31/05
16:13

Coluna Primeira Mão

TJSE fará escolha de um outro novo desembargador

Antes mesmo encerrarmos o primeiro semestre de 2015, o Tribunal de Justiça de Sergipe fará a substituição do terceiro desembargador. Vai se aposentar no dia 09 de junho o desembargador e ex-presidente do TJSE, Cláudio Déda. Parece que isso poderá representar a solução da crise gerada pela substituição da desembargadora Marilza Maynard, na semana retrasada, que culminou com a escolha, por merecimento, do juiz Diógenes Barreto. O caso foi parar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por causa de questionamento de nota ao juiz Marcel Britto além de merecer uma ação no próprio TJ sergipano (encaminhada pelo juiz Gilson Félix). A vaga que será deixada por Cláudio Déda também deverá ser preenchida pelo critério de merecimento. A primeira vaga disputada e que foi gerada pela aposentadoria da desembargadora Aparecida Gama contemplou a então juíza Elvira.


João Alves e Jackson dizem apenas que “ainda é cedo”


A quem lhe pergunta se será candidato à reeleição em 2016, o prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), diz somente: “sou candidato a fazer uma boa administração em Aracaju. Ainda é cedo para pensar 2016”. Já o governador Jackson Barreto (PMDB), que já deixou claro que não pretende disputar nenhum cargo eletivo em 2018, tem dito também que “é cedo para pensar 2018” e lembra que “nem sequer conclui o meu primeiro ano do atual mandato”. Mas a imprensa insiste e insistirá até que eles digam alguma coisa de concreta.



Chuvas geram esperança de boas safras em SE


As chuvas que atingiram todos os 75 municípios sergipanos podem não ter acabado a seca, mas, pelo menos, aliviaram o calor e garantiram a produção de milho, feijão, mandioca, inhame, batata doce, verduras e legumes para os próximos dias no Estado. Há um clima de entusiasmo no campo, principalmente no semi-árido (sertão), pois há ainda previsão de chuvas isoladas para os próximos dias. O tempo se mantém com condições acentuadas de chuva no Sul e Centro Sul do estado, com chuvas podendo chegar até 55 milímetros por segundo. Caso seja configurado esse quadro, os sergipanos só têm a comemorar e apostar na possibilidade de termos um 2015 sem seca, fenômeno da natureza que hoje atinge 171.802 habitantes (população assistida é de 74.021) nos municípios de Monte Alegre de Sergipe, Nossa Senhora da Glória, Poço Redondo, Frei Paulo, Canindé de São Francisco, Gararu, Porto da Folha, Itabi e Carira. 


Um porém - Mas, é bom lembrar, tem agricultor achando que choveu demais e com o solo encharcado haverá perda do que foi plantado.


Venâncio Fonseca retorna à Alese na terça-feira


O deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) reassume o seu mandato na Assembleia Legislativa de Sergipe na próxima terça-feira, 02 de junho. Fez consulta ao médico, já tirou fora o colete ed está pronto para os debates na Casa. Fonseca sofreu um acidente de carro no dia 27 de fevereiro deste ano, próximo a cidade Areia Branca, a 36 Km de Aracaju, quando se dirigia para São Domingos e por causa disso ficou três meses afastado das atividades parlamentares.



Fusão? Não


Aquela ideia da turma do PSB e PPS de se fundirem em uma única agremiação política foi para o “beleleu”. A reforma política foi pífia e não há a necessidade disso mais. Mas o projeto de aliança para as eleições de 2016, esse ainda deve entrar em discussão.



Procon faz operação “Love Story” em motéis de Aracaju


O Procon Municipal de Aracaju deflagra nesta segunda-feira a Operação ‘Love Story’., às 8 horas, e prossegue até o dia 12, quando será comemorado o Dia dos Namorados. De acordo com Nubem Bomfim, coordenador de Fiscalização do Procon, o órgão de proteção e defesa do Consumidor, pretende verificar as condições de funcionamento dos estabelecimentos e apurar possíveis irregularidades. Ele informa ainda que a operação será lançada em virtude da proximidade do dia dos namorados.. Os motéis onde houver irregularidades terão um auto de infração lavrado, que poderá resultar numa simples advertência, além de interdição e outras penalidades. “Nós vamos observar se os estabelecimentos disponibilizam para os clientes a tabela de preços em local visível, a indicação do telefone do Procon – 151 – e se existe diferença entre o pagamento no cartão e em dinheiro, além de saber se motéis fornecem os preservativos obrigatórios.



Mancha no Velho Chico-Grande Aracaju poderá ficar sem água


Se houver um aumento da vazão do rio São Francisco e a mancha de cerca de trinta quilômetros de extensão e sete metros de profundidade vir a ultrapassar os limites da usina hidrelétrica de Xingó, poderá ser necessário interromper a captação da água no “Velho Chico” e os cerca de um milhão de usuários da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) da Grande Aracaju (Nossa Senhora do Socorro, Aracaju, São Cristóvão e Barra dos Coqueiros) ficarão sem acesso as água potável em suas torneiras por alguns dias. A interrupção do fornecimento de água em Sergipe tem sido cogitada sempre pelos técnicos locais (UFS e Deso) e de Alagoas por causa da presença da cianobactéria entre as algas que formam a mancha. As cianobactérias podem causar sérios problemas á saúde, atingindo o sistema nervoso e o fígado.



