A ficha caiu

18/12/2016 16:13:03 por Kleber Santos em Coluna Afonso Nascimento
Ricardo Lacerda*
Professor da Universidade Federal de Sergipe

Depois de um terceiro trimestre com resultados muito ruins, a economia brasileira iniciou o ultimo trimestre de 2016 confirmando a trajetória de aceleração do ritmo de queda do nível de atividade, enquanto o aguardado choque de confiança simplesmente faltou ao encontro marcado.

Comércio varejista, indústria e serviços recuaram no mês de outubro e as edições dos índices setoriais de expectativas de outubro e novembro oscilaram entre estagnação ou queda na confiança de consumidores e empresas. Crise política e recessão se reforçam mutuamente e já ninguém arrisca prognóstico de quando o nível de atividade chegará ao fundo do poço.

A mudança do humor é patente, sendo constatada tanto nas sondagens de mercado quanto nas pesquisas de opinião junto aos eleitores. Com o chão abrindo aos seus pés depois de delações de crimes de corrupção envolvendo a alta cúpula da administração, o governo federal recorreu às pressas a arremedos de estímulos à economia por meio de alguma recomposição do poder de compra de famílias e de empresas, asfixiado pelo alto nível de endividamento.
As medidas anunciadas contemplam a reestruturação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), renegociação de dívida com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o diferimento no pagamento de tributos por parte das empresas. Em uma segunda etapa, poderá ser regulamentada a utilização de parcela do FGTS para abater dívidas das famílias.

Reação tardia
Analistas próximos ao governo alertavam já alguns meses que o ritmo de atividade da economia sinaliza o aprofundamento da recessão no terceiro trimestre e recomendavam que o Comitê de Política Monetária do Banco Central (COPOM) acelerasse o ritmo de redução da taxa básica de juros da economia. Por duas reuniões subsequentes, o comitê decidiu por limitar a queda dos juros em 0,25 ponto percentual.

Na reunião dos dias 18 e 19 de outubro, o Copom literalmente fez pouco caso do agravamento do quadro recessivo, comunicando na ata da reunião que não se impressionava com os números ruins do nível de atividade no terceiro trimestre e que, apesar da queda dos índices de preço ao consumidor, os preços dos serviços ainda resistiam a cair, exigindo “persistência” na política monetária. Ao final da reunião, o Copom decidiu pela redução de 0,25 pp na taxa básica, o que na prática sinalizou a elevação na taxa de juros reais, frente à perspectiva de queda acentuada nos índices de preço. Na reunião seguinte, nos dias 29 e 30 de outubro, mesmo com a forte deterioração desde a reunião anterior, o Copom manteve a política de redução de 0,25 pp, com a diferença que agora reconhecia o agravamento do quadro recessivo. Vale a pena comparar o item que trata do nível de atividade econômica nas atas das duas reuniões.

Na Ata da 203ª reunião do COPOM, de 18 e 19 de outubro de 2016, o Copom registrava que “3. Oscilações no atual estágio do ciclo econômico são comuns e provavelmente explicam os resultados recentes. No seu conjunto, a evidência disponível é compatível com estabilização recente da economia brasileira. Índices de confiança, expectativas de crescimento do PIB para 2017 apuradas pela pesquisa Focus e o comportamento de prêmios de risco e preços de ativos apontam para uma possível retomada gradual da atividade econômica.”

Seis semanas depois, na 203ª reunião do COPOM de 29 e 30 de novembro, reconhecia-se que os recuos dos indicadores de atividade não eram meramente flutuações naturais do ciclo de negócios “3. Após os recuos dos indicadores de atividade econômica relativos a agosto, a ausência de uma reversão nos meses seguintes torna menos provável o cenário em que esses movimentos refletiriam oscilações naturais da atividade econômica em torno de momentos de estabilização. Aumenta, portanto, a probabilidade de que a retomada da atividade econômica seja mais demorada e gradual que a antecipada previamente”.

Apesar do reconhecimento da piora do cenário, o Copom persistiu no ritmo de redução da taxa básica. Em eventos posteriores, o presidente do Banco Central teria declarado que estava sofrendo horrores de pressão para acelerar a queda da taxa de juros nas próximas reuniões do Copom.

Outubro
No mês de outubro, os indicadores do nível de atividade sinalizaram a continuidade do agravamento do quadro recessivo. O volume de vendas do comércio varejista recuou 0,8%, na série livre de efeitos sazonais, no pior resultado para o mês desde 2008. O volume de serviços e a produção industrial despencaram, respectivamente, 2,4% e 1,1%.

O Índice de Atividade do Banco Central sintetiza o movimento recente registrando a aceleração do ritmo de queda no cálculo trimestral. Na comparação entre o trimestre agosto-outubro e o trimestre anterior (maio-julho) o IBC-BR caiu 1%, quando havia se retraído 0,6% no trimestre encerrado em setembro. Na comparação do trimestre agosto-outubro com o trimestre móvel anterior (julho-setembro), o IBC-BR recuou 0,5%, frente a queda de 0,3% no trimestre encerrado em setembro (ver Gráfico).

Frente ao agravamento da crise política, a equipe econômica corre atrás do prejuízo. O prazo para mostrar resultados positivos na atividade econômica encurtou, a ficha caiu, e a equipe econômica soma-se à operação deflagrada para salvar o governo Temer.



*Assessor econômico do Governo do Estado de Sergipe

Comentários (1)

Fernando Doria em 18/12/2016 às 21:16h
A crise politica apenas disfarça a gigantesca crise econômica que o pais vem atravessando nos últimos três anos ! Segundo pesquisas da Rio Bravo Investimentos descobriu-se que a Crise do Crédito enxugou $1trilhão de reais do mercado, pois desde o consumidor até os estados estão exauridos no crédito !!
Só nos restam as Reformas para que o prazo de recuperação não leve os 08 anos que aconteceram nos Estados Unidos...

Deixe um comentário

Seu nome (Necessário)
Seu E-mail (Necessário - Não será exibido)
Seu comentário
Código da imagem:

Enquete


Categorias

Arquivos