A Revolta dos Centavos e seus significados

24/06/2013 05:44:55 por Eugênio Nascimento em Colunas

José Vieira da Cruz - Professor e historiador


As manifestações contra o aumento das tarifas de transporte coletivo, eclodidas em várias cidades do país no curso dos últimos meses, têm chamado bastante atenção. Manifestações parecidas já aconteceram no Brasil, a exemplo da "Revolta do Vintém", ocorrida na cidade do Rio de Janeiro, entre dezembro de 1879 e janeiro de 1880, quando os resultados dos protestos conseguiram revogar o aumento da tarifa de bondes e derrubar o Ministério que estava no poder. Na primeira metade da década de 1980, protestos contra o aumento das tarifas de ônibus, intercalados por pichações e outras manifestações, compuseram o contexto de combate à ditadura civil-militar e fizeram parte do processo de redemocratização em várias cidades do país. E, mais recentemente, houve a "Revolta do Buzu", ocorrido na cidade de Salvador, em 2011. Essas revoltas e manifestações, não obstante suas especificidades, têm em comum o combate ao aumento das tarifas de transporte coletivo.

No caso das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, a visibilidade alcançada pelas manifestações ocorridas neste mês de junho, obtiveram grande repercussão por causa da algumas atitudes violentas. Se por um lado a ação de alguns manifestantes danificaram bens público e privados; por outro, a forma como o Estado reprimiu tais atos suscitou associações incômodas, dentre elas, destaca-se a memória da repressão praticada pela ditadura civil-brasileira (1964-1985).

No cerne dessa associação, as cenas de violência divulgadas pelos meios de comunicação e, sobretudo, postadas nas redes sociais, dimensionam a ideia de que parte da sociedade brasileira sente-se representada na ação dos manifestantes.  Essa situação tem colocado na defensiva tanto o governo do Estado São Paulo, do PSDB, quanto o prefeito da cidade, do PT. Ambos sustentam a autorização do reajuste das tarifas dos transportes coletivos e, de modo direto ou indireto, apoiam a ação da polícia para manter a "ordem social", divergindo apenas, em alguns pontos, quanto ao uso desproporcional da força pelos policiais.

Mas, diante da repercussão observada, em particular a produzida pelas redes sociais, pode-se dizer que parte da sociedade passou a conferir mais atenção às ações dos manifestantes. É possível que essa repercussão esteja causando algum tipo de incômodo a imagem de gestores públicos municipais, estaduais e do próprio governo federal, independente da legenda partidária. A intensidade desse incômodo pode fazer alguns desses gestores se preocuparem com algo mais que a realização de copas e dos Jogos Olímpicos. Seria esse um dos significados do que chamamos de "Revolta dos Centavos", em alusão a "Revolta do Vintém"?

Agora, nas disputas entre as manchetes, a Copa das Confederações poderá sofrer concorrência de possíveis manifestações contra o aumento das tarifas de transporte coletivo. O que será feito disto? Será que a bandeira do não aumento das tarifas vai ser atendida? Outras bandeiras surgirão? "Novos" atores políticos surgirão? O Estado repensará sua forma de lidar com os manifestantes? A sociedade destinará mais atenção ao debate político? Estas e outras perguntas serão respondidas durante ou após a Copa das Confederações?

Comentários (1)

tarcisio em 24/06/2013 às 11:20h
Professor tenho achado interessante a posição tomada por alguns politicos em Especial nossa presidenta. Creio que não foi muito feliz da parte dela falar de uma classe que não esta muito contente como a dos médicos ao dizer que faria uma politica de Importarção de Medicos.Isso somente como exemplo. Vamos ver onde essas manifestações irão parar se pararem.

Deixe um comentário

Seu nome (Necessário)
Seu E-mail (Necessário - Não será exibido)
Seu comentário
Código da imagem:

Enquete


Categorias

Arquivos