Japaratuba quer obras do governo do Estado


Diante da nova realidade financeira de Japaratuba, o prefeito Hélio Sobral (PMDB) tem buscado parcerias para alavancar obras essenciais para o município. Na sexta-feira, 29, ele se reuniu com o governador Jackson Barreto para apresentar e sugerir projetos para o desenvolvimento da cidade. Entre as obras apresentadas e que poderão ser realizadas em parceria com o Estado, estão a reforma da praça Padre Caio Tavares, pavimentação do acesso ao povoado Patioba, construção de uma ciclovia na sede e implantação das redes de abastecimento d’água dos povoado Caraíbas e Araticum. “O governador, como sempre, foi bastante receptivo e se mostrou interessado na realização dessas obras. Acreditamos que em breve estaremos anunciando o início desses trabalhos, levando mais qualidade de vida aos japaratubenses”, frisou Hélio Sobral.



Sintrase fará protesto na ALESE nesta 2ª feira


O Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Públicos do Estado de Sergipe (Sintrase) está convocando os servidores para o ato de protesto que marcará os 11 meses da aprovação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) da Administração Geral. O protesto será nesta segunda-feira, 1º de junho, a partir das 14h, na Assembleia Legislativa.



Joint Venture –
Os empresários Luciano Milstein e Lomes Nascimento serão parceiros numa joint venture que promoverá a atuação conjunta da TV Cidade (Luciano) e emissoras de rádio (Lomes)

Greve na UFS -
A greve dos professores e servidores da UFS, que começou no último dia 28, terá continuidade nesta segunda-feira com manifestações dentro do Campus de São Cristóvão (Rosa Elze).

Em defesa do piso -
Professores da rede estadual manterão a greve iniciada na semana retrasada em defesa de um reajuste de 13,01% no piso salarial da categoria. Na semana passada, o desembargador José dos Anjos declarou a greve ilegal e multa de R$ 10 mil por dia sem cumprir a determinação de voltar ao trabalho.


O funeral está pela hora da morte


Engana-se quem afirma que o metro quadrado mais caro de Aracaju está no bairro 13 de Julho. Na verdade está no Cemitério Colina da Saúde, onde um túmulo de dois metros por um metro custa em média R$ 10 mil.



TV Alese deve entrar no ar em agosto próximo


Conforme informações do diretor de Comunicação da Assenbleia Legislativa de Sergipe, Marcos Aurélio, em agosto próximo a TV Alese, canal aberto no 48.3, entrará no ar. Logo em breve será lançado o edital para testar equipamentos para a posterior aquisição. A sede a emissora será na esquina da avenida Ivo do Prado com a rua Maruim, onde funcionou o Colégio Salvador.


Sergipe no Conexão Repórter, do SBT

O programa Conexão Repórter dessa semana destaca o documentário “Os Senhores da Fome” fruto de uma investigação de 4 meses. Nas imagens, revelações de uma rede de empresários que se uniu a políticos para fraudar licitações da merenda escolar em Sergipe. Nos flagras de câmeras escondidas estão chefões e articuladores que produziam cartas marcadas em licitações e superfaturamento no preço da merenda. Os bastidores das reuniões criminosas serão mostrados no domingo, logo após o programa Silvio Santos no SBT.


Detran - Servidores paralisarão atividades dia 03

Os servidores do DETRAN SERGIPE, reunidos em assembleia realizada na manhã de 31 de maio de 2015, decidiram PARALISAR suas atividades por 24h no próximo dia 3 de Junho, motivados pela falta de negociação com a Diretoria do Detran e Governo do Estado. A paralisação será realizada em todo estado, afetando as 6 unidades da capital e as 7 do interior, sendo realizado apenas a entrega de documentos já emitidos. A categoria pleiteia aumento salarial, aumento de benefícios e a criação da comissão para estudo e formulação do PCCV, assim como melhorias nas estruturas físicas das unidades.



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
31/05
13:09

A crise e o desemprego depois de 2008

Ricardo Lacerda*
Professor do Departamento de Economia da UFS

Muitos de nós economistas esquecemos em algumas situações que a economia trata de pessoas. Os números do PIB, juros, inflação/deflação, câmbio, ajuste fiscal, balanço de pagamentos não se encerram em si próprios.

Na edição de maio de 2015 do relatório Perspectivas Sociais e do Emprego no Mundo, a Organização Internacionacional do Trabalho (OIT) dimensiona o impacto da crise financeira internacional sobre o mercado de trabalho, tanto em termos de desemprego quanto da precarização nas relações de trabalho. 

O relatório estima que o número de desempregados ao final de 2014 se posicionou cerca de 30 milhões acima da situação anterior à crise de 2008. A edição de janeiro do relatório havia apresentado os números de forma mais detalhada. Entre 2008 e 2009 o contingente de desempregados na economia mundial saltou de 179 milhões de pessoas para 199 milhões de pessoas (ver Gráfico). 

 

Projeções

A instituição estima que 40 milhões de jovens entram no mercado de trabalho anualmente no mundo e que um crescimento econômico robusto é fundamental para abrir postos de trabalho para essas pessoas, o que não vem ocorrendo já por sete longos anos.

No primeiro momento da crise, o mercado de trabalho nas economias emergentes não foi tão impactado. O Brasil, por exemplo, continuou gerando empregos formalizados até muito recentmente e a taxa de desocupação no país caiu de 8,1%, em 2007, para 6,5%, em 2013. 

Nos últimos dois anos a geração de emprego se tornou mais débil nas economias emergentes e as projeções da OIT apontam para aumento na taxa de desemprego em muitas das principais economias emergentes, como Rússia, Brasil e África do Sul. 

