O emprego está demorando muito a retornar

11/03/2018 19:09:23 por Kleber Santos em Coluna Ricardo Lacerda
Ricardo Lacerda*
Professor da UFS

A retomada da economia brasileira tem sido lenta e atribulada. Além da instabilidade política interna, inclusive com impactos persistentes de setores atingidos pela operação Lava Jato, algumas turbulências no cenário internacional se apresentam como ameaças a um crescimento conturbado que, apesar de mostrar sinais de que está começando a engrenar, demora a atingir velocidade de cruzeiro. 

Mais angustiante é que, mesmo com a economia em aceleração nos últimos meses, o emprego formal demora a retomar.

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Empregados (CAGED), do Ministério do Trabalho, informaram a geração de 77.822 empregos celetistas em janeiro de 2018. O último saldo positivo de criação de emprego em janeiro havia sido em 2014. Se o resultado não chega a ser espetacular é um bom número para o mês. A marcha recente de geração de emprego tem sido lenta, insuficiente mesmo para absorver os jovens que ingressam no mercado de trabalho, sem considerar o amplo estoque de empregos perdidos nos três últimos anos.

Nos últimos doze meses foram acrescentados apenas 83.539 novos empregos formais, um incremento modesto para um país que perdeu 2,8 milhões de vínculos com carteira de trabalho desde janeiro de 2015. Na média dos setores, o estoque de empregados com vínculos celetistas registrou nos últimos doze meses o modesto incremento de 0,22%, frente a incremento do PIB de cerca de 1%. A demora do mercado de trabalho retomar o crescimento restringe a recuperação da economia brasileira.  

Em doze meses, as atividades de serviço e comércio geraram os maiores contingentes de novos empregos, seguidas pelo setor agropecuário e pela indústria de transformação. Mas a atividade da construção continuou desempregando (foram menos 90,6 mil empregos), ainda que o saldo da contratação de janeiro tenha sido positivo em cerca de 15 mil empregos. 

Perdas acumuladas
O Gráfico a seguir mostra, segundo setor de atividade, o quanto ainda teremos o que caminhar para recuperar os empregos perdidos nos últimos três anos. Na comparação com janeiro de 2015, o estoque de emprego formal em janeiro de 2018 se situava 6,8% abaixo. Se as maiores retrações se verificavam nos 24 meses entre janeiro de 2015 e janeiro de 2017, quando o estoque de emprego recuou 7 pontos percentuais, a reposição de emprego nos últimos doze meses se limitou a 0,2%.

Coincidência ou não, a retrações mais abruptas no estoque de emprego formal se verificaram nos setores mais diretamente atingidos pela ação da operação Lava Jato, o setor extrativo mineral (que inclui a exploração de petróleo e gás) e o segmento da construção civil, esse último atropelado também pelos impactos do estouro da bolha imobiliária e pela crise fiscal que fez paralisar as obras públicas.

O estoque de emprego com carteira assinada na construção civil em janeiro de 2018 se situou 29,9% abaixo do existente em janeiro de 2015. O emprego na atividade extrativa mineral também sofreu forte retração e continua em forte retração nos últimos doze meses. No setor secundário, apenas o emprego na indústria de transformação parou de cair e sinaliza recuperação nos últimos meses.

A geração de emprego formal no setor terciário apresentou comportamento um pouco mais favorável, particularmente nas atividades de comércio e em alguns segmentos de serviços, especificamente nos subsetores de serviços técnicos e administrativos e no de saúde, mas o único setor de atividade em que o emprego formal em janeiro de 2018 era superior ao do mesmo mês de 2018 era a agropecuária.

Especialistas têm se mostrado relativamente positivos em relação à geração de empregos formais ao longo de 2018, com as projeções variando entre 700 mil e um milhão de novas vagas, Já seria um bom começo, mas há ainda uma longa estrada para compensar as perdas acumuladas. 


Deixe um comentário

Seu nome (Necessário)
Seu E-mail (Necessário - Não será exibido)
Seu comentário
Código da imagem:

Enquete


Categorias

Arquivos