31/12
22:49

Rede de boatos nas campanhas eleitorais


“Maledicência é o ato de falar mal das pessoas. Definição bem amena para um dos maiores flagelos da Humanidade”. (Richard Simonetti – A voz do monte)

Uma boa campanha, ainda que ao final não obtenha o sucesso desejado, tem em plena atividade o seu Departamento de Maldade. Ele funciona junto ao marketing ou lado a lado com o candidato, para provocar ou atingir frontalmente o opositor. Faz-se isso em maior ou menor escala, mas sempre faz-se. Ainda que seja antiético e algo desonesto, adota-se esse tipo de postura até como mecanismo de proteção. Faz-se isso preventivamente. Faz-se isso como consequência de uma agressão.

Propaga-se boatos, estimula-se fofocas maldosas e atinge-se a honra. Os boateiros de plantão criam histórias contra os opositores do seu grupo e por conta disso ganham bons salários, bons cargos comissionados e encontram sempre um espaço para estar por perto do chefe. Eles são inúteis para a sociedade, mas conta com o prestígio e o carinho do chefe, que acha que lhe deve um importante favor. Mas o fato é que onde há disputa há boatos, há a mentira, a farsa e todos, ainda que não gostem desse tipo de situação, acham engraçado e até ampliam o boato. Os políticos gostam disso. Os eleitores também.

Os boatos e os boateiros não deveriam ser levados à sério. Mas os dois ganharam importância grande. Vê-se e ouve-se boatos todos os dias e a todo instante. A importância do boato, da queimação política pode ser vista no dia a dia da nas ruas e na mídia. A internet é rica nisso. Propaga-se a mentira até que assuma conotações de verdade. Diz-se que o ex-senador e ex-governador da Bahia, Antônio Carlos Magalhães, quando entrava em campanha pedia a assessores um dossiê de seus opositores e é atribuída a ele a afirmação de que não há problema quando o opositor não tem defeito, pois coloca-se nele aquele que a gente desejar.

Na disputa da sucessão do presidente Lula, por exemplo, o candidato tucano fez uso do norte-americano Ravi Singh, que comandou os ataques contra a presidente Dilma na internet. Já o PT é acusado de promover uma série de dossiês para queimar o ex-governador José Serra. No vale tudo eleitoral, os ex-presidentes Lula, FHC, Sarney também foram alvos de boatos e seus seguidores também atingiram os seus opositores. Em Sergipe, os boatos estão presentes em todas as eleições. Há lero lero anunciando doenças mortais em um ou em outro candidato. Fala-se mal da família e dos amigos. E nessa onda, há sempre alguém que diz “foi, cara, eu vi”. E acrescenta alguma coisa a mais.


Agora, com as redes sociais, as redes de boatos ganharam mais velocidade ainda.
Vocês vão ver isso intensamente na campanha de 2012. É o Departamento de Maldades em operação.



Política
Com.: 1
Por Eugênio Nascimento
31/12
22:40

Seis bons momentos econômicos de Sergipe em 2011

1- Em 2011, a economia sergipana continuou ampliando de forma vigorosa o emprego formal. Nos 12 meses completados em novembro, foram criados 18.834 novos empregos, o segundo melhor resultado da história, inferior apenas ao ano de 2010. É preciso ter clareza que a capacidade de geração de emprego formal em Sergipe mudou de patamar. Antes de 2008, Sergipe nunca havia atingido a marca de 10 mil empregos criados em um ano;

2- Os anúnciosdeinvestimentosqueconsolidamoPólodeFertilizantesdeSergipe, incluindo a unidade de produção de sulfato de amônia pela Fafen e de novos investimentos na produção de potássio pela Vale e pela Rio Verde Minerals;


3 - A confirmação da descoberta de petróleo leve em águas ultraprofundas
no campo da Barra, em Sergipe;

4 - Finalmente, o fato de a produção de milho de Sergipe ter alcançado um milhão de toneladas, crescimento de 1.114% entre 2000 e 2010, consolidandose como segundo maior produtor do Nordeste;

5 - Lançamento do programa Sergipe Mais Justo, que por meio da busca ativa pretende resgatar da pobreza extrema, até 2016, os 311.162 sergipanos que se encontram em tal situação;

6 - No campo da formação de recursos humanos, a implantação do campus da saúde da Universidade Federal de Sergipe, em Lagarto, e o anúncio de mais quatro escolas técnicas no interior do Estado.