O mercado de trabalho nos países de economias avançadas sofreu com intensidade muito maior os efeitos da crise. Em alguns países de economias avançadas, como a França e a Itália, a taxa de desemprego se aproxima, no primeiro caso, e ultrapassa, no segundo, de 10% da força de trabalho, sem perspectivas de melhorias expressivas até 2017. 

Mesmo com a recuperação no mercado de trabalho nos útimos anos em grandes economias, como as dos EUA, Reino Unido e Alemanha, a taxa de desemprego entre os países de economias avançadas se situou ao final de 2014 dois pontos percentuais acima da taxa de 2007.

Precarização

A edição de maio do relatório da OIT sublinha que desde a deflagração da crise financeira em 2008 a relação de trabalho se tornou menos segura o que, inclusive, enfraquece a demanda e penaliza a produção. Como o sacrificio recaiu desproporcionalmente sobre os segmentos mais pobres da população economicamente ativa, notadamente nos países ricos, a piora no mercado de trabalho produziu aumento de desigualdades e colocou novos e maiores desafios para as políticas públicas em termos de ampliação da cobertura da proteção social. 

O relatório denuncia que a relação de emprego estável em tempo integral perdeu peso nas economias avançadas e corre o risco de deixar de ser o tipo de vínculo dominante. Entre os países de economia emergente, apesar do ciclo de crescimento anterior que favoreceu a formalização do trabalho, o emprego informal continua a ser muito disseminado. Ademais, a OIT alerta que nas atividades menos nobres das cadeias de abastecimento globais disseminam-se relações de trabalho de curta duração e com horários irregulares. 

Em tempos de crise, eleva-se o risco da corda arrebentar do lado mais fraco. Nesse momento da vida brasileira em que a quase totalidade dos segmentos empresariais e uma parcela ampla da classe política e economistas se perfilam em favor de, sob pretexto de regulamentar, ampliar a prática da terceirização da força de trabalho, o relatório da OIT serve de alerta. 

Cadeias globais

A OIT entende que mudanças na regulação do trabalho são necessárias para dar conta da nova realidade. A inserção dos países pobres nas cadeias globais de produção e comercialização tem ocorrido muitas vezes sem observar as garantias minímas para os trabalhadores. 

A instituição sublinha que os trabalhadores submetidos às novas relações de trabalho, mais precarizadas, como trabalhadores temporários e informais, trabalhadores em tempo parcial, muitos dos quais há um predomínio de mulheres, são mais afetados pela probreza e pela exclusão social e que adotar políticas públicas que propiciam uma cobertura social daqueles que estão submetidos às relações mais frágeis vai ser um dos principais desafios dos próximos anos. Nesse contexto, defender o avanço da terceirização, como alguns propoêm para o Brasil é um grande equívoco.

*É também Assessor Econômico do Governo de Sergipe.
**Artigos anteriores estão postados em http://cenariosdesenvolvimento.blogspot.com/


Coluna Ricardo Lacerda
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
31/05
13:01

Começam os festejos juninos em Sergipe

Eugênio Nascimento

Disso ninguém tem dúvida, as duas maiores festas brasileiras são as duas maiores festas nordestinas, no caso o Carnaval e os Festejos Juninos, período em que são homenageados Santo Antônio (13), São João (24) e São Pedro (29). Os festejos juninos arrastam multidões em várias cidades nordestinas, famosas por promoverem grandes arraiás e impulsionarem o turismo na baixa estação.

Em Sergipe, as festas começam neste final de semana, bem antes dos dias dedicados aos santos e  tem a ver com boa colheita: quem plantou e viu a terra retribuir, agradece aos santos, sempre com muita festa, danças e comidas típicas do sertão. São destaques pelas animadas noitadas Aracaju, Estância, Itaporanga D?Ajuda, Capela, Canindé do São Francisco e Nossa Senhora do Socorro. Mas há animações em vários outros, inclusive em povoados onde acontecem casamentos de matutos, quadrilhas juninas passeios de carroças e a cavalos e intensa queima de fogos.

O ciclo junino em Sergipe é um período de mesa farta. Muito milho cosido, assado, amendoim, laranjas, canjica, pamonha, carnes de boi, porco e galinha assadas na fogueira, batidas, licores cachaças limpas, conhaques, vinhos e cervejas.

Nessa época são realizadas em Aracaju, duas grandes festas que reúnem as melhores atrações da música junina sergipana e nacional, o Forró Caju, na praça dos mercados, e a Vila do Forró, na Orla de Atalaia. Os dois espaços ficam lotados de turistas e pessoas da capital e interior sergipano, que passam a noite bebendo, cantando e dançando. A programação da capital será aberta dia 19 com Frank Aguiar e Cavaleiros do Forró e termina dia 29 com Calcinha Preta.

No interior do Estado, o São João de Estância, a 68 km de Aracaju, é conhecido pelo espetáculo pirotécnico. Os barcos de fogo, deslizando em cabos de aço, iluminam a noite escura e afoitos guerreiros arremessam, uns contra outros, busca-pés e espadas de fogo. É um espetáculo de luz e cor e que já é reconhecido nacionalmente pela mídia.

No município de Capela, o destaque das festas juninas é o São Pedro e vale conhecer  a Festa do Mastro, que reúne uma multidão de homens e mulheres que seguem à pé até um local tomado por lama e lá arrancam uma árvores que servirá identificar a festa com sua imensa fogueira. O transporte da árvore que servirá de mastro é feita em cortejo por uma multidão que, cantando e dançando se mela de lama para comemorar o mais tradicional São Pedro de Sergipe.

