Dia de Finados - Missa será celebrada em cemitério clandestino em Aracaju

30/10/2012 07:18:54 por Eugênio Nascimento em Variedades
Os moradores dos povoados Robalo e São José, localizados na Zona de Expansão de Aracaju, realizarão missa em homenagem aos mortos que são enterrados em cemitério clandestino. A missa, celebrada pelo Padre Fernando Ávila, será realizada na próxima sexta-feira, 2, Dia de Finados, às 7h, dentro do Cemitério dos Náufragos, que fica à margem da Rodovia José Sarney, uma das praias mais frequentadas por moradores e turistas.

A missa, além da homenagem aos entes queridos dos moradores locais, serve também para marcar o segundo ano da reabertura do cemitério, que esteve interditado pela Prefeitura Municipal entre 2007 e 2010, fruto de uma decisão judicial.

ENTENDA O CASO - Os moradores dos povoados Robalo, São José, Gameleira, Areia Branca e Mosqueiro, na Zona de Expansão de Aracaju, costumavam enterrar os corpos dos familiares em cemitérios particulares. Uma das explicações para esse comportamento está na distância física e no abandono por parte do Poder Público desde o início do século passado.

A prática resultou na existência de dez pequenos cemitérios, a maioria nos quintais das casas e sítios. Entretanto entre os dez cemitérios está um com a marca da história de Aracaju, de Sergipe e do Mundo: o cemitério dos Náufragos, no qual foram enterradas centenas de corpos das vítimas dos torpedeamentos aos navios Beapendi, Araraquara e Aníbal Benévolo na costa sergipana durante a Segunda Guerra Mundial.

Sobre esse cemitério uma controvérsia persiste: moradores mais antigos da Zona de Expansão afirmam que o Cemitério dos Náufragos não surgiu com a tragédia dos navios torpedeados e que o cemitério já existia há muito anos antes, com o nome de Manguinhos, por outro lado há relatos que dão conta que foi com os corpos das vítimas do torpedeamento que foi inaugurado o Cemitério dos Náufragos.

Desde o início dos anos 2000 que o Ministério Público Estadual tentava uma saída acordada para o problema dos cemitérios clandestinos na Zona de Expansão, principalmente porque até aquele ano poucas residências eram servidas com ligações de água tratada, usando, assim água de poços artesianos.

Em 2006, não conseguindo convencer as autoridades sobre o problema, a Promotoria do Meio Ambiente ajuíza ação visando a interdição dos dez cemitérios clandestinos e a construção de um cemitério dentro dos padrões técnicos e ambientais.

Em 2007 a Justiça condena a Prefeitura de Aracaju e determina a interdição dos dez cemitérios e a construção de um novo cemitério em Aracaju.
A Prefeitura apenas interditou os dez cemitérios, mas não construiu o novo e vem recorrendo durante todos esses anos à Justiça para não construir. O processo 200611201439 tramita na 12ª. Vara Cível e parece longe de ter uma conclusão a curto.

Por outro lado a Prefeitura de Aracaju, no ano seguinte à decisão judicial, autorizou verbalmente aos moradores a reabrirem dois cemitérios: o Maria Rosa, no Povoado Areia e o Cemitério de Nelito, no Mosqueiro.

Em 2010, em reunião, os moradores dos Povoados Robalo e São José decidiram reabrir o Cemitério dos Náufragos. Em 2011 realizaram a primeira missa no local.
Agora, com dezenas de corpos enterrados desde a reabertura, os moradores realizarão a segunda missa no local.

Um dos organizadores do evento, o coveiro Lourival Delfino, classifica o ato como de grande importância para a Comunidade, que passou três anos sem ter acesso ao Campo Santo.

Para José Firmo, vice-presidente da Associação Desportiva, Cultural e Ambiental do Robalo (ADCAR), a reação dos moradores à interdição do cemitério demonstra o abandono por parte do Poder Público. "Não ter cemitério adequado é uma demonstração de que a Zona de Expansão não é prioridade como dizem.", diz Firmo. 

Da assessoria

Deixe um comentário

Seu nome (Necessário)
Seu E-mail (Necessário - Não será exibido)
Seu comentário
Código da imagem:

Enquete


Categorias

Arquivos