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
31/12
22:21

Sergipe precisa ter a sua Comissão da Verdade

Embora a ditatura militar brasileira, iniciada em 1964 e terminada no dia 15 de janeiro de 1985, quando o Colégio Eleitoral escolheu o deputado Tancredo Neves presidente da República, numa disputa contra Paulo Maluf, tenha sido muito dura em Estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Bahia e causar a impressão de que foi amena em Sergipe (isso embora não exista um torturômetro para medir o grau de violência a que foram submetidos nossos presos políticos), há um sentimento no menor Estado do Brasil, principalmente entre as vítimas do regime militar esegmentos democráticos, de que se faz necessário criar a Comissão Estadual da Verdade para que os fatos ocorridos sejam devidamente apurados e venham ao conhecimento público.
 

Há movimentações isoladas no sentido do encaminhamento da comissão. A deputada estadual Ana Lúcia Menezes (PT) teve a iniciativa de instalar o Comitê Sergipano Pró-Comissão da Verdade, mas que nenhum encaminhamento foi dado ainda pela referida comissão, de forma que ela pouco pode falar sobre o assunto. Existe um levantamento técnico realizado pelo professor e historiador Milton Barboza, do Projeto Memórias Reveladas, que aponta a existência de 793 dossiês de presos políticos do regime militar em Sergipe. Esses dossiês são constituídos de fichas de identificação, interrogatórios, provas do “crime”, vários documentos que serviam como suporte para a prisão, fotografias e depoimentos de terceiros.

Bem que poderiam servir como primeiro e importante passo na formação da Comissão Estadual da Verdade. Ex-presos políticos como o ex-governador Seixas Dória, o vice-governador Jackson Barreto, os ex-vereadores Antônio Góis, Marcélio Bomfim e Rosalvo Alexandre, o ex-secretário da Segurança, Wellington Mangueira, o ex-petroleiro Milton Coelho, Bosco Rollemberg, Laura Marques e Ana Cortes, entre outros, claro que gostariam de ver tudo apurado. Milton Coelho, o mais atingido pelos militares, deixou o quartel do 28° Batallhão sem a visão. O seu nome é o mais lembrado Brasil afora, ao lado do de Seixas Dória, que teve papel importante na luta contra o golpe e depois no processo de redemocratização. Todos eles têm muito para dizer e seria bom que os militares que os torturaram manifestassem suas versões também.

No plano nacional, a presidente Dilma encaminhou o processo de formação da Comissão da Verdade. É uma iniciativa louvável e seria bom que todos os governos dos Estados brasileiros viabilizassem ações para que a Comissão venha a ser criada. Avalia-se que isso seria salutar para a democracia e para o futuro do Brasil. Mas os militares entendem que serão alvo fácil das esquerdas e que os seus nomes seriam expostos de forma negativa para as suas corporações e suas famílias. Por isso, apegam-se à Lei da Anistia, aprovada há 30 anos e que contemplou o torturado e o torturador.


Mas juristas como Fábio Konder Comparato, membro do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), questionam esse apego militar à anistia. “É lícito e honesto que governantes e seus comandados que tenham cometido crimes de profunda violência sejam perdoados por uma lei votada por um Congresso submisso?” A Ordem questiona a anistia concedida aos representantes do Estado (policiais e militares) que praticaram atos de tortura no período de vigência do regime militar. Na vizinha Argentina, apura-se os fatos e pune-se os culpados.


No Brasil, punir será difícil, mas não dá para negar aos brasileiros o direito de
saber quem fez o que no período mais vergonhoso da história do Brasil. Governador Marcelo Déda, seria bom Sergipe ter a sua Comissão da Verdade. Seria bom para os sergipanos de agora e os do futuro, aqueles que atuarão como guardiões da democracia e que evitarão que a dor causada pelas mortes e torturas não mais ocorra. É uma forma de passar parte da história do Brasil e de Sergipe a limpo. Que o Estado encaminhe o processo junto com a sociedade civil!   (Eugênio Nascimento)



Política
Com.: 2
Por Eugênio Nascimento
31/12
16:05

Matrículas na rede estadual começam segunda-feira


Começam nesta segunda-feira, 2, as matrículas para o ano letivo de 2012 na rede estadual  de ensino. De acordo com o calendário, entre os dias 2 e 6 de janeiro serão realizadas as
matrículas para os alunos que pretendem permanecer na escola em que já estudam e precisam apenas fazer a confirmação. Quanto às matrículas dos egressos, os alunos que já estudam na rede estadual mas querem mudar de escola, o período para matrícula é de 9 a 13 de janeiro. Para o aluno candidato à rede, aquele oriundo da rede privada ou municipal de ensino, as matrículas serão realizadas de 16 a 20 de janeiro.