Em toda e qualquer cidade de Sergipe, no mês de junho sempre há uma festa à base de forró. Os próprios sergipanos costumam falar que tem os melhores festejos juninos do Brasil e lembram sempre que durante o dia tem sol e praia e as noites são aquecidas com muita dança e quentão. Boas festas!


Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
31/05
12:55

As pererecas de Jandira

José Lima Santana
Professor de Direito da UFS

Jandira estava de casa nova. Enfim, um sonho de muitos anos se realizara. Durante muito tempo, ela morou em apartamento. Ou, como ela dizia, em “apertamento”. Aposentada de pouco, sozinha, conseguiu comprar uma casa em condomínio fechado de classe média. Era uma casa modesta, mas confortável. Tudo que ela queria. Tinha passado a infância e a juventude no interior, numa casa ampla com um quintal fabuloso onde se contavam inúmeras árvores frutíferas. Era um quintal e tanto. Jovem estudiosa que era, passou no vestibular para Serviço Social. De início, morou numa república para moças estudantes universitárias, que a UFS mantinha, para moças e rapazes, separadamente. Depois de formada, conseguiu uma colocação no estado. Comprou, com financiamento da Caixa Econômica, o tal “apertamento”. Exerceu a atividade de assistente social por trinta e dois anos. Aposentou-se. E, agora, estava bem do seu, na casa estalando de nova. Conhecia poucos vizinhos. Tinha maior contato com uma senhora, que vivia com o filho portador de tinha síndrome de down, e que era mãe de uma ex-colega de trabalho. Um casal de idosos, cordial e esbanjando alegria, morava na casa em frente, e sempre lhe cumprimentava.

E ali estava Jandira, beirando os sessenta anos, solteira, amante de um bom filme, de um bom livro, de um bom prato e de seus dois gatos, Marisco e Momota. Os pais ainda viviam, no interior. As duas irmãs moravam no Rio de Janeiro, cidade que ela adorava. Com as manas, ela passava todos os réveillons, desde sabe-ia-se lá quando. Os três sobrinhos desmanchavam-se por ela. Um cunhado era como o irmão mais velho que ela não teve. O outro nem cheirava nem fedia.

A assistente social aposentada cuidava de um pequeno jardim, zelava da casa, fazia sua comida, tomava um cafezinho no shopping, tarde sim, tarde não, com umas amigas, ia ao cinema, lia, ia à missa dominical, fazia crochê para passar parte do tempo ocioso. E ajudava, aos sábados, no asilo. Tinha, em termos, uma vida cheia. Vida de aposentada, que vivia sozinha, sem arrependimentos de ter permanecido solteira e intacta. Não que ela não teve, no passado, alguns pretendentes. Teve-os, sim. Porém, amar mesmo de verdade, ela só amou a um deles. Zeferino Maia. Um jovem gerente do Banco do Brasil. Viúvo. Ele viuvou ainda muito novo, aos vinte e nove anos. A mulher morreu apenas dois anos após o casamento. Jandira o conheceu três anos depois do início da viuvez. Cortejaram-se por uns meses. Engataram o namoro. Ela tinha acabado de assumir o cargo na administração pública estadual. O namoro respeitoso ia muito bem até que o gerente foi transferido para a Bahia, terra de múltiplas variações de fé. Terra de santos e orixás. Terra de igrejas e terreiros. Terra de mulatas de mil requebrados. De tabuleiros cheios e apetitosos. Terra de mil encantos. E de mil tentações.

Longe estava o namorado. Falavam-se ao telefone quase todos os dias. Vez ou outra, ele vinha para um fim de semana. Hospedava-se no Hotel Jangadeiro, perto do “apertamento”. Um dia, após dois anos e meio da transferência do namorado, ela recebeu uma carta dele, na qual dizia que estava noivo da filha de um deputado federal baiano, dono de fazendas de cacau e gado. Pois é: o cacau e os bois valiam muito. Nunca mais ela namorou. Entrincheirou-se, como dizia sua avó, Dona Domitila. Por uns dias, sofreu muito. Depois, foi-se acostumando com a solteirice. Nunca mais confiaria em homem nenhum. Desilusão? Bastava uma.

Aquele era o primeiro inverno na casa nova. Afinal, mudara-se há apenas dois meses. Na sexta-feira antepassada, um aguaceiro desabara dos céus. Aracaju não podia ver água. E com a maré cheia, então... Choveu a madrugada toda. Choveu o dia todo. Interiorana, ela gostava de dormir ouvindo a música da chuva no telhado, gosto que não pôde ter durante os muitos anos em que morou no “apertamento”, que ficava no segundo andar. Agora, na primeira madrugada muito chuvosa que passou na casa nova, ela voltou aos tempos da infância e adolescência. A chuva tilintando nas telhas, escorrendo pelas biqueiras. Temperatura gostosa, que a fazia abraçar-se ao travesseiro. Companheiro de uma vida solitária.

No fim da tarde daquela sexta-feira, ela se deparou com uma rã no banheiro. Não tinha medo de rãs, mas elas lhe davam nojo. Encontrou mais duas delas na cozinha. Depois, já eram cinco. Jandira nunca mais tinha visto tantas pererecas. Lembrou-se do filme “A invasão das rãs” (“Frogs”), um filme pavoroso, tipo B, de 1972, dirigido por George McCowan, ao qual ela assistira no antigo Cine Aracaju.

À noite, recolhida ao quarto, na cama aconchegante, eis que ela, antes de apagar a luz, contou nas paredes quatro rãs. Era, sim, uma nova invasão daquela espécie de anfíbio anuro da família Ranidae. Ligou para uma amiga bióloga, dizendo-lhe que tinha algumas rãs de estimação. A outra respondeu, inocentemente (?): “Amiga, pra que é que você quer um magote de pererecas? Basta uma!”. As duas riram. Lorotaram um pouco mais. Despediram-se. Jandira encolheu-se na cama. Cobriu-se. E rezou para que as rãs ficassem onde estavam.

O sábado também amanheceu chuvoso. Ao acordar, ela acendeu a luz. As rãs não estavam nas paredes. Estariam no banheiro? Estariam no chão, nos chinelos? Sentando-se na cama, ela olhou o par de chinelos. As rãs não estavam ali. Jandira fez a costumeira oração matinal. Desceu da cama. Calçou os chinelos. Quando ia dar o primeiro passo, uma rã pulou em seu pé esquerdo. Ela deu um grito, que deve ter assustado a metade do condomínio. Caiu na cama, a rã agarrada ao pé. Sacudiu o pé com veemência. A rã não se moveu. Aquela coisa fria grudada em sua pele quase a fez desmaiar. Criou coragem. Lembrou que seu pai dizia: “Em cima de medo, coragem!”. Ela não tinha medo. Tinha nojo. Levantou-se. A rã ainda estava lá. Curvou-se e, rapidamente, tentou agarrar a rã, que pulou para os seios, depois para a cabeça e foi-se embora, saltitando, saltitando até agarrar-se na parede, ao lado da porta do banheiro.

Refeita do susto e do nojo, ela se deixou cair na cama. Uma casa nova também tinha das suas. Nada na vida era perfeito. Jandira não tinha fazendas de cacau. Não tinha fazendas de gado. Tinha apenas uma vida decente. E, agora, tinha suas novas visitas. As rãs. Nojentas, sim, mas inofensivas. Não lhe fariam mal algum. O inverno parecia mesmo ter chegado. Ela ouviria muitas vezes, na casa nova, a música da chuva tilintando no telhado. O seu coração era livre, como livres eram as pererecas saltitantes, que vinham sem marcar hora ou sem ser chamadas. E, livres, ir-se-iam embora, quando bem quisessem. Naquele sábado, a chuva continuaria cantando. E ela ouviria, muitas vezes, Louis Armstrong interpretando “Wonderful World”. Sua canção preferida. Lembranças... Lembranças...

(*) Publicado no Jornal da Cidade, edição de 31/05 e 1º/06 de 2015.
 


Coluna José Lima
Com.: 0
Por Kleber Santos
30/05
20:01

É possível sobreviver como artista plástico em Sergipe?

Eugênio Nascimento

Na década de 1980, melhor dizendo nos idos de 1982, quando o empresário Eurico Amado, irmão do ex-deputado federal Ariosto Amado, reapareceu em Sergipe, sua terra natal, alguns artistas locais puxaram para a mídia de Aracaju um debate sobre as artes plásticas no Estado e denominaram essa iniciativa de Movimento das Artes. É claro que chegaram à conclusão de que a situação era ruim e que precisavam melhorar a qualidade da produção artística, induzir os sergipanos a lhes dar atenção e comprar o que produziam e ampliar a divulgação de forma a lhes garantir a conquista de maiores projeções nos cenário e mercado nacional.

Foi louvável a iniciativa, que tinha à frente os jovens artistas plásticos Marinho Neto, Anselmo Rodrigues e José Fernandes, em 1982. Fez um verdadeiro rebuliço na mídia local. Buscaram espaços, falaram e promoveram exposições em Aracaju. Alguns artistas ousaram um pouco mais e exibiram seus trabalhos em Estados do Nordeste, (Bahia, Alagoas e Pernambuco), Centro-Oeste (Goiás e Brasília) e Sudeste (Rio de Janeiro e São Paulo). Ainda assim, nenhum nome alcançou projeção igual à do “senhor do labirinto”, o japaratubense Artur Bispo do Rosário, que produziu arte bruta e tem seu nome reconhecido internacionalmente.

O Movimento das Artes teve como principal efeito positivo o fato de permitir a sobrevivência dos organizadores e daqueles que à eles se aliaram e produziram. Abriu as portas do mercado para novos talentos.

No ramo das artes plásticas, Sergipe se projetou um pouco melhor que no da música. Ao longo de sua história, o Estado teve nomes destacados como Jenner Augusto, Jordão de Oliveira, Zé de Dome, Antônio Maia, Leonardo Alencar, Dioneia Paterson, Florival e Álvaro Santos, J. Inácio, Rosa Faria, Adauto Machado, Gervásio e eles deram energia para que os mais jovens Félix Mendes, José Fernandes, Marinho Neto, Caã, Joubert Morais, Zeus, Elias, Bené Santana, Wellington Oliveira, Hortência Barreto, Elias Santos, Edidelson Daniel, Jorge Luiz, José Lima, Pitchiu e tantos outros que estão aí se expondo ao mercado ou movimento das artes.

Ganha-se pouco com as artes plásticas em Sergipe. Mas, ainda assim, dá para alguns personagens sobreviverem só disso ou com ela sendo responsável pela maior parte dos recursos captados, a exemplo de Ciciliano, Adauto, Bené, Joubert, Zeus, Caã e Zé Fernandes. Alguns artistas consultados garantem que parcela representativa (mais de 50%) das pessoas que atuam no ramo das artes plásticas é servidor público e usam a pintura como uma segunda opção de atividade laboral. “Dá para viver só da arte em Sergipe? Eu posso garantir que sim, mas é preciso produzir e disponibilizar o que faz em exposições e para aqueles que lhe procuram fora das galerias”, explica Zé Fernandes.

