simples: se havia professores simpatizantes de ideias de esquerda, marxistas ou não, vinculados ou não a partidos e a organizações de esquerda, militantes ou não, eles deveriam ser afastados do espaço universitário. Por que assim? Os militares entendiam que as universidades federais eram espaços de recrutamento de estudantes para os grupos de esquerda. E os professores tinham tudo a ver com isso.

Os militares dedicaram especial atenção aos professores dos cursos universitários que tinham maior proximidade com a realidade social, ou seja, os cursos das ciências sociais e humanas. Era nesses cursos que havia uma maior “esquerdização” da juventude universitária – embora em cursos das ciência natureza seus professores também fossem visados. O curioso é que o autor mostra que, em alguns casos, eram os estudantes que sensibilizavam os professores para as ideias de esquerda. O que fazer diante de um tal quadro encontrado com o golpe de 1964? Reprimir esses professores, homens e mulheres, dos espaços universitários foi a resposta encontrada pelos homens das casernas.

No primeiro ciclo repressivo sobre os professores universitários, ocorrido em 1964, os militares intervieram em seis (6) reitorias de universidades, isto é, UFPB, UFRGS, UFRRJ, UFES e UFG, sendo, nesses casos, os seus reitores afastados e, em outros mais, levados a afastar-se ou a renunciar (como no exemplo da UFPE). Isso também aconteceu em escolas superiores, faculdades e institutos de pesquisa. Os militares providenciaram em seguida a abertura de Inquéritos Policiais Militares (IPMs) e fizeram autoridades universitárias constituir comissões de sindicância ou comissões de inquéritos em suas próprias universidades.

Teve lugar, assim, uma ampla “degola” de professores em todas as regiões do país, em algumas universidades mais do que outras. Não é demais lembrar que esses expurgos obedeciam a critérios ideológicos e o número de atingidos girando em torno de cem pessoas. Para não cansar o leitor com a enorme lista de professores atingidos pelas medidas repressivas, citaremos alguns nomes mais conhecidos: Wanderley Guilherme dos Santos, Florestan Fernandes, Darcy Ribeiro, Paulo Freire, Herbert José de Souza (Betinho), Simon Schwartzman, etc. Segundo o autor, houve detenções e prisões etc., mas não houve tortura física, só psicológica. Muitos desses professores e outros possuíam algum vínculo com o Partido Trabalhista Brasileiro(PTB), o clandestino mas influente Partido Comunista Brasileiro (PCB) e com a organização Ação Popular (AP) ou professavam ideias de esquerda tout court.

O segundo ciclo repressivo aconteceu em 1969 e não passou senão, na verdade, da continuação do primeiro, posto que os militares achavam que não tinham feito o trabalho completo, ou seja, a obra de repressão tinha ficado inacabada com a permanência ou o retorno de professores ditos esquerdistas aos meios universitários. Dessa feita, num momento de radicalização das forças armadas com a edição do Ato Institucional no.5, os militares se serviram de dois instrumentos jurídicos para continuar a “Operação Limpeza”, a saber, Decreto-lei no.477 (quase sempre lembrado como dirigido apenas aos estudantes) e do Ato Complementar no.75 (que proibia contratação de professores punidos por outras universidades públicas e privadas ou por centros de pesquisas.

Também no segundo ciclo, o critério para as ações repressivas foi o ideológico, e, do mesmo modo que no primeiro ciclo, existiram casos de professores que deduraram colegas por razões pessoais, com fundamento real ou falso. Eis aqui algumas universidades que tiveram professores atingidos: UFMG, USP, UFRJ, UFRGS, UNB, UFPB, UFPA, UFBA, UFRN, UFRRJ, UFJF e UFG. Citamos agora alguns nomes de professores atingidos no segundo ciclo: Florestan Fernandes, Emília Viotti da Costa, Fernando Henrique Cardoso, José Arthur Giannotti, Octavio Ianni Jean-Claude Bernadet, Paul Singer, Paula Beiguelmann Maria Yedda Linhares, entre outros. Quanto aos dirigentes afastados, reitores e diretores, vale listar, entre outros mais, os nomes de Hélio Lourenço, Gerson Boson, Ângelo Ricci, Rodolfo Behring e Lourival Vilela.