 "As escolas estão preparadas para atender à demanda, e nenhum aluno ficará fora da  escola por falta de vagas. A nossa rede é suficiente para atender aos nossos alunos, e quem perder a data das matrículas pode procurar as nossas escolas que continuaremos matriculando", ressaltou o secretário de Estado da Educação, Belivaldo Chagas. Para se matricular, o aluno deve apresentar um documento de identificação, que pode ser a identidade ou certidão de nascimento, e o documento de transferência ou declaração, caso o aluno esteja mudando de colégio. (Da assessoria)


Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
31/12
15:46

Os melhores filmes de todos os tempos

Diogo Cysne - Crítico e Diretor Amador de Cinema

 

Semanas atrás, escrevi artigo sobre a minha lista dos melhores filmes de 2012. No espaço de hoje, eu pretendo apresentar os meus dez melhores filmes de todos os tempos. Esses são os grandes filmes que muito mexeram com minha imaginação e que mais me marcaram. São obras definitivas do cinema, cujas influências transcenderam os limites da grande tela e passaram a modelar a própria cultura humana. A seguir, eis os títulos que merecem o rótulo de “obrigatórios para qualquer ser humano”.

 

Réquiem para um Sonho, de Darren Aronosfky. Uma descida ao inferno. Longe do didatismo raso ou do romantismo idealista da maioria dos filmes antidrogas, este aqui atira ao espectador a realidade na sua forma mais aterradora. A história dos protagonistas é uma lenta e exasperante marcha à ruína. O seu desfecho provoca pena e horror na platéia, mas deixa a certeza de que a mensagem foi bem entregue. É um filme que encontra sua beleza na brutalidade.

 

Adeus, Lênin!,  de Wolfgang Becker. A maior de todas as jóias européias é este filme que possui uma grandeza inversamente proporcional à sua ambição: do início ao fim é uma obra humilde, delicada e belíssima. As críticas se dividem igualmente entre a farsa do comunismo e a estupidez do capitalismo, mas o que o define é o retrato lindo do amor de um jovem e sua mãe, bem como de seu esforço sobre-humano para protegê-la do mundo em mudança.

 

Três Homens em Conflito, de Sergio Leone. O faroeste supremo e uma sátira de si mesmo. Essa grande ironia vem do mestre que moldou o gênero e que inspirou uma infinidade de lendas, de Eastwood a Tarantino. Sergio Leone fez desse filme um épico com tons de paródia, misturando com perfeição o humor (do tipo de um filme que não se leva a sério) com a macheza brutal do Velho Oeste. O resultado final é o melhor filme de seu currículo, acompanhado, de quebra, da melhor trilha sonora que Ennio Morricone já compôs.

 

Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick. A brutalidade humana é desnudada nesse épico do humor negro. Talvez um dos filmes mais polêmicos, cruéis e reflexivos de todos os tempos. No auge de sua liberdade criativa, Kubrick compõe um mundo cínico, distópico, repleto de ironia e arte, no qual atos da mais bestial violência são orquestrados ao som de Beethoven, tudo sob os olhos de um governo imensamente corrupto – mas assustadoramente real.

 

Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola.  A Guerra do Vietnã foi um dos conflitos que mais impactaram o mundo do cinema. Por volta dos anos 1970 e 1980, quase todo grande cineasta tinha sua própria visão do conflito: Stanley Kubrick (“Nascido para Matar”), Oliver Stone (“Platoon” & “Nascido em 4 de Julho”) e até mesmo o caído em desgraça Michael Cimino (“O Franco Atirador”). De todos estes, porém, Coppola sai vitorioso com seu imortal “Apocalypse Now”, que elevou o retrato de uma guerra a patamares além da arte. Coppola se comunica com a mente humana à medida que o conflito se torna cada vez mais surreal. Uma guerra insensata, provocada pela e provocadora da insanidade humana. A cena dos helicópteros voando e matando inocentes ao som de “A Marcha das Valquírias” será, para sempre, a cena mais poderosa da história do cinema – e a única digna do adjetivo “perfeita”.

 

2001: Uma Odisséia no Espaço, de Stanley Kubrick. Foi “simplesmente” o filme que consolidou ficção científica como um gênero sério do cinema. Sua influência se estende através do tempo e se entranhou na cultura popular de maneira que muitos de nós nem percebemos (mesmo quem não viu o filme já viu algum tipo de paródia de suas cenas). Essa monumental criação de Kubrick, com quase nenhum diálogo e visuais perfeitos, permanece como o filme de ficção científica mais estudada de todos os tempos. Com justiça.

 

Boogie Nights: Prazer sem Limites, de Paul Thomas Anderson. A decadência do ser humano narrada nos bastidores do cinema pornô. P. T. Anderson, polêmico e magistral, transforma esta premissa bizarra uma angustiante jornada, no melhor estilo “ascensão e queda”. Mais impressionante é apenas o retrato de cada um dos personagens, que não são seres sem moral nem pervertidos sedentos por sexo, mas trabalhadores comuns tentando ganhar o pão de cada dia. A indústria erótica se transforma em um trabalho como qualquer outro! Não há maior exemplo de relativização e de quebra de barreiras.

 

Crepúsculo dos Deuses, de Billy Wilder. O filme que com mais sucesso desnudou a podridão hollywoodiana foi aquele que se tornou um dos maiores de todos. Billy Wilder revolucionou o modo de se fazer cinema ao adotar um estilo de roteiro e direção que superam, em termos de agilidade e técnica, a maioria dos filmes produzidos atualmente (esse filme foi lançado em 1950). Dotada de um humor negro sem paralelos, essa grande tragicomédia acompanha os passos decadentes da ex-estrela de cinema Norma Desmond e do infortunado roteirista Joe Gillis, e revela o que Hollywood por tanto tempo conseguiu esconder: o mundo de glamour, brilho e sucesso é apenas uma fase passageira desta indústria cruel. Por trás dela, estão o fracasso, a humilhação e a miséria – não material, mas psicológica – do ser humano.

 

Cidadão Kane, de Orson Welles. O filme que redefiniu o cinema. Sem sombra de dúvida, é a obra mais estudada, analisada e discutida de toda a sétima arte, com um impacto cultural que não pode sequer ser calculado. Este filme inventou um sem-número de técnicas que só seriam novamente dominadas décadas depois. Sua câmera e fotografia ainda são desafios para os cineastas mais experientes. Sua história, inspirada no magnata das comunicações William Randolph Hearst, permanece instigante e desafiadora. Essa foi a obra de estréia de Orson Welles. A primeira de muitos clássicos imortais – e a maior de todos eles.

 

O Poderoso Chefão, de Francis Ford Coppola. Muitos tentaram, mas apenas “O Poderoso Chefão” alcançou a perfeição. Ele é poesia do início ao fim: uma tragédia shakespeariana narrada nas profundezas da máfia nova-iorquina. Marlon Brando, Al Pacino, Robert Duvall e Diane Keaton encontraram seus papéis definitivos nessa que seria a obra mais icônica do cinema norte-americano. Muitos ótimos filmes possuem cenas clássicas. “O Poderoso Chefão” possui dezenas, uma atrás da outra! Isso acontece na apresentação de Don Corleone, na festa de casamento, no atentado contra sua vida, no primeiro assassinato de seu filho Michael, no exílio na Sicília, no tiroteio do pedágio, na cena do batismo ou na morte em um laranjal. Cada segundo deste filme, cada centímetro de sua película é uma preciosidade irretocável de valor artístico além de qualquer compreensão. Um filme impossível de ser melhorado, superado ou sequer igualado. O topo do cinema.



Variedades
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
31/12
15:35

2011 de Muita Superação na Saúde

Por Silvio Santos - Vice-prefeito de Aracaju

Começamos 2011 com muitas dificuldades na saúde pública em Aracaju, como de resto em Sergipe e em todo o Brasil. Naquele pós eleições era voz uníssona entre prefeitos e governadores recém eleitos a reivindicação por mais recursos financeiros para a saúde.

Em Sergipe, ao fazer um balanço do resultado eleitoral, o governador reeleito Marcelo Déda admitiu problemas na condução da política de saúde em nosso Estado e se comprometeu em se dedicar pessoalmente para superar os problemas. 

Em nossa Capital, além dos problemas comuns a todos, nós estávamos à beira da desassistência. Faltavam medicamentos em nossos estoques, não tínhamos prestadores para realização de exames, principalmente na média e alta complexidade e não conseguíamos fechar nossas escalas na urgência e emergência por falta de médicos em nossos quadros e o conjunto dos servidores desmotivados.

Foi nesse cenário que assumimos a Secretaria Municipal da Saúde em novembro de 2010. Arregaçamos as mangas e fomos pegar o touro a unha. Apostamos no diálogo: com os servidores através de seus sindicatos; com os prestadores na tarefa de renegociarmos dívidas e repactuação de contratos; e com os usuários, mostrando com transparência as nossas dificuldades mas, ao mesmo tempo, sinalizando com a resolução dos problemas.

 De janeiro a dezembro de 2011, nós convocamos e empossamos 230 profissionais aprovados em concurso, entre eles: 71 auxiliares de enfermagem para trabalhar nos Programas Saúde da Família, Ambulatório e Urgência, 17 novos agentes comunitários de saúde, 10 agentes de combate às endemias, 6 assistentes sociais, 9 atendentes de consultório, 28 enfermeiros, além de motoristas de ambulância, 11 professores de educação física para o programa Academia da Cidade, técnicos de suporte e de enfermagem e analistas de informação.

Recuperamos as escalas completas do Nestor Piva e do Fernando Franco. Nessas Unidades, o número de pessoas atendidas mais que dobrou nos últimos meses. E essa procura aumentou porque o serviço é de qualidade. E foi para garantir o atendimento em todas as unidades da rede municipal que fizemos concurso para 20 especialidades médicas, realizamos também Processo Seletivo e contratamos 16 Agentes Redutores de Danos para trabalhar no combate às consequências do uso de álcool, outras drogas e doenças sexualmente transmissíveis.

 Avançamos em várias frentes. Desde o mês de abril, estão sendo realizados mutirões, inclusive de oftalmologia, para acabar com a fila de espera de exames e também contratados serviços para avançar nas cirurgias eletivas. Onze Unidades de Saúde da Família foram reformadas e outras cinco já estão em processo de licitação. Inauguramos também do Centro de Especialidades Médicas da Criança e do Adolescente, a segunda Farmácia Popular de Aracaju e o Centro de Tratamento para o Fumante. Hoje, há acesso à internet em todas as Unidades de Saúde da Família para agilizar a marcação de consultas e exames.

Outro avanço foi o reconhecimento do Plano Municipal de Controle da Dengue entre os 3 mais eficientes do país, com a realização de mutirões também aos sábados e queda contínua dos índices. Em 2009 esse índice foi de 2,4%; em 2010 caiu para 2,1% e em 2011, caiu para 1,6%. Isso sem falar na criação do novo número gratuito contra a dengue: 0800-079-1997.

O Programa Saúde na Escola que ano passado realizou atividades em 8 escolas, este ano ampliou o trabalho para 27 escolas. Em 2012, o programa também será ampliado cobrindo 100% das escolas de ensino fundamental em Aracaju, o que equivale a ações desenvolvidas em 82 escolas.

O Programa Academia da Cidade é outro destaque. Está entre as cinco melhores experiências de promoção à saúde no Brasil. Trabalho reconhecido pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, ao programa de Aracaju que foi modelo para a criação do programa federal Academia da Saúde. Afinal de contas, qualidade de vida não é somente ir ao médico, é não precisar ir porque não está doente, porque tem hábitos saudáveis. Em 2011, dois novos pólos foram criados. O número de alunos subiu de 6 mil para quase 8 mil pessoas. E em 2012, mais 3 novos pólos serão criados.

 Atingimos patamar de destaque também na rede de assistência à saúde mental que é referência no país. Um levantamento feito pelo Ministério da Saúde demonstra que Aracaju é listada como a capital com a melhor cobertura de atenção psicossocial do Brasil. Esses reconhecimentos são muito gratificantes e mostram que estamos no caminho certo para oferecer saúde sempre porque o usuário dos SUS merece o melhor.

 Os avanços são  muitos, mas sabemos que os desafios aumentam com essas conquistas. Estamos mantendo um canal de diálogo aberto com os servidores e negociação contínua com os médicos com a meta de estabelecer um novo modelo remuneratório que valorize o profissional e melhore cada vez mais a assistência à população.

Acredito em um processo democrático de construção permanente do SUS. Não se recupera o acúmulo em prestação de serviço da noite para o dia, mas estamos intensificando as ações para melhorar de maneira contínua a qualidade da nossa saúde pública em Aracaju. O apoio do prefeito Edvaldo Nogueira e a integração e parceria do secretário de Estado, Antônio Carlos, e do governador, Marcelo Déda, assim como a participação determinada e determinante de nossos servidores foram fundamentais para a superação das nossas dificuldades em 2011. Que 2012 seja um ano de novos avanços.

Saúde Sempre! Você merece o melhor.


Variedades
Com.: 1
Por Eugênio Nascimento
29/12
21:15

Comércio sustentará economia brasileira em 2012, prevê CNDL


A injeção de R$ 47 bilhões na economia oriundos do reajuste do salário mínimo e a crescente presença da Classe C no mercado de consumo deverão fazer do comércio o setor com melhor desempenho no Brasil em 2012. A análise é do presidente da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), economista Roque Pellizzaro Junior, para quem a manutenção do nível de emprego no País será o maior desafio do próximo ano.

"Com o amadurecimento do nosso mercado, o varejo deverá sofrer mudanças em sua atividade para se adequar a esta nova fase. Com esta ótica, os varejistas já reestruturam seus planos de expansão dos pontos de venda, assim como o mix de seus produtos", avalia Pellizzaro. Segundo ele, esta tendência deverá se generalizar ao longo de 2012.

A participação da Classe C no mercado depende, no entanto, da manutenção do emprego. Considerado a coluna de sustentação da economia nacional por meio do consumo das famílias, o nível de emprego tem apresentado acomodação segundo os últimos números apresentados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o que deverá fazer deste indicador o principal foco de atenção do Governo para o próximo ano.

O presidente da CNDL acredita que o crescimento do PIB em 2012 não deverá ser superior a 3,5%. Os números dos dois últimos trimestres associados à instabilidade nos mercados internacionais e à tendência de acomodação do consumo interno justificam a análise do economista.


Poder de compra

Outros fatores importantes para o desempenho do comércio no próximo ano estão ligados à manutenção do poder de compra dos consumidores. A inadimplência, embora tenha crescido por dez meses consecutivos em 2011, como demonstraram os dados do SPC Brasil, deverá apresentar reversão de tendência nos primeiros meses do ano com a entrada de recursos do novo salário mínimo (14% superior) e acomodação da demanda da "nova classe C", acredita Pellizzaro.


Segundo o presidente da CNDL, a inflação, considerada um dos causadores da inadimplência e do alto endividamento que levaram a desaceleração nas vendas nos dois últimos meses de 2011, em especial no Natal, deverá ser menor em 2012 do que a registrada este ano. O índice de custo de vida, no entanto, deverá se manter acima do centro da meta do Governo, de 4,5%. "O Banco Central não poderá atuar com uma política de juros altos sob pena de paralisação econômica no Brasil", prevê o presidente da CNDL, referindo-se à taxa Selic, principal instrumento para conter os preços.

Pellizaro acredita que o Banco Central deve manter a trajetória de queda da taxa básica até que atinja juros reais (juros menos inflação) de 5% ao ano. A taxa básica de juros é hoje de 11 % ao ano e a última projeção do mercado para a inflação de 2011 é de 6,54%. "A preocupação com a inflação estará no centro das atenções do BC, mas a redução na atividade econômica também." (Da assessoria)



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
29/12
19:07

BNB firma convên io para realização de pesquisas tecnológicas com a UFS

O Banco do Nordeste através da Superintendência Estadual de Sergipe entregou ontem (27), três convênios no valor total de R$ 173.926,00 a Universidade Federal de Sergipe. Os convênios firmados tiveram como fonte de Recursos o FUNDECI, Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, cujo objetivo principal é o apoio a realização de pesquisas tecnológicas e a difusão dos resultados.

Ao longo dos últimos anos, a Universidade Federal de Sergipe desenvolveu inúmeros trabalhos de pesquisas, dos quais se destacaram os ligados ao melhoramento genético da cana-de-açúcar e do milho. Estes estudos proporcionaram uma elevação significativa da produção Sergipana destas culturas.

Nesta oportunidade, também foi apresentado ao Reitor o segmento governo do Banco do Nordeste e seus produtos. A partir deste ano, o BNB passou a atuar em igualdade de condições perante as demais instituições financeira oficiais, no tocante ao SICONV (Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse).

Estiveram presentes à reunião, o Reitor da Universidade Federal de Sergipe, Josué Modesto dos Passos Subrinho, o Superintendente do Banco do Nordeste em Sergipe, Antonio César de Santana, o Gerente de Negócios com Governo, Ricardo Luiz Carvalho Osório, e o Gerente de Desenvolvimento Territorial, João Eudes Lauriano de Oliveira.  (Da assessoria)



Economia
Com.: 0
Por Eugênio Nascimento
1 2 3 4 5 6 » Próxima » Última

Enquete


Categorias

Arquivos