Já Elias Santos, diz que “alguns artistas conseguem a sobrevivência com o que produz, mas acho que passam dificuldades, vivem aperreados. É muito difícil viver com o que se consegue em uma exposição ou as vendas em ateliês e vidraçarias. É por isso que a maioria dos artistas plásticos são servidores públicos ou possuem outras atividades para obter salário. Acho que as artes não garantem vida boa para ninguém em Sergipe. Mas pode haver exceções”.

As artes plásticas em Sergipe têm poucas mulheres atuando e as mais conhecidas, até hoje, são Dionéia Paterson, Hortência Barreto, Cláudia Toscano e Rosa Faria, que mantinha o seu próprio cenário de exposição, o museu homônimo na praça Olímpio Campos (Centro de Aracaju).

Os preços dos quadros à venda variam de R$ 600 a R$ 18 mil, R$ 20 mil. Um ou outro artista pode conseguir mais do que isso fazendo painéis para empresas. É uma raridade. De um modo geral, é difícil viver de arte em Sergipe, isso em quaisquer dos ramos que se possa pensar. Mas, com jeito vai.

Aracaju possui pequena quantidade de galerias e as mais conhecidas do público são Álvaro Santos, Zé de Dome, Sesc, Galeria Horácio Hora, J. Inácio, Jordão de Oliveira, ABT, Acauã, Centro de Exposição e a virtual
www.aracaju.com/galeria/. Os artistas estão sempre a cobrar novos espaços para expor ao público os trabalhos dos novos talentos e conseguiram a abertura no Tribunal de Contas e Assembleia Legislativa.



Coluna Eugênio Nascimento
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
30/05
14:01

#30/05 - O que fazer em Sergipe neste final de semana


>> EDIDELSON SILVA EXPÕE TELAS
O Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE) abriu espaço desde sexta-feira para a exposição "Paisagens Simbólicas", do artista plástico Edidelson Silva. Nesse fim de semana, não é possível visitar a exposição, mas de segunda à sexta-feira, o turno da manhã está aberto o local para visitas.

30 DE MAIO – SÁBADO

>> COMEÇA O SÃO JOÃO DE ESTÂNCIA
A cidade de Estância aguarda hoje um grande número de visitantes. É que vai ser dada a largada para os festejos do São João. A cidade cenográfica recebe os últimos retoques e o forródromo apronta toda sua estrutura. Por este palco irão passar shows do Forró da Folha, Eugenio Bispo, Raio da Silibrina e, como principal atração, Aldemário Coelho.

>> ENQUANTO A TRANCA NÃO BATE
Exposição gratuita da fotógrafa Iza Foz vai até este sábado, no Café da Gente, situado no Museu da Gente Sergipana.

>> FORRÓ DO BADALANDO
O Suburbia abre espaço neste sábado, às 22 horas, para a volta do Forró do Badalando. São três atrações: Jaysa Costa, Forró do Vips e a alagoana Forró da Farra, além do Dj Bruno Sena nos intervalos.

>> FARRA DE LEI


O Villa Hits faz, neste sábado, a ‘Farra de Lei’, com o agito de Eve Sandes e de Eric Gomes. O local abre abre às 22 horas com as batidas do Dj Cello e a bilheteria é aberta às 20 horas.


>> BALAIO DE FULÔ

Neste sábado, a partir das 22 horas, o Balaio de Fulô pretende levar ao público um repertório com muito xote, xadado, baião, além de variações do coco e dos ritmos do folclore sergipano, no Brother’s Club.



>> DEDÉ SANTANA E SUA TURMA
A RD Produções e o Circo Irmãos Power trazem para Aracaju neste final de semana o humorista Dedé Santana – o eterno trapalhão, no Circo Irmãos Power, que está instalado ao lado do Shopping Jardins. Neste sábado, a sessão vai das 18h30min às 20h30min. No domingo, tem sessões às 16h, 18h e às 20h30min.

DIA 31 – DOMINGO

>> FORRÓ DE AREIA BRANCA


O município de Areia Branca contará com uma programação bastante diversificada no São João, cuja abertura oficial será neste domingo, com cinco atrações, incluindo os cantores Alcimar Monteiro, Luan Estilizado e Mastruz com Leite.



>> LARANJEIRAS EM FESTA
A prefeitura de Laranjeiras abre oficialmente neste domingo, (31), os festejos juninos da cidade. A programação terá início às 20h, na quadra Ulisses Maynard. Mais uma vez, para manter a tradição histórica, os batalhões farão um cortejo pelas ruas para anunciar a chegada das comemorações do mês de junho. Em seguida, se apresentam na quadra Ulisses Maynard.

>> FEIJOADA DA NAÇÃO RUBRO NEGRA
A embaixada da nação rubro negra de Aracaju, a FLACAJU, realiza, às 14 horas, neste domingo a 1ª FLAjoada de Aniversário, no Bar e Restaurante Renatão (13 de Julho). Estão confirmadas as presenças de ex-jogadores do Flamengo, Julio César Uri Geller e Adilio Gonçalves.Mais informações (79) 9837-7755.

>> ECOLOGIA É PAPO CABEÇA

A estreia do musical “Ecologia é Papo Cabeça” acontece neste domingo, às 17 horas, no Teatro Tobias Barreto. A peça, que é de autoria de Antônio Leite, traz músicas de Xambu e tem a direção de Jorge Lins. A entrada custa 2 kg de alimento.


>> SÉCULO FEST

A Quadrilha Século XX realiza neste domingo, às 11 horas, a festa "Século Fest", com a presença do Trio Século XX, de Mimi do Acordeon e do grupo de hip hop Breaker Foster Crew. A dançarina Vanessa Linhares também fará uma apresentação de dança do ventre.


>> BRASIL SABOR 1
Até esse domingo, os sergipanos podem conferir as criações regionais de chefs de cozinha no cardápio de 18 restaurantes da capital e do interior do Estado de Sergipe. As receitas especiais figuram no cardápio fazendo parte do Festival Brasil Sabor, promovido pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

>> BRASIL SABOR 2
Robalo, mangaba, caranguejo, camarão e uma infinidade de ingredientes regionais ganham composições inusitadas no menu de cada estabelecimento: Calles, Maria Flor, Cantina D’Itália, Ligue Pizza, Adriano´s Bar, Garoa Paulista, Almeida, Hotel Mercure Delmar, Seo Inacio, Al Bar, O Renatão, Babbo Giovanni, Frango Americano, Pirambeleza, Parati, Grota dos Coqueiros, Cacique Chá e Mar da Espanha. Esse é o objetivo do Movimento Brasil Sabor, valorizar os ingredientes locais e enaltecer a rua como palco de encontro para os brasileiros.

>> FORRÓ PARA ISMAEL
Neste domingo, às 13h, no Gonzagão, acontece a festa “Forró para Ismael”, com forrozeiros sergipanos. O valor do ingresso é R$ 10,00.

>> PROGRAMAÇÃO DE CINEMA

CINEMARK JARDINS

Reapresentação

12 Homens e Uma Sentença
Western - 96 min. - 12 Anos - Direção: Sidney Lumet

Um jovem porto-riquenho é acusado do brutal crime de ter matado o próprio pai. Quando ele vai a julgamento, doze jurados se reúnem para decidir a sentença, levando em conta que o réu deve ser considerado inocente até que se prove o contrário. Onze dos jurados têm plena certeza de que ele é culpado, e votam pela condenação, mas um jurado acha que é melhor investigar mais para que a sentença seja correta. Para isso ele terá que enfrentar diferentes interpretações dos fatos, e a má vontade dos outros jurados, que só querem ir logo para suas casas.

Estreias

Promessas de Guerra
Drama - 111 min. - 14 Anos - Direção: Russell Crowe

Após a batalha de Gallipoli em 1919, um pai (Russell Crowe) descobre que seus dois filhos desapareceram do local. Logo, ele abandona sua Austrália natal e viaja até a Turquia, para descobrir o paradeiro dos filhos.


Trocando os pés
Comédia - 98 min. - 14 Anos - Direção: Thomas McCarthy

Um solitário sapateiro de Nova York (Adam Sandler) costuma consertar os sapatos de clientes experientes na arte de viver: que frequentemente tiram férias e vivem aventuras. Ao lado de seu amigo barbeiro (Steve Buscemi), ele espera a sua própria aventura, e vê a vida passar diante de seus olhos. Quando recebe uma generosa herança de família, surge a possibilidade do trabalhador assumir outro papel e ver o mundo de uma forma diferente.


Terremoto: A Falha de San Andreas
Ação - 114 min. - 12 Anos - Direção: Brad Peyton

Um terremoto atinge a Califórnia e um piloto de helicóptero terá que percorrer o estado para resgatar a sua filha.


The Last Naruto: O filme

Aventura - 112 min. - 10 Anos - Direção: Tsuneo Kobayashi

A Lua está em rota de colisão com a Terra, e pode se chocar com o planeta na forma de um meteoro. Enquanto isso, Hanabi é sequestrada por um estranho homem. Cabe a Naruto, Shikamaru, Hinata, Sakura e Sai salvar Hanabi e consertar a situação.

Programação completa

CINEMARK RIOMAR

Programação completa



CINESERCLA (Shopping Prêmio)

Programação completa



CINE VITÓRIA

Estreias

Um fim de semana em Paris
 
12 anos / 93 min. / Comédia Romântica / Direção: Roger Michell

Os ingleses Nick e Meg são professores universitários e estão prestes a completar 30 anos de casados. Para comemorar a ocasião, eles decidem voltar a Paris e se hospedar no mesmo hotel em que passaram a lua de mel. Mas, um encontro acidental com um ex-aluno de Nick transformará para sempre a relação do casal.

Horários:
 
Sábado (30/05) - 17h
 
Domingo (31/05) - 16h30
 
Terça (02/06) - 14h
Quarta (03/06) - 14h

O imigrante russo
 
14 anos / 94 min. / Drama / Direção: Stanislav Günter

Nemez é como o jovem russo-alemão Dima é chamado por seu chefe, o ladrão Georgij. Após sair do centro de detenção juvenil, Dima quer dar início a uma nova vida em Berlim. Mas o seu passado não o liberta: Georgij se recusa a deixá-lo seguir seu próprio destino e o seu pai, que não se sente à vontade na Alemanha, quer voltar para a Rússia com a família. A única coisa que dá esperança a Dima é o seu amor pela estudante de artes Nadja, porém o crime continua por perto. Ele então decide arriscar tudo para encontrar o seu próprio caminho.

Horários:
 
Sábado (30/05) - 14h
Terça (02/06) - 17h

Zons na Ilha
Horário: Domingo (31/05) - 14h

O Ciúme
 
Horário: Quarta (03/06) - 16h30

>> DICA DE TURISMO:

Caueira, Coqueirinho e Ibama são praias boas e perto de Aracaju

O rimo das chuvas diminuiu muito da terça-feira para cá. Mas faz sol e cai uma chuvinha de vez em quando desde então. Por isso, a coluna recomenda passeios por locais não muito longe. Dá para passar um fim de semana agradável nas praias de Itaporanga D’Ajuda, Coqueirinho, Caueira e Ibama, por exemplo.

A Caueira pode ser a sua base, pois fica a 30 minutos de Aracaju, pela rodovia litorânea, que começa no Mosqueiro e segue a ponte Joel Silveira. Lá você pode curtir a praia e bares. Tem pousadas.

Mas, se desejar, retorna pela areia em direção a Aracaju e vai chegar ao Coqueirinho. Lá tem banho de águas doce e salgada e lhe permite pescar, beber e conversar com a família sossegadamente.

Se preferir ir um pouco mais para o sul, siga da Caueira, pela areia, até a praia do Ibama. É point de pescaria e reúne grupos de amigos para beber, conversar e fingir que está pescando. Mas, se o peixe cair na rede ou futucar e se enganchar no anzol, vira churrasco na hora.

Como chegar:
 


Variedades
Com.: 1
Por Kleber Santos
29/05
19:08

Secult lança edital para seleção artística do Arraiá do Povo

A Secretaria de Estado da Cultura lançou nesta sexta-feira, 29 de maio, o Edital Encontro Nordestino de Cultura, que irá acontecer durante o Arraiá do Povo, na Orla de Atalaia, em Aracaju, entre os dias 18 a 29 de junho.

 

O edital tem por objeto a seleção de artistas que irão participar da programação do ARRAIÁ DO POVO e encontram-se abertas no período de 01 a 03 de Junho. Poderão participar do processo seletivo bandas, músicos, grupos musicais, trios, grupos de dança, música e teatro, coletivos de audiovisual e/ou artes visuais.

As inscrições serão feitas mediante entrega de documentação na Secretaria de Estado da Cultura, localizada a Rua Vila Cristina, 1051, B: 13 de julho, CEP: 49020-150 - Aracaju – SE, de segunda a sexta – feira (das 8 às 13:00h) e deverá ser entregue em envelope lacrado, identificados no seu exterior com apenas os dizeres: À COMISSÃO DE SELEÇÃO DO PROJETO “ENCONTRO NORDESTINO DE CULTURA”.

As propostas serão avaliadas e selecionadas por comissão de seleção e a divulgação dos selecionados será realizada no dia 08 de junho no site da Secretaria de Estado de Cultura (www.cultura.se.gov.br). Serão selecionados ao todo 92 artistas, sendo 58 atrações musicais, 4 coletivos de intervenção urbana e/ou audiovisual, 10 grupos folclóricos e 20 produções de artes cênicas.

A Secult informa que as solicitações dos grupos artísticos para apresentações no Arraiá do Povo, anteriormente a abertura deste edital, não tem validade, sendo que os proponentes deverão procurar a secretaria para adequar às normativas do mesmo. (Da assessoria)



Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/05
09:09

Jackson Barreto discute apoio ao Confiança no Campeonato Brasileiro

O governador Jackson Barreto discutiu  apoio ao time do Confiança, que disputa a série C do Campeonato Brasileiro. Dirigentes do clube estiveram no palácio de Veraneio para pedir parceria, inclusive financeira do Banese, para dar continuidade à campanha do Brasileirão.

Para Jackson Barreto, apesar da crise em que o Estado se encontra, vai ser avaliada, junto ao Banese, possibilidade de realização da parceria. “Devemos tratar nossos times de futebol com muito respeito, afinal de contas, esse esporte é a alma do povo brasileiro e da gente sergipana. Neste momento de disputa do Campeonato Brasileiro, é muito justo que o poder público, dentro de suas limitações e até em função da crise que estamos vivenciando, dê também sua contribuição. Afinal de contas, se você ficar apenas analisando as dificuldades e o povo não tiver oportunidade de lazer, fica muito difícil atravessar a crise”, declarou.

O governador ainda disse que vai se reunir com a direção do Banese na próxima segunda-feira, 1º, e buscar uma saída para o time proletário. “Vamos trabalhar para dar ao time o mínimo de contribuição que pudermos nessa empreitada. O Estado, junto com o Banese, pode ganhar, mas, acima de tudo, vamos buscar alternativa para ajudar ao clube”, finalizou.

A proposta do time, segundo afirma o vice-presidente João Quintiliano do Fonseca, é fazer uma boa campanha no Brasileirão, visto que o Confiança conseguiu o acesso à série C. “O apoio do governo é importante para essa caminhada. São 20 clubes nacionais que participam dessa série e dão visibilidade a suas cidades e municípios, e não é diferente com o Confiança. Por isso viemos pedir o apoio do Banese. O governador se prontificou em marcar reunião com presidente do banco para discutir esse assunto”, destacou João, acrescentando que o objetivo do clube é se manter na série C, ou conseguir acesso a série subsequente.

Acompanharam a audiência os secretários de Esporte e Turismo, Adilson Júnior e de Comunicação, Sales Neto; o vice-presidente da Federação Sergipana de Futebol, Milton Dantas; o diretor do Confiança, Ernane Rodrigues; assessores do governo e membros da direção do Confiança.



Esportes
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
1 2 3 4 5 6 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos