Os escafandristas

07/10/2018 17:56:16 por Kleber Santos em Coluna Ricardo Lacerda
Ricardo Lacerda  
Professor da UFS                  

Nunca tive a veleidade de convencer ninguém a votar em candidato ou partido A ou B. Sempre entendi que cada eleitor, a partir de suas referências, faz sua própria leitura sobre a realidade e se posiciona, independentemente de idade e nível de escolaridade. E depois suporta as consequências de suas escolhas. Converso sim sobre as opções existentes com amigos e pessoas com quem me relaciono.

Nos dias que antecedem as eleições, nem a isso me proponho. Escrevo o presente artigo para registro futuro; não o futuro próximo de 2019 ou 2020 e sim o futuro dos escafandristas que, como nos versos da música de Chico Buarque Holanda, depois de “milênios, milênios no ar (...) virão explorar seu quarto, suas coisas, suas almas, desvãos (...) vestígios de estranha civilização”.

Desencontros

Aqueles que nesse futuro distante se debruçarem sobre a realidade do Brasil de 2018 certamente terão dificuldades para compreender o que se passava nesses tempos tumultuados, marcados pelos desencontros. Como uma sociedade passou tão celeremente de uma euforia e ganhou confiança sobre futuro durante o mais abrangente e socialmente inclusivo ciclo de crescimento de sua história, entre 2004 e 2012; realizou gigantescas manifestações de rua, em 2013, quando as melhorias sociais começaram a mostrar os seus limites; e se afundou em parafuso desde 2015, afastando a presidente eleita, em 2016, alguns acreditando que novos tempos viriam, e se defrontou com a falta de perspectivas e o desencanto nos últimos dois anos?

Claro que uma parcela importante dos problemas atuais tem raízes no exterior, com a crise financeira de 2008 nos Estados Unidos; a contaminação da Europa, em 2011; o comprometimento do crescimento do nosso principal parceiro comercial, a China, em 2013. Mas isso é apenas uma parte do enredo, importante no contexto geral, mas insuficiente para entendermos a dimensão do impasse em que nos encontramos. Sim, a forma e a intensidade com que reagimos aos ventos externos foi muita própria e revelam muito da natureza das nossas mazelas internas.

Há, pelo menos, duas ordens de questões que emergiram quando a economia brasileira começou a perder o ímpeto de crescimento: uma de natureza econômica e social e outra de natureza cultural e moral. Não tenho competência para falar das últimas mas, ainda assim, irei me arriscar a tecer algumas ligeiras reflexões, porque é necessário considerá-las para entender o tamanho da enrascada em que nos metemos.

Na dimensão dos costumes, a agenda de direitos humanos avançou em ritmo acelerado nos últimos dez anos, contemplando o respeito à diversidade, reconhecimento de direitos de minorias, estabelecimento de cotas em concursos públicos, questões de gênero, sexualidade e novos arranjos conjugais. A velocidade com que essa pauta andou, ainda que haja muito caminho a considerar, assustou muitos segmentos da sociedade, abrindo espaço para o oportunismo exacerbado de líderes religiosos que buscaram se capitalizar, no sentido literal e no metafórico, com a reação da sociedade que, se não pode ser classificada de natural, pode ser encarada como compreensível. Os escândalos de corrupção foram mais um ingrediente relevante na percepção de descontrole e de degradação geral dos costumes.

Na dimensão econômica e social, o fim do ciclo de crescimento econômico e de forte inclusão social, repito, o mais importante da história do Brasil, fez aflorar ressentimentos que se acumulavam entre segmentos da classe média tradicional que perdiam relativamente posição social com a significativa ascensão dos pobres, mesmo que os segmentos médios também estivessem melhorando de vida em termos absolutos. De outra parte, a deflagração da crise econômica deu partida à disputa pela distribuição dos custos do necessário e inadiável ajuste fiscal. Nessa contenda, literalmente, quem pode mais, paga menos, ainda que, com a conflagração interna, os custos sociais estejam se revelando muito maiores do que precisariam ser.

As alianças

As alianças sociais que se formaram nas disputas internas, e que estão refletidas na atual corrida eleitoral, são estarrecedoras, apesar de não serem inusitadas. Como, cargas d’água, os chamados liberais, que defendem a menor presença do estado no funcionamento da economia, se aliam aos setores mais conservadores em termos de costumes, em uma aliança sombria que corteja redução de direitos sociais e estímulos à repressão aos novos padrões e costumes? Como os defensores do livre mercado abrem mão dos mais comezinhos padrões de civilidade e passam a apoiar um candidato sustentado por verdadeiras milícias, pela bancada da bala e que defende a discriminação das mulheres e a perseguição implacável a minorias que podem representar 5% ou mais da população.

Apesar das especificidades dos nossos descaminhos, há sim lições a aprender com a comparação do que acontece em outros países. Seja nos Estados Unidos, seja na Europa, seja em quase todos os demais países da Nuestra América, as divisões internas na população se aguçaram nos últimos anos.

Tais divisões tendem a emergir em períodos de crise econômica e social que muitas vezes são também momentos de grandes transformações, tanto na dimensão produtiva e social, quanto nas dimensões dos costumes.

Para além das diferenças arraigadas sobre o melhor caminho para enfrentar a crise fiscal, a respeito do tamanho adequado do estado nacional e sobre qual seria a melhor estratégia de desenvolvimento econômico e social, é necessário recusar o obscurantismo e dizer não a opções que coloquem o país na rota do retrocesso econômico e social.

Os escafandristas se perguntarão no futuro que estranho pacto se formou para fechar as portas de acesso dos mais pobres à melhoria de vida e legitimou a violência e a perseguição às minorias que buscavam apenas serem reconhecidas como parte de uma sociedade diversa. Há sim pactos não legítimos em outras alianças, como a recusa de abrir mãos de privilégios estabelecidos, mas nada tão assustador quanto ao que no referimos. Até o fim a minha palavra de ordem para ressoar no futuro será  #EleNão.

Deixe um comentário

Seu nome (Necessário)
Seu E-mail (Necessário - Não será exibido)
Seu comentário
Código da imagem:

Enquete


Categorias

Arquivos