Antes de concluir essas anotações, devemos dizer que aqui não foram elencados professores ligados às ciências da natureza, que muitos professores foram obrigados a exilar-se em outros países, que professores foram presos e torturados em quartéis e que só é citado o caso de um professor morto – embora em determinada passagem do livro seja dito que alguns foram mortos. Nos dois capítulos mencionados, o historiador Patto não trata das ações repressivas sobre os professores universitários promovidas pelas Assessorias Especiais de Segurança e Informação. Num balanço muito rápido, é preciso ressaltar que o regime militar causou um enorme prejuízo à comunidade científica brasileira ao impedir que quadros docentes pudessem se reproduzir e praticar o magistério, continuar pesquisas em andamento e desenvolver projetos de extensão socialmente importantes, também brecados. Naturalmente, a direita universitária que já era majoritária nos campi do país inteiro saiu fortalecida desse processo repressivo – da mesma forma que aconteceu com a política partidária.



Coluna Afonso Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
28/04
17:42

Coluna Primeira Mão

Educação superior

Não se trata uma informação oficial, mas há comentários que dão conta de que as instituições privadas de ensino superior estabelecidas em Sergipe que atuavam mais vinculadas ao PROUNI e ao FIES perderam muitos alunos e hoje trabalham com contenção de custos. Há quem diga que as vagas ociosas na terra do Cacique Serigy atingem algo em torno de 50%. Mas estariam abaixo do Rio de Janeiro (57,8%), São Paulo (57,3%) e Bahia (56,8%).


Brasil em crise


O Brasil tem hoje 13,7 milhões de desempregados. Em março, o desemprego atingiu 13,1% (acumulado do trimestre), segundo o IBGE. E este é o país que vai pra frente.


Pacote pronto


Há comentários de que os municípios que vão receber verbas federais para os festejos juninos em Sergipe também terão direito aa um “pacote” de artistas indicados pelos políticos que conseguiram o dinheiro e pelos Ministérios da Cultura e do Turismo. Eu ouvi isso de dois prefeitos, lá na Confraria. Segundo eles, não dá para contratar nenhum artista de Sergipe, exceto aqueles dois ou três que estão credenciados nos dois ministérios. São poucos.


Agora vai...


Parece piada, mas não é é. Uma série de municípios sergipanos sem nítidas vocações turísticas criariam secretarias e turismo e geraram estruturas e gastos à-toa.


O agro é tóxico


O uso de agrotóxico tem se tornado intenso no ambiente de produção rural de Sergipe. Os próprios produtores dizem que tem sido mis comum em Itabaiana, Ribeirópolis, Frei Paulo, Lagarto, Tobias Barreto, Boquim, Poço Verde...


Demissões na Seides


Onde tem fumaça, há fogo. Os comentários que circulam nos meios políticos dão conta de que Estão ocorrendo muitas demissões na Secretaria de Estado da Inclusão e do Desenvolvimento Social.


Comendo aquilo


Em ano eleitoral, os políticos buscam sempre uma maior aproximação com quem tem direito a voto. É por isso que tem muito político em restaurante popular, em Aracaju, comendo à quilo. Assimilaram que todo político deve ir aonde o povo está.


Conceição no Samu


Os comentários que circulam entre políticos da base governista dão conta de que a enfermeira Conceição Mendonça será a próxima superintendente do Samu estadual. Ela, atualmente, faz parte da equipe do Tribunal de Justiça, mas é concursada do Samu. É natural de Areia Branca, humilde e muito querida pelos servidores da Saúde.


Imprevidência


O INSS é a instituição estatal que cuida da previdência social no Brasil. Na semana que passou houve o desabamento parcial de seu telhado e o órgão foi interditado. Isso é o que pode ser chamado de imprevidência administrativa. Lamentável essa falta de fiscalização. Ainda bem que não houve mortes.


Carlos Britto na ABL


O leitor desta coluna pode anotar que o ex-ministro do STF Carlos Britto será o próximo nome a ingressar na Academia Brasileira de Letras. Pessoas próximas dele dizem que ele tem esse desejo. Ele estava na ABL na posse de Joaquim Falcão, deu entrevista e dias depois foi o entrevistado do programa de Roberto D'Ávila. Recitou rápido poema. Se alguém ouvir por aí que ele é o candidato da Globo, pode acreditar que sim.


