A indústria manufatureira em 2015

29/11/2015 18:10:48 por Kleber Santos em Coluna Ricardo Lacerda
Ricardo Lacerda*
Professor do Departamento de Economia da UFS

Mesmo considerando todas as adversidades do cenário externo e a atuação dos fatores internos como a queda da renda e do emprego, as restrições do crédito, a elevação das taxas de juros e a instabilidade política, é difícil entender como a atividade industrial deteriorou-se tão intensamente ao longo de 2015.

Depois de cinco anos (2009-2013) sem apresentar crescimento sustentado, a atividade manufatureira caiu 4,3%, em 2014, e vem despencando em 2015. 

Nos nove primeiros meses do ano, o nível de atividade da indústria de tranformação encolheu extraordinários 9,2% em relação ao mesmo período de 2014. Não é pouca coisa. No passado recente, somente em 2009, em pleno furacão da crise financeira internacional, a atividade manufatureira apresentou retração tão expressiva (9,4%). 

O ritmo de queda da atividade industrial tem sido muito intenso ao longo de 2015 e vem se acentuando nos últimos meses (ver Gráfico 1). 
 
Ao longo desses nove meses, todas as atividades da indústria de transformação recuaram em comparação com o mesmo período do ano passado. Nenhuma atividade se apresentou para quebrar a unanimidade. No agregado Indústria Geral, que abrange a indústria extrativa mineral e a de transformação, o volume da produção física recuou 7,3% nos nove primeiros meses do ano, queda atenuada pelo crescimento de 7,3% da indústria extrativa mineral (ver Gráfico 2).

Quando são consideradas as atividades industriais por categoria de uso dos bens a retração também foi generalizada: a indústria de bens de capital caiu 32,6%, ou seja, em apenas um ano se apresenta 1/3 menor; a produção de bens intermediários, 14,2%; bens de consumo dúraveis, notáveis 25,3%; e as atividades de bens de consumo semiduráveis e não duráveis, 16,8%.

 

O componente externo
Do lado externo, o cenário de fato está sendo muito adverso em 2015, com a forte retração nos preços dos principais produtos de nossa pauta industrial de exportações. Mesmo com as vendas externas de produtos manufaturados e semimanufaturados tendo apresentado incremento em termos físicos nos dez primeiros meses do ano, de 4,2% e 6,3%, respectivamente, na comparação com igual período de 2014, os valores exportados apresentaram quedas muito expressivas, de 11,3% e 9,3%. Não houve portanto, um impulso positivo oriundo das exportações sobre o nível da atividade industrial, apesar da intensa depreciação sofrida pela moeda nacional. 
 
É verdade que a queda no valor importado (23,5%) foi superior à das exportações (16,4%), fazendo com o país voltasse a apresentar saldo comercial positivo, de US$ 12,2 bilhões, contra o déficit de US$ 1,9 bilhão entre janeiro e outubro de 2014.  

Todavia, os efeitos positivos que poderiam advir da substituição de importados pela produção doméstica no mercado nacional foram relativamente modestos até o momento, além de revelarem-se insuficientes para amortecer o desastre nas vendas internas. 

O componente interno
As vendas no varejo brasileiro vêm despencando ao longo de 2015 como resultado das medidas de contenção do poder de compra da população e das abruptas deteriorações do mercado de trabalho e do nível de atividade econômica, que foram potencializadas pelo ambiente político convulsionado. 

Entre janeiro e setembro, o volume de vendas do varejo ampliado caiu 7,4%, em relação ao mesmo período do ano anterior. Para certos segmentos industriais, as quedas nas vendas no varejo interno foram ainda mais acentuadas, atingindo 16,1% nos ramos de veículos e peças e 13% em móveis e eletromésticos. Também muito expressivas foram as retrações nas vendas de outros setores de grande peso na indústria de transformação: o varejo de material de construção, caiu 6,4%, e confecções e têxteis, 7,3%.

Com o cenário externo adverso e o mercado interno despencando, o nível de atividade industrial não deve se recuperar tão cedo. A estabilização e a retomada da atividade industrial vão ter que aguardar, em primeiro lugar, que passe a turbulência política interna. E os efeitos positivos da desvalorização cambial não serão tão automáticos quanto se pensava, diante da debilidade do mercado externa e da perda de vigor do setor decorrente do longo período em que vigorou de moeda apreciada.

*Assessor Econômico do Governo de Sergipe.
**Artigos anteriores estão postados em http://cenariosdesenvolvimento.blogspot.com/
 

Deixe um comentário

Seu nome (Necessário)
Seu E-mail (Necessário - Não será exibido)
Seu comentário
Código da imagem:

Enquete


Categorias

Arquivos