Identidade nacional


A intervenção da SSP no órgão que estava emitindo carteiras de identidade para criminosos de outros estados chamou mesmo a atenção dos sergipanos. Falar em intervenção dá entender que o órgão estava mesmo contaminado. Esse caso mostra que é mesmo urgente a criação da carteira nacional de identidade. Esse projeto foi aprovado no Congresso, mas ainda não foi posto em prática.


Bulindo no vespeiro


Os responsáveis pela Operação Caça Fantasma se quiserem saber em que instituições dos três poderes estão os fantasmas basta procurar saber quem indicou essa gente para cargos comissionados. Mas aí vão mexer num vespeiro.


Sempre vítima


A mais durona das pessoas, se não tomar cuidados, chora ao ouvir uma entrevista do ex-prefeito de Capela Sukita. Ele fala sobre si na terceira pessoa, é a maior vítima de todas as injustiças imagináveis e tem muita fé em Deus. Senhor piedade.


Condenação esperada


Não chamou a atenção de ninguém a condenação dos deputados estaduais Augusto Bezerra e Paulinho da Varzinhas. O que mereceu destaque foi o tempo de prisão de mais de 12 anos para os dois. Um deputado estadual movido Lexotan comentou que talvez seja melhor que os processos seus e de seus colegas sejam julgados em primeira instância. O foro privilegiado a quem têm direito está parecendo ser um privilégio a ser descartado.


Hino de Sergipe


Esta coluna apoia as movimentações no sentido de revogar o atual Hino de Sergipe e fazer um outro. Isso é fácil pouca gente o conhece. A letra é uma aberração poética e a melodia é de uma pobreza musical singular. Fazer um concurso nacional é o ideal mas, sem preconceitos, duplas sertanejas não devem ser admitidas na competição para o melhor trabalho.


Sobre pesquisa


A publicização de pesquisa sobre as intenções de voto dos sergipanos para as eleições deste ano tem dado muito o que falar. Ela retrata um momento em que muitos candidatos aparentam ser desconhecidos dos eleitores e mostra o grande desinteresse destes pelas próximas eleições. As preferências dos eleitores ainda estão muito longe de sua decantação.


Marcação da oposição


É urgente a necessidade de uma investigação mais profunda da Operação Caça-Fantasmas também na atual gestão de Edvaldo Nogueira. O Sepuma denunciou que Edvaldo atestou a frequência de funcionários fantasmas em seu próprio gabinete
, segundo o vereador Elber Batalha (PSB). Um vereador governista comentou com a coluna que “isso não passa de raiva de derrotados.


Lei Seca


O objetivo da "lei seca" é parar e multar motoristas que dirigem embriagados. Nós fins de semana, quando muita volta da praia, dos sítios e de casas de praia, são os momentos ideais para serem feitas essas operações. O problema está nos resultados muito baixos apresentados na segunda-feira pelas autoridades. Ou os responsáveis fazem corpo mole ou recebem ordem para multar poucos motoristas ou são poucos os quadros disponíveis para essas operações ou fazem barreiras em lugares impróprios ou algo mais por aí. Pois gente embriagada dirigindo em Aracaju é o que tem de sobra.


Figura decorativa


Quem não se lembra da carta escrita por Michel Temer, choroso, reclamando a ex-presidente Dilma Rousseff que, nos seus mandatos, ele tinha sido uma figura decorativa? Agora, mesmo presidente, o seu governo acabou e ele se tornou de fato uma verdadeira figura decorativa. A derrota da reforma da previdência e as eleições deste ano são responsáveis por sua confiança de presidente decorativo, que apenas vai cumprir tabela esperando 2018 acabar.


Dr. Net


Muita gente em Sergipe anda se automedicando após fazer consulta de produtos na internet. Há uma forte onda de modismo e na rede internacional de computadores busca-se medicamentos homeopáticos e alopáticos para gripe, pneumonia, tuberculose e até câncer. Loucura total. E geral.



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
26/04
17:37

Exportações de Sergipe somaram US$ 23 milhões

 Exportações nordestinas crescem 3,8% no primeiro trimestre do ano

 

As exportações da Região Nordeste somaram US$ 3,9 bilhões nos primeiros três meses de 2018. Em comparação ao mesmo período do ano passado, houve incremento de 3,8% nas vendas externas. O levantamento do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), área de pesquisas do Banco do Nordeste, tem base em números divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e pode ser acessado na íntegra no endereço https://bit.ly/2JSazRV.

 O crescimento foi devido à comercialização de produtos básicos, que registraram aumento de 27%, e dos semimanufaturados, com avanço de 10% nas exportações. As vendas de algodão (+ 224,6%), bagaço de soja (+ 50,9%) e soja (+ 22%) foram os destaques dos produtos básicos, enquanto as vendas de pasta química de madeira (+ 65,8%) ganharam relevância entre os semimanufaturados.

Os principais parceiros comerciais do Nordeste (Estados Unidos, China e Argentina) responderam por 44,8% das exportações. No período de janeiro a março deste ano, relativamente ao mesmo período de 2017, os embarques para os Estados Unidos e Argentina aumentaram 16,5% e 28,4%, respectivamente.

Sergipe


As exportações de Sergipe somaram US$ 23 milhões no primeiro trimestre de 2018, o que representou um crescimento de 21,6% no total registrado no mesmo período de 2017. Esse resultado decorreu, principalmente, do aumento de 99,4% do valor e de 109,8% da quantidade exportada de suco de laranja, principal produto da pauta de exportações (56,3%).

  No estado, o açúcar é o segundo produto mais exportado (10,4%), seguido pelo setor de calçados, que representa 4,8% do total de itens comercializados           externamente no período. Com relação à pauta de importações, o principal produto comprado no estado é o sulfato de amônio (13,9%), empregado como fertilizante. Em    seguida, aparecem o trigo e misturas de trigo (11,7%), e coque de petróleo, que respondem por 8,9% dos produtos importados no início de 2018.


Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
26/04
12:33

UFS TEM MAIOR ÍNDICE DE APROVAÇÃO NO BRASIL: Número de aprovados na segunda fase do Exame de Ordem sobe 7%

O maior índice de aprovação foi da Universidade Federal de Sergipe, que teve 90% dos candidatos aprovados, seguida da Federal Rural do Semiárido do Rio Grande do Norte, com 84%, e da USP Ribeirão Preto, com 81,4%.

Das 30 faculdade de Direito com mais de 20 inscritos no Exame de Ordem, só três são particulares: o Instituto Brasilense de Direito Público (IDP), a PUC do Rio de Janeiro e a PUC de São Paulo. O IDP de Brasília foi a faculdade particular com melhor índice de aprovação do país, 73% dos inscritos. Em Brasília, teve desempenho mais uma vez superior ao da Universidade de Brasília (UnB), uma instituição pública federal.

O estado com maior destaque foi Minas Gerais, com três universidades entre as dez com mais aprovados no exame. A Federal de Minas teve 80,92% (123 aprovados) e a Universidade Federal de Juiz de Fora, com os campi principal e de Governador Valadares, obteve 79,7% e 75% de aprovação, respectivamente.

Veja o ranking:

Universidades

Presentes

Aprovados

Percentual

Universidade Federal de Sergipe - UFS

30

27

90%

Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA (Mossoró-RN)

25

21

84%

Universidade de São Paulo - USP

27

22

81,48%

Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

152

123

80,92%

Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF (MG)

69

55

79,71%

Universidade Federal Fluminense - UFF (Volta Redonda-RJ)

33

26

78,79%

Universidade Federal do Ceará - UFC

91

69

75,82%

Universidade de São Paulo - USP

106

80

75,47%

Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF (Governador Valadares-MG)

36

27

75%

Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

95

71

74,74%

Universidade Federal do Espírito Santo - UFES

70

52

74,29%

Universidade Federal de Lavras - UFLA (MG)

50

37

74%

Escola de Direito de Brasília - EDB/IDP

52

38

73,08%

Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

35

25

71,43%

Universidade de Brasília - UnB

96

67

69,79%

Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

206

142

68,79%

Universidade Federal de Alagoas - UFAL

57

39

68,42%

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio

154

105

68,18%

Universidade Federal da Bahia - UFBA

196

133

67,86%

Pontifícia Universidade Católica - PUC-SP

63

42

66,67%

Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP

59

39

66,10%

Universidade Federal do Paraná - UFPR

50

33

66%

Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

138

91

65,94%

Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

128

84

65,63%

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

95

62

65,26%

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

110

71

64,55%

Universidade Federal Fluminense - UFF

145

93

64,14%

Faculdade Baiana de Direito e Gestão (BA)

75

48

64%

Universidade Estadual de Londrina - UEL (PR)

132

84

63,64%

Universidade Federal da Paraíba - UFPB

64

39

60,94%

 



Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
26/04
10:20

Circuito Sesc de Corridas acontecerá sábado

“Para você uma corrida é cheia de obstáculos? Supere o primeiro, inscreva-se”. Com este tema o Sesc está estimulando a população participar do Circuito Sesc de Corridas, que acontecerá neste sábado, 28/04, a partir das 15h, com quatro opções: percurso kids, revezamento pais e filhos e corridas de cinco e dez quilômetros. A ideia é realizar um evento acessível, visando reunir participantes de diversas faixas etárias em torno da prática esportiva.

 

O evento ocorrerá no Parque da Sementeira, a partir das 15h. As inscrições estão abertas na Central de Atendimento do Sesc no valor de R$ 30,00 (comerciário) e R$ 60,00 (usuário). O Sesc também proporcionará um momento de integração e entretenimento através de uma programação variada com jogos educativos, música ao vivo e espaço saúde aberto para o público.

 

O Regulamento e mais informações no 

www.sesc-se.com.br.



Esportes
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
26/04
00:10

Comprovante para declaração de IR dos servidores municipais pode ser obtido no portal da PMA

Na próxima segunda-feira, 30, encerra o prazo para que os contribuintes enviem suas respectivas declarações do Imposto de Renda (IR) à Receita Federal. Visando facilitar o acesso à declaração de rendimento retido na fonte, que é o documento fundamental para a respectiva declaração, no caso dos servidores municipais, a Seplog montou uma logística específica para atender aos que ainda não realizaram o procedimento: Além de disponibilizar no portal da Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA), na internet, será mantido um atendimento específico na Central de Atendimento (das 7h às 17h) no Centro Administrativo Aloísio Campos.

Para obter a declaração via internet, basta que o servidor acesse o portal da PMA (www.aracaju.se.gov.br), localize o Serviço de Atendimento ao Servidor (SAS), e entre com o número de sua matrícula e a senha previamente cadastrada, em seguida, é só imprimir a respectiva declaração.


Política
Com.: 0
Por Kleber Santos
25/04
23:05

Sergipe pode ser pioneiro em projeto que contempla 100% do estado com internet banda larga

Projeto vem sendo desenvolvido pela PTS Data Center Solutions – empresa vencedora da licitação realizada pela USTDA

A Agência dos Estados Unidos para o Comércio e Desenvolvimento (USTDA) manifestou interesse em investir em Sergipe na área de tecnologia da informação. Na última semana, o secretário de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), Rosman Pereira, e o diretor-presidente da Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação (Emgetis), Ezio Prata Faro, embarcaram para Washington (USA) com a missão de discutir a modernização da Tecnologia da Informação (TI) de Sergipe.

Durante a visita, custeada pela Agência americana, o secretário Rosman e o diretor-presidente Ezio debateram as versões finais dos projetos que permitirá uma cobertura 100% de banda larga em todo o estado. O projeto vem sendo desenvolvido há quase dois anos pela PTS Data Center Solutions – empresa vencedora da licitação realizada pela USTDA.

De acordo com o secretário Rosman Pereira, durante as reuniões foram abordados três pontos importantes para a tecnologia de Sergipe: a implantação da rede banda larga; o novo Data Center e a Segurança da Informação.

“Abordamos esses três pontos, mas priorizamos a internet banda larga”, disse Rosman, enfatizando que o projeto irá oferecer uma cobertura total do acesso de qualidade a internet e aos serviços do governo, aumentando a segurança das informações, e proporcionando uma economia de R$ 2,1 milhões para os cofres públicos.

Ainda segundo o secretário, a versão em português deve ficar pronta em maio. “Com a implantação desse projeto não teremos mais custos com links de internet”, disse, ressaltando que a parceria do Governo de Sergipe com a empresa americana proporcionará um grande ganho financeiro para o estado e irá melhorar a comunicação nas áreas da educação, saúde e segurança pública.


Política
Com.: 0
Por Kleber Santos
1 2 3 4 5 6 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos